segunda-feira, 14 de janeiro de 2013


Viu Deus que 

o Homem Estava Só


Texto: Gênesis 2.18-25





Introdução

> Quem inventou o casamento? Deus!
> Para Deus o casamento é tão importante que Ele próprio celebrou a primeira cerimônia de casamento, e quando Jesus começou seu ministério terreno escolheu justamente uma festa de casamento para realizar o seu primeiro milagre!
Transição

> “O casamento foi idealizado pelo próprio Deus. O casamento é uma instituição divina”
> “O texto nos traz alguns ensinamentos sobre o casamento criado pelo próprio Deus”
I.) No casamento, Deus resolveu 
o primeiro problema 
do ser humano: a solidão – v. 18, 20-22


> Depois de ter criado todas as coisas Deus disse que era bom. Aqui em 2.18, Deus disse “não é bom”. O que não era bom? Que o homem estivesse só!
> Viver só não é fácil para a maioria. Os cônjuges em conflitos pensando em divórcio tendem a esquecer de como é difícil a vida solitária.
> Deus fez cair pesado sono sobre Adão. A Bíblia diz que a mulher foi tirada do lado de Adão, isto é, da sua costela, para revelar sua dependência do homem. Ela não foi tirada da cabeça, pois não é sua função dominá-lo; nem de seu pé, pois não foi criada para ser pisada por ele, mas do lado, para revelar a responsabilidade e dever do marido em protegê-la e cuidar dela.
II.) No casamento, devemos 

sempre reconhecer que o nosso

 cônjuge foi preparado por Deus – v. 23

> “Esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne …”; ou “Esta, sim, é osso … e carne …”

> Estas palavras, na língua original, comunicam uma tremenda expressão de êxtase e alegria: “Finalmente encontrei alguém que corresponde a mim, alguém que me completa, alguém que tira minha solidão, alguém que supre todas as minhas necessidades. Ela é bonita e perfeitamente adequada para mim”
> De vez em quando precisamos parar e reviver este momento de ternura e beleza no casamento.
> É necessário freqüentemente dizer ao seu cônjuge: “Querido (a), eu agradeço ao Senhor porque Ele me deu você. Você é a única pessoa que pode me completar, que pode suprir totalmente as minhas necessidades”
III.) No casamento, os cônjuges 

“deixam” seus pais para 

formar um novo lar – v. 24

> Este texto é tão importante que foi citado por Jesus e pelo Apóstolo Paulo (Mt 19.5; Mc 10.7; Ef 5).

> Tanto o homem como a mulher devem cortar o cordão umbilical, romper os laços de dependência emocional dos seus pais. Antes do casamento, os pais dão segurança, proteção e sustento material. Depois, porém, o novo casal assume as funções de marido e esposa.
> Isto não significa que o casal deva abandonar ou deixar de respeitar e honrar os seus pais, mas significa que eles precisam dar um outro enfoque à vida, tendo o cuidado de suprir as necessidades um do outro.
> É um deixar geográfico, financeiro e emocional.
IV.) No casamento, os cônjuges 
se unem tornando-se uma só carne – v. 24, 25
> A palavra “une” significa cimentar. As duas pessoas estão coladas uma na outra. Qualquer tipo de separação é muito dolorosa. O que acontece se você tenta separar duas folhas de papel coladas uma na outra?
> No plano original de Deus, o casamento é uma instituição permanente, “até que a morte os separe”. Não até que a sogra, a amante, as dívidas, a profissão, a discórdia os separe, mas “até a morte”.
> É no casamento e somente no casamento (nem antes e nem fora dele) que se deve dar a experiência intima do casal. Através da intimidade física é que os dois se tornam “uma só carne”. Por isso o texto diz: “Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus, e não se envergonhavam”.
Conclusão

> O plano original de Deus não pode ser melhorado. Esses são os pilares que seguram o casamento.
> Quando o homem interfere na ordem de Deus ele sempre terá problemas!

Fonte: Pr. Ronaldo Guedes Beserra com ajuda de escritos de Jaime Kemp.


==========
=========
========

Nenhum comentário:

Postar um comentário