terça-feira, 22 de janeiro de 2013


Deus: meu médico 




 Introdução 

 - Quando você precisa de um médico, você quer um profissional que saiba o que está fazendo, seja eficiente e, ao mesmo tempo atencioso. Eu sei. É difícil encontrar pessoas assim em qualquer área profissional. Quando você encontra um, torna-se “paciente/cliente”. 

- Um bom médico tem algumas características. Deus, como médico, tem essas características. 

- Onde é que a Bíblia apresenta o Senhor como médico? Leia Êxodo 15.26. O povo de Israel estava a caminho da terra Prometida quando o Senhor se apresenta a eles como o Médico. 

- Diz assim o texto: “Se vocês derem atenção ao Senhor, ao seu Deus e fizerem o que ele aprova, se derem ouvidos aos seus mandamentos e obedecerem a todos os seus decretos, não trarei sobre vocês nenhuma das doenças que eu trouxe sobre os egípcios, pois eu sou o Senhor que os cura”. 

 Como o Bom Médico o Senhor... 
 1. O Senhor toca onde dói mais! 

- Quando alguém vai a uma consulta e diz ao médico onde está doendo, advinha onde ele vai tocar? Exatamente! Onde está doendo, onde está o problema. Mas como Ele não é um médico que cuida só das nossas enfermidades físicas, vamos tomar um exemplo de enfermidade psicológica, ou até mesmo de caráter. 

- Um dia um jovem rico se achegou a Jesus, não para receber tratamento, mas para receber aprovação. Jesus não caiu nessa. Ao invés de dizer ao jovem “Está tudo bem! Volte de novo quando tiver algum problema novo”, não, Jesus apontou sua doença. Era a ganância. 

- Onde jesus tocou? Onde doía mais. Ele disse: “Falta-lhe uma coisa. Vá, venda tudo o que você possui e dê o dinheiro aos pobres, e você terá um tesouro no céu. Depois, venha e siga-me” (Mc 10.21). 

- Hoje, se você fosse receber o toque de médico de Deus, onde Ele tocaria em você? 

 Como o Bom Médico o Senhor...
2. O Senhor receita o remédio que menos gostamos, mas que realmente cura. 

- Você já tentou sugerir ao seu médico qual o remédio que você quer tomar? Se ele for um bom médico, não fará o que você quer, mas lhe dará o que você precisa. 

- Lembre-se de Isaías e seu encontro com Deus. O problema de Isaías era a língua: “Lábio impuros”, como ele mesmo descreve. 

- E qual foi o remédio de Deus para ele? Foi tocar os seus lábios com uma brasa viva tirada do altar. Veja Isaías 6.5-7. 

- A brasa representa o tratamento, a cura. Uma brasa viva não é o que se pode chamar de o remédio mais desejado, concorda? 

- Porém, o Senhor usa aquilo que precisa ser usado. Ele faz isso ainda hoje na vida de cada um dos seus servos, do jeito que Ele sabe que é o melhor. 

 Como o Bom Médico o Senhor...
3. O Senhor trata as feridas. 

- Como bom médico que Deus é, Ele trata das nossas feridas. 

- Nossas feridas podem ser de muitos tipos: Podem ser emocionais, físicas e espirituais. 

- Feridas precisam ser tratadas. Apesar de Deus querer tratar delas, muitas vezes somos nós que não queremos deixar que Ele faça o seu trabalho de médico. 

- Há , em mais do que um lugar na Bíblia, promessas de que Deus trata das nossas feridas quando achamos que ninguém mais se importa. 

- Veja: “Farei cicatrizar o seu ferimento e curarei as suas feridas’, declara o Senhor, ‘porque a você, Sião, chamam de rejeitada, aquela por quem ninguém se importa” (Jer 30.17). 

 Como o Bom Médico o Senhor...
4. O Senhor, como bom médico, se preocupa com você. 

- Um bom médico não faz o seu trabalho sem gostar do que faz. 

- Já imaginou um médico que não gosta e não se importa com gente? 

- Mas nós temos um Bom Médico que realmente se importa com você a ponto de ter enviado o seu Único Filho para morrer na cruz em seu lugar. 

- Como é bom saber que temos um Deus que não é indiferente ao que estamos passando e todas as dores que estamos sofrendo. 

