sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

DEUS, ISAQUE E O 
IMPACTO DE 
PROMESSA CUMPRIDAS 



CHAMADOS PARA IMPACTAR O MUNDO 

 I. Isaque, o patriarca do meio: Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó 

Abraão, o pai da fé – 287 ocorrências na Bíblia [53 Abrão, 234 Abraão – 78x no NT]

 • Jacó, o príncipe de Deus (significado de Israel) – 365 ocorrências [25x no NT] 

Isaque, o filho da promessa – 131 ocorrências [112x no AT e 19x no NT] Sua vida fica no meio do sanduíche entre os dois patriarcas mais famosos e destacados, funcionando como ligação entre a história dos dois. Para entender o significado disso é necessário observar os principais momentos da narrativa de sua história no livro de Gênesis. 

II. Cronologia da vida de Isaque - Promessa de Deus a Abraão: Na verdade Sara, sua mulher, lhe dará um filho, e você lhe chamará Isaque (17.15-19) 

 • Deus escolheu o nome específico: Isaque (= ele riu), em alusão aos risos de incredulidade de Abraão (17.17) e de Sara (18.12,15) e de alegria pelo nascimento de Isaque (21.6-7) 

Deus determinou a época exata: “na primavera” (18.10-15; 21.1-3) 0 Nascimento e circuncisão ao 8º dia (21.1-7) 2-3? Festa do desmame e maltrato do irmão mais velho Ismael (13 anos), que é expulso de casa com sua mãe Hagar (21.8-10 cf. Gálatas 4.29) Rapaz Deus exige de Abraão o sacrifício de Isaque (22) [rapaz, 22.5] 37 Morte de sua mãe Sara (23.1) 40 Casamento com Rebeca, filha do tio Naor (24.67) 60 Nascimento dos filhos gêmeos Esaú e Jacó (25.21-26) 75 Morte do pai Abraão e sepultamento na companhia do irmão Ismael (25.1-11); Isaque é o único herdeiro (25.5) 100? Cego, é enganado por Jacó e lhe dá a bênção do primogênito (27.1-40) 180 Morte em Manre e sepultamento em Macpela pelos filhos Esaú e Jacó (35.27-29; 49.31) 

 III. Isaque, o patriarca das promessas cumpridas 

 a. Isaque ocupa posição central na aliança entre Deus e os patriarcas. 

- Em Gênesis 12.1-3 Deus fala com Abraão e promete fazer dele uma grande nação e bênção para todos os povos da terra. Abraão obedece a Deus, deixa Ur, sua cidade natal, e segue de mudança para a terra de Canaã. 

O tema da promessa de Deus e da obediência de Abraão continua em Gênesis 17: Deus expande o assunto da aliança, acrescentando “a minha aliança, eu a estabelecerei com Isaque, filho que Sara lhe dará no ano que vem, por esta época” (17.21). O supremo ato de fé e obediência está no sacrifício de Isaque relatado no capítulo 22. O resultado é a ratificação enfática das promessas de Deus (22.15-18). A mensagem central é que a aliança inclui tanto a promessa de Deus quanto a obediência do homem. 

 b. Isaque demonstra o princípio do sacrifício. 
- Ele foi oferecido como sacrifício voluntário, mas Deus aceitou um animal em seu lugar e abençoou Abraão e Isaque. Outras religiões da época praticavam o sacrifício humano, mas Deus afinal impediu o sacrifício de Isaque para marcar a diferença entre as religiões vigentes e a adoração aceitável ao único Deus verdadeiro (cf. Romanos 12.1). 

 c. Isaque é um tipo de Cristo em sua morte. 
- Ele carregou em sues ombros a lenha para o holocausto até o Monte Moriá; Cristo carregou a sua cruz ao Calvário, local próximo a Moriá. Orígenes comentou que levar a lenha para o holocausto era dever do sacerdote. Portanto Isaque foi ao mesmo tempo vítima e sacerdote, prefigurando o trabalho de Cristo na cruz. 

 d. Isaque mostra que Deus cumpre as promessas que faz. Os quatro elementos da promessa feita a Abraão (12.1-3) começam a cumprir-se em Isaque: 

1) terra - ele permanece em Canaã após a morte de seu pai aprofundando ali as raízes familiares em obediência a Deus; 

2) descendentes – continua a linhagem através de Jacó, após o qual a multiplicação de descendentes acelerou; 

3) relacionamento especial com Deus - foi temente a Deus e por ele grandemente abençoado; 

d) bênção às nações – durante o tempo que Isaque morou em Gerar, já aparecem pequenos sinais de bênção para as nações. 

e. Enfim, embora não tão proeminente quanto seu pai ou seu filho na narrativa de Gênesis, Isaque foi um elo fundamental no desenvolvimento da nação de Israel e no cumprimento da aliança de Deus com Abraão e seus descendentes. Sua história tem muito a nos ensinar. 

