quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

O DISCÍPULO PRODUTIVO

 

 

images (1)

O Discípulo Produtivo

Texto: João 15:1-16

 
 
Introdução

 

- Na vida espiritual Deus cobra produtividade do seu povo.

- Em Gênesis capítulo 1, ao criar todas as coisas, Deus não somente produziu mas exigiu produtividade: “Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a…” (Gn 1.27-28).

- Abençoado por Deus, o homem deve produzir e administrar a produção. Portanto, ser criativo e produtivo é uma maneira de refletir a imagem e a semelhança de Deus em nós.

Neste estudo, refletiremos em João 15, que revela a cobrança que Jesus nos faz acerca da nossa produtividade espiritual.

1. A FIGURA DA VIDEIRA

- “…Eu sou a videira verdadeira” afirma Jesus (Jo 15.1). O simbolismo da videira acha a sua explicação no Antigo Testamento.

- O povo de Israel é uma videira que foi trazida do Egito por Deus. Trouxeste uma videira do Egito, expulsaste as nações e a plantaste (SI 80.8).

“Porque a vinha do SENHOR dos Exércitos é a casa de Israel, e os homens de Judá são a planta dileta do SENHOR…" (Is 5.7).

- Embora Israel tivesse sido “videira excelente” tornou-se “vide brava”: Eu mesmo te plantei como vide excelente, da semente mais pura; como, pois, te tornaste para mim uma planta degenerada, como de vide brava? (Jr 2.21).

- No Novo Testamento, Jesus através da parábola dos lavradores maus (Mt 21.33-46; Mc 12.1-12; Lc 20.9-19) reformula o sentido simbólico da videira como a nação de Israel.

- Os arrendatários da vinha (a nação de Israel) mataram os servos (os profetas até João) enviados pelo dono (Deus) para receber seus frutos. Ao matarem o herdeiro (Jesus), os arrendatários pensavam que a vinha seria deles. O dono porém, executou estes maus lavradores e colocou outros no lugar deles: Portanto, vos digo que o reino de Deus vos será tirado e será entregue a um povo que lhe produza os respectivos frutos (Mt 21.43).

- Enquanto no Antigo Testamento Israel era a videira ou a vinha, a videira agora é concentrada na pessoa do próprio Jesus. Ele é a videira verdadeira. A expressão “verdadeira” (alethinos) significa “real” ou “genuíno”.

- No Antigo Testamento a videira é sempre vista no seu aspecto de degeneração (Ez 15; Os 10.1). Porém, Jesus como a videira verdadeira é um organismo vivo que transmite vida a outros organismos.

- Os discípulos são os ramos. Assim como os ramos de uma videira se acham ligados ao tronco principal, assim também cada crente se acha ligado a Cristo, recebendo dEle a vida. Deus Pai é o agricultor, ou seja, aquele que planta, cuida e faz crescer. Lavoura de Deus sois vós diz o apóstolo Paulo aos crentes de Corinto (1 Co 3.9). “O agricultor não somente é aquele que ara a terra, mas também é aquele que planta e cuida da videira. Aquele que originou as relações existentes entre a videira e os ramos, ao plantar a Videira verdadeira nesta terra é quem cuida dela e garante que a mesma produzirá frutos" (Alford).

2. A PRODUTIVIDADE DOS RAMOS

“Todo ramo que, estando em mim, não der fruto, ele o corta…" (Jo 15.2).

- Aqui Jesus estabelece o princípio da produtividade espiritual. A pessoa que “está em Cristo” deve refletir essa união através da frutificação espiritual.

2.1. Quanto ao Ramo

- A sua existência baseia-se na escolha divina. “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça…" (Jo 15.16).

- William Barclay comentando este trecho faz uma lista das coisas para as quais fomos eleitos e chamados: fomos chamados para a alegria (15.11); para o amor (15.12); para sermos amigos de Jesus (15.13-15); para sermos embaixadores de Deus no mundo (15.16); para sermos membros privilegiados da família de Deus (15.16).

- O seu dever é produzir. A improdutividade resultará em corte: “Todo ramo que estando em mim, não der fruto, ele o corta…’’ (Jo 15.2).

- Há motivação para aquele que produz: “…e todo o que dá fruto limpa, para que produza mais fruto ainda".

- O ramo para produzir necessita “permanecer em Cristo”. Sem Cristo, o ramo secará e servirá apenas para o fogo: Se alguém não permanecer em mim, será lançado fora, à semelhança do ramo, e secará; e o apanham, lançam no fogo e o queimam (Jo 15.6). A madeira da videira não serve para nada, senão como lenha (Ez 15.1-8).