- Veja o salmista o que ele afirma a respeito de Deus: “Quanto a mim, sou pobre e necessitado, mas o Senhor preocupa-se comigo. Tu és o meu socorro e o meu libertador; meu Deus, não te demores!” (Sl 40.17). 

- Temos um Deus que se preocupa conosco! Isso é maravilhoso! 

 Conclusão 

Coloque todas as suas dores nas mãos do Grande Médico: aquele que nos cura. 

- Que você possa fazer a oração que o profeta fez: ““Cura-me, SENHOR, e sararei; salva-me, e serei salvo; porque tu és o meu louvor”.(Jeremias 17:14). 

Seja Deus o seu Médico, seja Deus o seu remédio, a sua cura, mas, acima de tudo, seja Ele o motivo do seu louvor. Amém! 


Autor: Davi Liepkan, pastor na Igreja Batista Central de Nova Odessa – SP IBCNO © 2012




++
++++
++++++
+++++++++
++++++++++++
+++++++++++++++
++++++++++++++++++
+++++++++++++++++++++




Saudades Do 
Brilho do Mundo 



 Introdução 


- Qual é a motivação para que você faça as coisas na igreja? 

- Em Atos 8 temos o episódio de um homem que começou a vida de crente com a atitude errada. Ele começou com “saudades do brilho do mundo”. 

- Leia Atos 8.9-24 - Simão era muito popular em Samaria. Era o centro das atenções. Tudo isso mudou quando Felipe, discípulo de Jesus, chegou lá pregando o Evangelho. 

- As multidões se voltaram para aquela mensagem que fazia muito mais do que aqueles truques de magia que Simão estava acostumado a fazer diante do povo. Não temos certeza se a conversão de Simão foi realmente sincera, mas a atitude dele foi reprovada por Pedro, e duramente! 

Por quê? 

1. Ele não entendeu que o que fazemos na igreja é para servir ao Senhor, não para servir a pessoas. 

- Simão vinha de uma vida de entretenimento. Talvez ele achasse que o que os discípulos estavam fazendo era algo parecido. 

- Sentiu saudades da atenção que recebia no passado e tentou recuperar um pouco dela. Levou uma reprimenda de Pedro por causa disso. 

- Fico sempre preocupado quando vejo alguns crentes que querem repetir na igreja o “sucesso” que tinham na vida secular. Isso parece estranho! 

2. Ele não entendeu que qualquer habilidade que uma pessoa desempenha na igreja é para a glória de Deus, nunca a sua própria. 

- Simão estava disposto a pagar pela habilidade de conferir o dom do Espírito Santo, apesar de eu achar que isso não ser um dom, mas algo pontual naquele momento da história da igreja. 

- Essa atitude de Simão, de querer pagar para ter essa habilidade, indica que ele achava que isso era um benefício a ser adquirido. Talvez fosse até um investimento. Acostumado a fazer os seus “sinais”, ele achou que poderia, quem sabe, cobrar de quem pedisse a ele do dom do Espírito (mas não é isso que muitos estão fazendo hoje em certas igrejas?). 

3. Ele não havia entendido que qualquer dom que alguém venha a ter na igreja é algo que é dado por Deus, por isso não há glória alguma naquilo que fazemos. 

- Os dons que recebemos de Deus não são por nossos merecimentos, ou por causa da nossa espiritualidade ou fé. Deus dá os dons aos membros do Corpo de Cristo da maneira como Ele quer e pronto! 

- Alguns dons conferem maior “visibilidade” a uma pessoa, mas ela não pode se orgulhar disso, pois isso não vem dela, é de Deus. 

Conclusão 

- Somos todos Simões! Todos somos tentados a receber os nossos “confetes” de vez em quando (alguns mais “de vez” do que de “em quando”!). Simão queria pegar um atalho para o ministério e pensou que o dinheiro poderia ajudá-lo. 

- Que triste! Não tinha entendido nada! Tomou uma bronca pública. Felizmente parece que se humilhou e pediu que os discípulos orassem por ele. 

- Devemos nos envergonhar de quão levianos somos com a nossa fé, em nosso conforto, em nosso orgulho, enquanto tantos de nossos irmãos estão morrendo por amor a Cristo em tantos lugares do mundo. 

Que tenhamos a coragem de mudar de atitude! Amém! 


Autor: Davi Liepkan, pastor na Igreja Batista Central de Nova Odessa. IBCNO © 2012




===========
==========
=========
========
=======