 IV. Isaque, o patriarca “feijão-com-arroz”: ele ensina com a vida 

 a. Piedade e paciência: “Certa tarde, saiu ao campo para meditar” (24.63). 

- Ele estava meditando quando a caravana que trazia Rebeca se aproximou. E sua paciência é indicada pela disposição de esperar 40 longos anos até o tempo de Deus para o seu casamento com Rebeca. 

 b. Vida de oração: uma característica que se repete na história dos patriarcas é a dificuldade das esposas engravidarem. Sara, Rebeca e Raquel tiveram que esperar muitos anos para terem filhos. Isaque orou a Deus por sua esposa e Deus respondeu a sua oração; Esaú e Jacó nasceram depois de uma espera de 20 anos (Gênesis 25). 

 c. Obediência e fé: houve fome na terra (Gênesis 26) e Isaque deve ter tido a tentação de ir para o Egito para fugir da escassez de alimento como o fez seu pai Abraão (12.10). Mas Deus lhe apareceu: Permaneça nesta terra mais um pouco, e eu estarei com você e o abençoarei (26.3). Isaque obedeceu e Deus o abençoou de tal maneira que seus vizinhos filisteus tiveram inveja dele! Depois de passar algum tempo em Gerar, Isaque mudou-se para Berseba e novamente Deus lhe apareceu confirmando as promessas feitas (26.24): “Eu sou o Deus de seu pai Abraão. Não tema, porque estou com você; eu o abençoarei e multiplicarei os seus descendentes por amor ao meu servo Abraão”. 

 d. Fraco e egoísta: ele fingiu que Rebeca era sua irmã ao morar em Gerar, porque sendo ela muito bonita ele temeu por sua vida (26.7). Agindo assim, ele deixou Rebeca completamente desprotegida em relação ao assédio de outros homens. É marcante a semelhança de sua conduta com seu pai Abraão, que agiu duas vezes assim com Sara, no Egito (12.10-20) e em Gerar (20.1-18). Novamente, Deus usou o rei filisteu Abimeleque (“pagão de moral elevada”) para repreender Isaque por mentir movido pelo medo (10.8-11). Teria sido esta atitude de Isaque a causa de Raquel ter ficado sem filhos durante os primeiros 20 anos do casamento? 

 V. Afinal, quem é o Deus de Isaque? 

 a. Experiência dramática com o pai no Monte Moriá (22.7-10) – sempre se fala da obediência de Abraão, mas Isaque também foi obediente. Já adolescente ou possivelmente jovem adulto, ele ajudou nos preparativos para o sacrifício e permitiu que seu pai o amarrasse e o colocasse sobre a lenha no altar. Nada indica que ele protestou ou resistiu... e ele não tinha lido Gênesis 22 para saber o que aconteceria! 

 b. Oração intensa no retorno a Canaã, antes do reencontro com Esaú: “Ó Deus de meu pai Abraão, Deus de meu pai Isaque...” (32.9) 

 c. O “Temor de Isaque” foi invocado Jacó no acerto final com o tio Labão (31.42,53). 

 d. O Deus de Isaque é... ...

- Deus dos que aprendem a confiar nele e em suas promessas, porque Ele é bom, é Senhor da história e não mente; ...

- Deus daqueles que aprendem a esperar pacientemente pelo Senhor, e se recusam a trilhar o caminho enganoso e vão das soluções manipuladas e dos resultados instantâneos; ...

- Deus dos que começam a usufruir das promessas de Deus nesta terra e infinitamente mais na pátria celestial. 




Autor:  Pr. Paulo Moreira Filho




++++++++++
+++++++++
++++++++
+++++++
++++++


Um comentário:

  1. Boa tarde, espero que este blog não acabe, pois é de grande utilidade na obra do senhor, queria te dizer que as coisas relativas ao reino de Deus feitas com carinho e empenho não fazem muito sucesso, mas lembre-se quem vai realmente recompensa-lo pelo seu trabalho é o Senho Jesus, fique na Paz.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.