- O ramo para frutificar precisa da seiva. O cristão recebe a seiva para frutificar através da vida de oração e estudo da Palavra de Deus. Se permanecerdes em mim, e as minhas palavras permanecerem em vós, pedireis o que quiserdes, e vos será feito (15.7). Ler: Cl 3.16 e Ef 6.18-19.

2.2. Quanto ao Fruto

- O segredo ou a condição para a frutificação espiritual é “estar” e “permanecer” em Cristo. Nos versículos de 4-6, Jesus repete a palavra “permanecer” por sete vezes. Para a Teologia essa experiência é chamada de “União Mística com Cristo”.

- “O ramo, quando considerado separadamente, à parte da videira, não possui qualquer fonte original de vida. A seiva flui da videira para o ramo, daí para os raminhos, e então para as folhas e os frutos. Por si mesmo, o ramo é um órgão destituído de vida, que só cumpre as suas funções quando está vinculado à videira. Da mesma maneira na vida espiritual, à parte de Cristo os homens não possuem qualquer fonte original de vida e de frutificação” (Ellicott). Ler: Cl 1.23; 2.19; Ef 5.30; Jo 6.57.

- A essência do fruto espiritual é a obediência aos mandamentos de Deus. Obedecer a Deus é uma prova de amor: “Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor…” (Jo 15.10).

Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama; e aquele que me ama será amado por meu Pai, e eu também o amarei e me manifestarei a ele (Jo 14.21). Obedecer a Deus é uma prova de amizade: Vós sois meus amigos, se fazeis o que eu vos mando (Jo 15.14).

- A natureza do fruto é espiritual. É o fruto do Espírito. “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio…” (Gl 5.22-23). Sendo assim, a sua origem é sobrenatural (do Espírito) e o seu desenvolvimento é gradual.

- Deus é glorificado através dos frutos espirituais, “…fruto…” (v.2), “…mais fruto ainda…” (v.2), “…muito fruto…” (w.5 e 8). Tudo tem como objetivo a glorificação do Pai, porquanto foi Ele quem planejou que os homens fossem frutíferos. “Nisto é glorificado meu Pai, em que deis muito fruto…” (v.8).

CONCLUSÃO

- A vida de um cristão ou de um discípulo deve ser marcada pela produtividade espiritual.

- A produtividade ou frutificação é decorrente do fato dele ter sido escolhido por Deus para essa tarefa (Jo 15.16).

- A produtividade espiritual é permanente ou eterna, “…eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça…” (Jo 15.16).

 

 

AUTOR: Pr. Josias Moura de Menezes

 

=====================

=======================

=========================

============================

===============================

 

DEUS QUER REAVIVAR NOSSAS VIDAS NAS ÁREAS ONDE ESTAMOS EM PROCESSO DE MORTE

 

images

DEUS QUER REAVIVAR NOSSAS VIDAS NAS ÁREAS ONDE ESTAMOS EM PROCESSO DE MORTE

 

Texto: Ezequiel 47, Ezequiel 37, Joao 11

 

 

1) Introdução

- A palavra que Deus me deu para compartilhar com você hoje é sobre reavivamento espiritual. Nos últimos dias Deus me falou sobre este assunto e pude experimentar isso dentro de mim.

- Precisamos de reavivamento, quando não conseguimos mais sonhar, quando não conseguimos mais crer, ou quando não conseguimos mais ter esperança.

- Precisamos de reavivamentoquando a nossa alegria em servir ao Senhor está desaparecendo em nossos corações.

- Precisamos de reavivamento quando os dons do Espirito estão se apagando em nós ou quando não temos mais o prazer de evangelizar vidas, ganhando-as para Cristo.

- Quantos estão espiritualmente quase mortos, vivendo sem alegria e gozo em estar na presença de Deus.

- Quantos estão presos a uma rotina de trabalho cansativa, desanimadora, onde não conseguem enxergar horizontes melhores e perspectivas de prosperidade.

- Quantos vivem uma vida familiar desgastada, arruinada e destruída pelo Diabo.

- Quantos estão na Igreja desanimados frios e sem vontade de produzir frutos no reino de Deus.

- Hoje Deus quer mudar teu destino, tua sorte, e gerar vida.

2) Vejamos o que Deus nos ensina sobre a vida!
a) É preciso mergulhar com profundidade nos rios da vida (v.3, v.4, v.5)

- O profeta tem a visão do rio que sai do trono de Deus. O rio da vida. Este rio simboliza a obra do reavivamento produzido pelo Espírito em nós.

- Na visão o profeta recebe a ordem de entrar no rio. Ele começa a entrar no rio. Ao entrar inicialmente o rio lhe dava pelos pés, mais adiante o rio lhe dava pelos joelhos, mais á frente o rio era tão profundo que ele não podia mais entrar.

