sábado, 29 de junho de 2013

MEU CORAÇÃO BATE NO CÉU

 

MEU CORAÇÃO

BATE NO CÉU

Mateus 6.19-21

 

 

Propósito Geral: Devocional.

Idéia Central do Sermão
:

DEVEMOS COLOCAR OS NOSSOS CORAÇÕES
NOS VALORES ESPIRITUAIS, POIS ELES SÃO
INFINITAMENTE SUPERIORES AOS MATERIAIS.

Porque? Por causa das suas CARACTERÍSTICAS:

1. OS VALORES ESPIRITUAIS NÃO SOFREM CORROSÃO - vs 19a.

- Não importa quais sejam seus valores materiais mais estimados, eles têm uma tendência natual de se corromper com o tempo.

- A moda de hoje, amanhã é o ridículo.

- O carro novo de hoje, amanhã é sucata.

- A beleza de hoje, amanhã é decadência

- Mas, os valores espirituais não são assim. Todo o galardão que amontoarmos hoje (orações, jejuns, boas obras, evangelização, etc.) conservará seu valor, pois, eles não sofrem a ação corrosiva do tempo.


2. OS VALORES ESPIRITUAIS NÃO SÃO "ROUBÁVEIS" - vs 19b.

- Pode ser que alguém possa nos apresentar algum valor material que não se corroe, mas, todos (ou quase todos) os bens materiais são "roubáveis".

- Podem nos roubar o ouro, o carro, a casa e, até mesmo, as pessoas que nós mais amamos. Isto é uma verdade! Uma triste verdade.

- Mas, os tesouros que amontoarmos no céu não são assim. Quem conseguiria entrar nos céus e roubar nosso tesouro das mãos de Deus? Ninguém! Nem mesmo satanás e todo o inferno juntos teriam tal ousadia e poder. Por isso dizemos, os valores espirituais não são "roubáveis".


3. OS VALORES ESPIRITUAIS NÃO TÊM PRAZO DE VALIDADE

- Pode ser que alguém possa nos apresentar algum valor material que não se corroe nem seja "roubável", mas, de uma coisa eu tenho certeza, TUDO o que temos ficará aqui após a nossa morte e, por fim, toda esta criação conhecida será destruída pelo fogo do juízo final.

- Mas, os valores espirituais não são assim, ao contrário, a nossa salvação é eterna, bem como o nosso galardão .


CONCLUSÃO
:

- Se os valores espirituais não se corroem, não são "roubáveis" e não tem fim, devemos colocar os nossos corações neles, pois, são infinitamente superiores aos valores materiais.

DEUS SEJA LOUVADO!


Este esboço foi concebido na Oficina de Pregação de São José dos Pinhais, em 22/07/06.
Participantes deste encontro: Pr Franco, Presb Vanderlei, Cooperador Fernando e irmão Cristiano.

 

+++++++++++++++++++++++++++++++

+++++++++++++++++++++++++++++++

+++++++++++++++++++++++++++++++

+++++++++++++++++++++++++++++++

OS AMIGOS DE DEUS CONFIAM EM DEUS

 

OS AMIGOS

DE DEUS

CONFIAM

EM DEUS

Gênesis 12 e 13

Abraão, o amigo de Deus!

Propósito Geral: Consolador

Tema Específico: Confiança absoluta em Deus.

Afirmação Teológica: Uma das maiores verdades deste texto bíblico é esta:

OS VERDADEIROS AMIGOS DE DEUS
TÊM ABSOLUTA CONFIANÇA EM DEUS


1. ABSOLUTA CONFIANÇA NO CARÁTER DE DEUS - Gn 12.1-5

- Aos 75 anos de idade, Abrão deixou tudo para trás (seus parentes, seus amigos, sua cultura e seu próprio povo), confiando tão-somente na Palavra de Deus. Abrão confiou na Palavra de Deus porque Deus tem Palavra.

- E Sua Palavra é a expressão do Seu caráter.

- E o caráter de Deus é perfeito.

- Ele é digno da nossa mais absoluta confiança.


2. ABSOLUTA CONFIANÇA NA JUSTIÇA DE DEUS - Gn 13.8-11

- Ló não agiu corretamente com Abrão, pois o chamado e a promessa de Deus eram de Abrão, não de Ló. No entanto, ele se agregou a Abrão (Gn 12.4; Gn 13.1) e se beneficiou da benção de Deus sobre a vida do seu tio. Mas, quando surgiu um conflito entre ambos e tiveram que se separar, Ló escolheu e ficou com a melhor parte.

- Em nome da paz entre ele e Ló, Abrão aceitou a perda, o dano, o prejuízo (I Coríntios 6.7).

- Abrão não ficou frustrado, nem revoltado com a injustiça cometida contra ele por seu sobrinho. Não! Ele confiava na justiça maior, a justiça de Deus.   


3. ABSOLUTA CONFIANÇA NA VISÃO DE DEUS - Gn 13.14-18

- Pela ótica humana, Abrão perdeu seu companheiro de jornada (Ló), perdeu a confiança nas pessoas e perdeu os pastos mais bonitos da região; e teve que se contentar com o resto.

- Mas, pela ótica divina, nada havia mudado.

- A promessa da terra ainda era de Abrão e de seus descendentes

- Ao invés de olhar a situação pela ótica humana, Abrão preferiu olhá-la pela ótica divina.

- Ele levantou seus olhos e olhou toda a terra à sua volta. Firmou seus olhos naquilo que Deus estava lhe ordenando olhar. E esta visão, a visão de Deus, o sustentou para o resto de sua vida, pois Abrão tinha confiança absoluta na visão de Deus.

CONCLUSÃO

- Abrão, o amigo de Deus, tinha absoluta confiança no caráter, na justiça e na visão de Deus.

- Os verdadeiros amigos de Deus têm absoluta confiança em Deus.

 

Autor: Pr Franco / http://www.sitedopastor.com.br/esbocos/amigosdedeus.htm

 

==============================

==============================

==============================

==============================