terça-feira, 31 de julho de 2012



O Que é Ser Batista?





INTRODUÇÃO: 


- Um seminarista disse-me, não faz muito tempo, que é Batista por circunstâncias: ele converteu-se numa Igreja Batista, mas que não tinha nenhuma paixão por ser isto ou aquilo. 


- Um outro disse-me que era Batista porque, nesse sistema, a Igreja pode fazer o que quer e ninguém tem nada com isso, porque as Igrejas Batistas são autônomas. Bem, nota zero para os dois. Esta é a situação de muitos Batistas nos nossos dias. 


E então, incomoda-nos a pergunta: Que é ser Batista?  


1. Ser Batista é, antes de mais nada, ser crente no Senhor Jesus Cristo - crente porque converteu-se a Jesus, ao arrepender-se de seus pecados e crer nEle como único e suficiente Salvador. 


- Nos dias atuais, em que muita gente procura igrejas para milagres e para "melhorar de vida" (teologia da prosperidade), há muita gente que está numa igreja, mas nunca teve uma experiência de conversão e não tem certeza da sua salvação. 


- Os Batistas, ao longo da história, têm exigido que integrem-se às suas igrejas aquelas pessoas que já se converteram, sendo então batizados "na base do perdão dos pecados" (tradução correta revista da expressão: "para perdão dos pecados", em Atos 2.38). 


- Nesta mesma linha de pensamento, ser Batista é crer que o crente recebe o Espírito Santo quando crê (João 7.37-39; Atos 2.37-47; Ef.1.13-14), ocasião em que é selado no Espírito Santo, o que lhe dá a garantia da salvação (penhor - Ef. 1.13-14; 2 Cor. 1.18-22;5.5). Daí, não existir "Batista Renovado", "Batista Carismático" e outros semelhantes. Batista, é Batista. 


 2. Ser Batista é ter identidade doutrinária. 


- Os Batistas sempre conservaram suas marcas doutrinárias, eis porque a expressão muito comum entre os historiadores de: "doutrinas distintivas dos Batistas". Antes de tudo, esta marca começa pela aceitação da Bíblia como única regra de fé e prática. 


- Por exemplo: cremos na salvação pela graça somente, sem a ajuda das obras, porque a Bíblia assim o diz (Ef. 2.8-10). 


- E assim por diante. E as práticas dos Batistas, desde a sua liturgia ou modelo de culto, até os aspectos éticos da vida cristã se regulam por ensinos e princípios bíblicos, principalmente do Novo Testamento. 


- Atualmente, nota-se um movimento sorrateiro no sentido de descaracterizar a identidade das denominações. 


- Fala-se muito de "Unidade na diversidade". Isso não existe. Em termos de religião e de vida espiritual, só existe unidade com identidade. 


- A Bíblia faz questão da identidade, a começar pelos nomes dos servos de Deus. 


- Só para citar dois exemplos: 


* Abrão, significava: "pai exaltado" (Gen. 11.27). Mais tarde seu nome foi mudado em razão de uma experiência com Deus, para: Abraão, que significava: "pai de multidão" (Gen. 17.5). 


* O nome: Jacó, significava "suplantador", porque nasceu agarrado ao calcanhar do irmão. Mais tarde, depois da famosa experiência no Vau de Jaboque, seu nome foi mudado para "Israel", que significava "ele luta com Deus". 


- Os crentes primitivos foram identificados como "Cristãos", por causa do seu Mestre. 


- E nós, os Batistas, termo inicialmente pejorativo, temos esta identidade porque sempre lutamos por uma volta ao Novo Testamento, contra as heresias e desvios doutrinários. Esta é a nossa marca registrada.  


- A partir da Bíblia como única regra de fé e prática, seguem-se outras doutrinas, como: A natureza congregacional, local, autônoma e democrática da Igreja; a separação da Igreja do Estado; a responsabilidade individual ou da suficiência da pessoa, no sentido de poder, ela mesma aproximar-se de Deus (sem precisar de sacerdotes); a liberdade de consciência (e isto influenciou, via Batistas, a Constituição dos Estados Unidos da América do Norte - Roger Williams); O batismo por imersão para pessoas já convertidas e, portanto, contra o chamado batismo infantil, dentre outras. 


-  Aprendendo no Novo Testamento, os Batistas tornaram-se, ao longo da história, um grupo que pratica a cooperação entre igrejas da mesma fé e ordem. Daí, fizeram história na área de missões, através de convenções e juntas missionárias, mas os Batistas nunca entenderam que uma Convenção, com a qual cooperam voluntariamente, é mais importante do que a Igreja local. 


- Infelizmente, com o crescimento dos Batistas em algumas partes do mundo, como nos Estados Unidos e no Brasil, chegamos a um ponto em que as Convenções tornaram-se um foco de poder político e, como resultado, muitas igrejas começaram a esperar por decisões e planejamentos e até definições das Convenções para realizarem seu trabalho. No entanto, não é esse o espírito Batista. Pelo contrário, o trabalho efetuado por organizações denominacionais se fortalece, à proporção em que a Igreja local cresce e realiza o seu trabalho. 