- Deus está nos mostrando irmãos que é necessário sermos mais profundos em nossa comunhão com o Senhor. Existem pessoas que se contentam apenas em ficar com os pés na beira do rio. Estes são aqueles que não se aprofundam na comunhão com o Senhor. Estão na Igreja, mas vivem uma vida cristã cheia de inconstâncias e dificuldades.

- Pessoas que estão na beira do rio, são aquelas que não experimentaram uma profunda restauração de Deus, uma grande libertação, uma grande mudança em suas vidas ou uma verdadeira obra de reavivamento. São pessoas que se contentam com uma vida cristã superficial e sem experiências com Deus.

- te chama para conhecer as profundidades deste rio.Deus quer você em comunhão profunda. Portanto, busque e encontrarás o Senhor.

b) Por onde o rio passa a vida é gerada (“…Quando entram no mar, as águas se tornam saudáveis” v.8)

- O rio de Deus é a própria presença dele dentro de nós. O rio passa por lugares que estão mortos e desérticos. Assim é também nossa vida em muitas áreas.

- Alguns estão vivendo em situações parecidas como a da visão do vale de ossos secos. A visão do vale de ossos secos representava a própria condição espiritual de Israel. Muitos estavam frios e distantes espiritualmente de Deus. Assim a visão do vale de ossos secos ao povo de Deus que embora muitos tivessem a aparência de que estavam bem espiritualmente na verdade, estavam espiritualmente mortos.

- Às vezes, estamos literalmente num deserto, e ali não vemos qualquer caminho aberto. Mas, aqui nesta visão o rio de Deus abre caminhos produzindo a vida. O rio de Deus é o poder do seu Santo Espírito. Este rio quer passar dentro de nós nos santificando e nos renovando. Em nome de Jesus experimente este reavivamento, pois por onde o rio passa a vida se renova.

3) Conclusão

- Voltemos a visão do vale de ossos secos. Ali, Deus literalmente colocou carne e vida em um lugar onde só haviam ossos.

- Talvez hoje, você veja apenas os ossos e o deserto.

- Talvez, hoje você esteja envolvido numa vida sem projeção, com caminhos obscuros e não está experimentando a graça protetora graça de Deus.

- Talvez alguns aqui desta Igreja estão vivendo momentos difíceis, que tem gerado o abatimento.

- Mas, Deus tem o poder de gerar o milagre onde não existem quaisquer recursos disponíveis para você. Só Ele pode reavivar em nossas vidas o que esta em processo de morte. Creia, busque, entregue-se a Deus.

- Lembre-se ainda do milagre que aconteceu com a família de Lázaro (João 11). Marta, irmã de Lazaro via aquela situação como insolúvel. Ela chega a dizer a Jesus: “Se o senhor estivesse aqui…”. Parece até, que Marta experimentou aquele momento como se Deus estivesse longe dela. Mas, Deus sempre está perto.

- Em certo momento Jesus chama Lázaro para a vida. Jesus dá três ordens:

- “Tirai a pedra”. V.39 Deus que tirar qualquer pedra que esteja dentro do seu coração, da sua mente e dos seus sentimentos impedindo você de ser restaurado e liberto. São estas pedras que impedem o avivamento.

- Depois Jesus diz: “Lazaro, vem para fora”. V.43 – Vejo aqui Deus chamando Lázaro para a vida. Jesus está mandando que Lázaro saia da caverna, de sua câmara mortuária e venha para a vida. Meu irmão saia desta redoma, desta caverna de morte, de desânimo e venha para a vida em nome de Jesus. Lembre-se que fomos chamados para a vida, e vida em abundancia. Portanto, desfrute da alegria abundante do Espírito.

“Desatai-o e deixai-o ir” v.44 – Depois que Deus chama Lázaro para fora, começa uma grande obra de cura e libertação espiritual. Há muita gente salva nas igrejas, que porém esta vivendo no corpo de Cristo com dificuldades emocionais e espirituais. Estas pessoas não conseguem avançar, progredir, produzir frutos. Deus que desatar sua alma neste momento. Quando estas amarras caírem você estará livre para avançar e correr em direção aos grandes sonhos de Deus para sua vida.

- Estamos num momento importante de renovação e reavivamento. Abra o seu coração, quebrante-se perante o Senhor, e Ele sarará o teu coração.

- A promessa do Senhor para nós em 2 Crônicas 7:14 é: “se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e me buscar, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, perdoarei os seus pecados e sararei a sua terra.”

 

 

AUTOR: Pr. Josias Moura de Menezes

 

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++

++++++++++++++++++++++++++++++++++++

+++++++++++++++++++++++++++++++++++