sexta-feira, 8 de março de 2013

NÃO VOS ENGANEIS

enganacao

NÃO VOS ENGANEIS

 

INTRODUÇÃO

- Gostaria de falar sobre pessoas que foram enganadas, ludibriadas, trapaceadas, logradas. Pessoas que caíram numa armadilha.

- Diga você já se sentiu enganada?

- Gostaria de falar também de pessoas que caíram no engano que elas mesmas prepararam. Como isso?

"Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus" (I Coríntios 6: 9-10).

- Estes versículos foram escrito pelo Apóstolo Paulo aos Cristãos de Corinto. Os cristãos da Igreja de Corinto serviam a Deus enganosamente. Porem o engano não era proveniente de outras pessoas, mas sim deles mesmos.

- A expressão “Não vos enganeis” refere-se que aqueles cristãos tinham comportamento abominável aos olhos do Senhor, e eles achavam tudo normal.

- Paulo diz: "Ou não sabeis que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos?" (I Coríntios 6: 19).

- Ou seja, será que vocês não tem consciência de que fostes separados para Deus.

- A verdade é que somos hábeis mentirosos! Quase todos mentem quando é para nossa própria proteção. Somos capazes de mentir para nós mesmo. Uma prática natural do instinto de autopreservação.

- Mentimos achando que estamos nos protegendo. Mentimos pelos: Nossos ideais; Nossos valores; Nossa integridade; Nossa família; Nossa reputação.

- Há uma grande diferença entre sermos levados ao engano, e sermos nós mesmos o agente do engano.
Sermos levados pelo engano. Não sabemos da verdade e somos enganados por outro agente do engano. Neste caso Deus compreende e nos perdoa.

- Sermos o agente do engano. Sabemos da verdade, compreendemos a verdade, mas forçamos o erro e disfarçamos o engano.

- O Senhor nosso Deus, em seu julgamento, não vai aceitar nossas explicações. Não existe boa-fé, justificativa e explicação para as mentiras que nos forçamos a acreditar.

- Nós acreditamos no que queremos acreditar. Forçamo-nos a acreditar no que nos é agradável, desejável, lucrativo ou conveniente.

- Temos vivido a verdade do Evangelho ou a mentira do autoengano?

- Jesus é Senhor de tua vida, ou ele é apenas um "coadjuvante"?

- Você não tem que convencer a mim, ou à igreja de que Jesus é o Senhor de tua vida. É o próprio Jesus que vai dizer pra ti se você O serve ou não. Se você O amou sobre todas as coisas ou não.

- No dia do Julgamento do Tribunal de Cristo você será colocado à direita ou à esquerda de Jesus (Mateus 7: 21).

Encontramos na Palavra de Deus alguns alertas específicos sobre o autoengano, vejamos:

1. SÁBIOS OU LOUCOS.

"Ninguém se engane a si mesmo; se alguém dentre vós se tem por sábio neste mundo, faça-se louco para se tornar sábio" (I Coríntios 3: 18).

- Quando alcançamos o mais elevado nível de conhecimento das ciências naturais (exatas, humanas, biológicas), mas não alcançamos o conhecimento da Palavra de Deus através do Espirito Santo, somos classificados por Deus como loucos.

- Quando alcançamos o mais elevado nível de conhecimento da Palavra de Deus, mas não somos dirigidos e tão pouco instruídos pelo Espírito Santo, também somos taxados como loucos.

- Não basta ter um profundo conhecimento da Bíblia ou das ciências exatas para que nos tornemos sábios. Muito pelo contrário, se todo o conhecimento não for dirigido, instruído pelo Espírito Santo, em vez de ajudar, atrapalha. Em vez de nos tornamos sábios, Deus nos chama de loucos. 

- Não importa quanto tempo você está na Igreja. Não é a tua presença na igreja que vai assegurar "uma vaga no céu", e sim a transformação de tua alma, de teu espírito, de tua essência.

- Não importa se é você que prega, ou canta, ou limpa a Igreja, ou é dizimista fiel que vai te garantir com Deus. Nada disso é um motivo que assegure a nossa salvação. E sim o domínio e a soberania de Deus sobre nossa vida.

- Não vamos conseguir manter a nossa santidade em meio à lama, em meio à podridão. Nunca vamos conseguir atingir a santificação buscando em primeiro lugar os prazeres da carne. Paulo mostra a expressão máxima daquele que não mente para os outros e nem para si mesmo.

"Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim" (Gálatas 2: 20).

Existem dois casos nos quais vemos a situação de pessoas que se julgavam estarem em condições de exigir coisas de Deus, vejamos:

2. HÁ PESSOAS QUE SE JULGAM SER ESCOLHIDAS POR DEUS.

"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci: apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade" (Mateus 7: 21-23).

- Elas pregavam a Palavra de Deus, e em seu nome expulsaram demônios e realizavam milagres. Então se julgavam dignas da salvação.

PORQUE TAIS PESSOAS EXPULSAVAM DEMÔNIOS E REALIZAM MILAGRES, JÁ QUE NÃO ERAM SALVAS?

- Muitos até acham que eram operações de maravilhas providas pelo diabo, e isto pode até ser verdadeiro, porem aqui neste texto Jesus não diz que tais milagres eram oriundos do inimigo.

- O poder de expulsar e curar ou outros não esta centrado no homem e sim na Palavra de Deus, então a Palavra de Deus tinha efeito no ouvinte e não no homem que se dizia “homem de Deus”.

- Aqui esta claro que tais pessoas engavam a si próprias.

3. HÁ PESSOAS QUE SE JULGAM SER DIGNAS DIANTE DE DEUS.

"E disse também esta parábola a uns que confiavam em si mesmos, crendo que eram justos, e desprezavam os outros: Dois homens subiram ao templo, a orar; um fariseu, e o outro publicano. O fariseu, estando em pé, orava consigo desta maneira: Ó Deus, graças te dou, porque não sou como os demais homens, roubadores, injustos e adúlteros; nem ainda como este publicano. Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo. O publicano, porém, estando em pé, de longe, nem ainda queria levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, dizendo: Ó Deus, tem misericórdia de mim, pecador! Digo-vos que este desceu justificado para sua casa, e não aquele; porque qualquer que a si mesmo se exalta será humilhado, e qualquer que a si mesmo se humilha será exaltado" (Lucas 18: 9-14).

- O Fariseu se julgava digno da benção porque não roubava, não mentia, não se metia em brigas e confusões, dava seus dízimos com fidelidade e ainda jejuava duas vezes por semana. E nem era como o cobrador de impostos que estava ao seu lado. Pra dizer a verdade, um crente como este é tido dentro das congregações como alguém intocável pelo Pastor. Aquele homem havia esquecido que a salvação não vem de obras para que ninguém se glorie (Efésios 2: 8-9).

- Ser correto tem que fazer parte do nosso caráter como homem natural. Tem muita gente dentro das Igrejas vivendo uma santidade para mostrar ao próximo que é correto, mas é egoísta e egocêntrico. Aqui esta claro que tais pessoas engavam a si próprias.

4. O QUE PLANTOU CERTAMENTE CEIFARÁ.

"Não vos enganeis; Deus não se deixa escarnecer; pois tudo o que o homem semear, isso também ceifará" (Gálatas 6: 7).

- Paulo diz uma verdade que não pode ser desprezada: Colhemos o que semeamos. Mas existe uma coisa que colhemos sem que plantemos: AS TRAÇAS. A erva má não precisa ser plantada e nem precisa de cuidados; nasce e cresce em qualquer lugar.

- Como então se livrar destas TRAÇAS?

- No campo se livra das traças adubando a terra e capinando em volta da planta para que as ervas más não venha sufocar o planta boa.

- Já no mundo espiritual as traças (Ação demoníaca e vontades carnais) se vencem com o profundo conhecimento da Palavra de Deus, oração e jejum.

CONCLUSÃO.

"Não vos enganeis, meus amados irmãos" Tiago 1: 16.

- O texto é o fechamento da sequência do pecado. Desde o surgimento do desejo de pecar até a sua consumação. Na maior parte das vezes, todos nós temos uma explicação e uma justificativa para o pecado.

- A Bíblia está dizendo que não adiantam essas explicações e justificativas. Deus não vai aceita-las. Ou seja, Deus esta dizendo: Você não foi enganado, mas permitiu ser enganado.

 

Escrito por Pr Luis Antonio de Carvalho

 

+++++++++++++++++++++++++++

+++++++++++++++++++++++++++

+++++++++++++++++++++++++++

+++++++++++++++++++++++++++

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.