- Quando a Igreja local se enfraquece, as Convenções e instituições denominacionais também se enfraquecem. 


- Quando uma convenção criada pela vontade de Igrejas Batistas começa a ditar as regras para essas igrejas, essa Convenção está prestes a cair e a perder a sua razão de ser. 


 3. Ser Batista, por outro lado, é respeitar o pensamento alheio, tanto de igrejas da mesma fé e ordem, como de outras igrejas e religiões. 


- O direito de liberdade de consciência e, portanto, de culto, é princípio do qual os Batistas nunca abriram mão, tanto para si como para os outros, uma vez que eles mesmos aprenderam isso pelo seu próprio sofrimento por perseguições que enfrentaram de outros religiosos. No entanto, só se unem para cooperação com aqueles que são doutrinariamente semelhantes. 


- Basta acompanharmos a história de suas "Declarações de Fé" que, diga-se de passagem, não têm nada a ver com os chamados "credos" católicos e de certos grupos protestantes. E quando as doutrinas dos que estavam juntos não "batiam" com as suas declarações de fé, logo havia uma separação natural, pela atração dos que pensavam semelhante em termos doutrinários. 


- Já a própria Palavra de Deus assevera: "Andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?" (Amós 3.3).


 4. Ser Batista é ser firme e definido nas convicções. 


- Há hoje muita gente que costuma dizer: "Eu congrego com qualquer grupo". Tais pessoas, naturalmente, não sabem o que são e nem para onde vão. Paulo, o apóstolo, dizia: "eu sei em quem tenho crido" (2 Tim. 1.12-14). 


- Batista sempre foi povo de convicções firmes e muitos deles, no passado, foram presos, perseguidos e até morreram por suas convicções. 


- Quem não conhece a maravilhosa história de John Bunyan que, por ser Batista, foi preso, ocasião em que escreveu o livro: O Peregrino? Como resultado da firmeza e definição dos Batistas, para eles não existe ecumenismo. 


- O ecumenismo tem invadido nossos arraiais e feito uma espécie de "lavagem cerebral" em muitos dos nossos líderes. Mas ecumenismo não existe no Novo Testamento. Aquela linda expressão de Jesus: "Para que todos sejam um como nós", não tem nada a ver com ecumenismo, pois na época não existia nada além do movimento puro, sem heresias, de Jesus. Na verdade, no contexto, Jesus estava se referindo ao seu grupo de apóstolos, por quem orava no momento. 


- Eis porque os Batistas sempre interpretaram a figura da igreja como um corpo (1 Cor 12.13-31), como referindo-se à igreja local e não a uma "Igreja Universal". Até mesmo do ponto-de-vista lógico e prático, seria impossível pensar num corpo com seus membros em diferentes lugares geográficos e contextos doutrinários. O corpo aqui é de cada igreja local, pois o Novo Testamento enfatiza a Igreja local. 


5. Ser Batista é crer em Igreja no seu significado neotestámentario. 


- Hoje há uma verdadeira ojeriza ao termo "igreja" por parte de alguns, razão porque estão trocando a palavra "igreja" pela palavra "comunidade". 


- A palavra "igreja", que realmente foi tomada por empréstimo do mundo secular, jamais quer significar "comunidade", mas "congregação". 


- O sentido vem do Velho Testamento (Septuaginta - Velho Testamento em grego), e a palavra grega é a mesma que está no Novo Testamento: "eklesía". 


- Nos dias de Jesus havia um sentido de comunidade implantado pelos Essênios. Eles eram, realmente, uma comunidade. Viviam nos desertos, em grupos isolados, principalmente nas regiões do Mar Morto. Para alguém pertencer ao grupo teria que passar por um tempo de prova e experiência e, sobretudo, teria que trazer para o grupo tudo o que lhe pertencia, inclusive bens imóveis que, daí para a frente, passavam a pertencer ao grupo. Todos viviam juntos sob o comando de um líder e havia regras rígidas para o comportamento no grupo. 


- Os cristãos primitivos quiseram imitar essa comunidade de alguma maneira, mas não deu certo (Atos 4.32-37; 5.1-16). 


- No Novo Testamento, portanto, o sentido de Igreja desenvolveu-se como uma congregação. Mesmo o povo de Israel, quando atravessava o deserto rumo a Canaan, e que vivia de certo modo em comunidade, sob a liderança de Moisés, fazia distinção entre a comunidade do povo e a "eklesía". Ela só existia quando eram tocadas as duas trombetas de prata e o povo se ajuntava diante da "tenda da Congregação" (Num. 10.1-10). 


- Igualmente, nas cidades gregas livres, só havia a "eklesía" quando o arauto convocava a comunidade para ajuntar-se na praça (Atos 19.39). E o povo assim reunido, chamava-se "igreja". Não existe portanto igreja como comunidade. 


Igreja é congregação e ser batista é crer no sistema de Igrejas do Novo Testamento. 


 FONTE: http://ministdapalavra.blogspot.com.br/p/estudos-sobre-igreja.html



++++++++
+++++++

++++++
+++++
++++
+++
++
+



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.