quinta-feira, 22 de novembro de 2012



DEUS É SOBERANO 
E LIBERTA SEU POVO 

Êxodo 1-6 


 INTRODUÇÃO 

-  Nossa caminhada até aqui Estamos hoje iniciando a terceira fase deste projeto DESCOBERTAS. Como temos dito, pretendemos em dois anos cobrir panoramicamente todo o Antigo Testamento em 7 séries de 5 mensagens. 

- O propósito geral é mostrar a pessoa de Deus no Antigo Testamento, como a Trindade se revela e como tudo caminha para a chegada do Senhor Jesus Cristo. Mas, conhecer Deus apenas na teoria não é o que precisamos. Também, o objetivo é descobrir como Deus afeta nossa vida e como ele se envolve conosco em nossas alegrias, dores, festas, desafios, família, trabalho, etc. Nas fases anteriores olhamos para Deus como o inicio de tudo. 

- Deus criou o mundo, criou um ambiente ideal para nele colocar o homem, a coroa de sua criação. O homem desobedeceu a Deus, mas Deus desde a eternidade já havia providenciado o perdão para o pecado do homem. Este perdão viria através de Jesus. 

- Depois de criar Adão, Deus escolheu alguns homens para através deles revelar seu plano e cuidado para com o mundo e com as pessoas. Assim foi com a história de Abraão, Isaque, Ismael, Jacó e José, o que vimos na fase 2. Agora na fase 3 vamos ver Deus intervindo na historia da humanidade através de um povo escolhido, o povo de Israel. Quando terminamos a fase 2, concluímos com a história de José, filho de Jacó. José tornara-se o segundo homem mais importante no Egito que era a nação mais poderosa da época. Estamos no ano 1600 AC. Como dissemos, o Egito era o poder mundial da época. A família de Jacó que havia migrado para o Egito por causa da fome crescera, tornara-se numerosa. De apenas 70 pessoas passaram a ser numerosos. Agora eles são verdadeiramente um povo. Eles são os descendentes de Abraão, o amigo de Deus, com quem Deus fez uma aliança que incluía MULTIPLICAÇÃO, UMA TERRA E BÊNÇÃOS. 

-  Ao olhar para o inicio da historia deste povo vamos encontrar com eles no Egito, como escravos. Estamos por volta do ano 1580 A.C. Mas, antes de olharmos para os primeiros capítulos de Êxodo, nosso texto de hoje, quero mostrar a importância da terra que Deus havia prometido para Abraão e sua descendência. Eles estavam no Egito. Mas, o lugar deles era Canaã. Veja no mapa. Canaã estava inserida numa região denominada desde o século 19 como crescente fértil. Desde a Mesopotâmia até o Egito, nesta região estavam os poderes políticos que dominariam o mundo pelo próximo milênio. Era uma região fértil, próspera e estratégica. O comércio mundial estava se desenvolvendo. O poderia militar começando a tomar lugar. Água era predominante nesta área, especialmente preservada porque o mundo era um mundo agrícola ainda. Para ir do Egito para a Mesopotâmia, o caminho tinha que passar por Canaã. Qualquer povo que quisesse dominar um ou outro lado tinha que passar pela Palestina. E foi justamente aquela terra que Deus prometeu a Abraão que seu povo habitaria. Porque dali Deus irradiaria para o mundo a expressão do seu amor e seu cuidado para com as pessoas. Mas, Deus nunca planejou que Ele faria isto através de um povo com poderio militar. Ele faria através de sua presença em um povo e com um povo. Por isso ele escolheu Israel Nesta série na qual focaremos na escravidão e libertação do povo de Israel bem como o inicio da conquista da terra prometida, olharemos para Deus e procuraremos descobrir Deus tratando de situações normais da nossa vida. Veremos como Deus se revelou o Deus todo poderoso, mas o Deus que cumpre promessas, socorre seu povo, mas também lida com o pecado e desobediência. 

- Deus se revela também através de seus nomes, como veremos especialmente na mensagem de hoje.  

- Vamos, então, abrir nossas Bíblias no livro de Êxodo. Êxodo na realidade é uma palavra grega que significa saída. O foco do livro é mostrar como Deus agiu poderosamente para livrar seu povo do domínio de Faraó e providenciou a saída deles do Egito para Canaã. 

 I – DEUS É SOBERANO NO DESENVOLVIMENTO DA HISTÓRIA DO SEU POVO (1:1-22) 

-  O conflito entre a história do mundo e a história do povo de Deus –– (1:8) 

– O poder político no Egito havia mudado. Agora um novo Faraó estava no poder e este não tinha nenhuma relação com José nem com sua família. O povo havia aumentado em numero. Isto era um cumprimento da promessa de Deus feita a Abraão. O povo se multiplicaria. Isto também é fruto do mandamento dado desde Adão, que com Eva deveria crescer e multiplicar-se. No entanto, algo estranho estava acontecendo. Eles agora foram feito escravos. Por medo, o Faraó colocou sobre ele feitores para dominá-los e fazê-los sofrer com o intuito de impedir o crescimento numérico deles e mesmo prever uma possível rebelião. Algo vai acontecer. Deus havia dito a Abraão que o seu povo seria escravo no estrangeiro. Deus disse e isto estava acontecendo. 

- ERA UMA GRANDE PROVAÇÃO. Mas, uma grande provação pressupõe grande livramento (Êxodo 1:14 cf. 6:5) . Note bem algo muito importante aqui. O povo estava dominado e escravizado. Deus havia dito que assim seria. Mas, o Deus de Abrão é um Deus que cumpre promessas. O mesmo Deus que predisse escravidão prometeu libertação. Seriam 400 anos de escravidão, mas a libertação viria.(Genesis 15:13-16) Duas heroínas no meio de um genocídio – Sifrá e Puá – Deus honra a fidelidade dos seus filhos – (Êxodo 1:15) – Para conter a multiplicação dos Israelitas, o Faraó ordena um genocídio que também é um sexismo. Ele faz uma escolha em detrimento do que não foi escolhido. As parteiras são ordenadas a matar os meninos Israelitas. Elas temem a Deus e deixam os meninos viver. São chamadas perante Faraó. Mentem, dizem que o problema é das mulheres hebréias que são muito rápidas e dão à luz antes que as parteiras cheguem. Foi isto certo? São questões éticas que às vezes não entendemos bem. 

- O principio aqui que elas usaram foi, MELHOR OBEDECER A DEUS DO QUE AOS HOMENS. Não foi uma mentira para o bem estar delas, como alguns fazem no cotidiano. Foi uma atitude diante de um dilema. Os dois caminhos estavam errados. Os dois eram pecado. Mas, por temor a Deus colocaram em risco a própria vida e resolveram fazer o que mais agradaria a Deus, preservar a vida dos recém nascidos. Você nota que no texto nenhum nome de Faraó é incluído. Mas, os nomes das parteiras aparecem? SIFRÁ E PUÁ. 

- Como John Ortberg menciona, aqui aparece lei divina da inversão, ou seja, o ultimo se torna o primeiro, o fraco se torna o forte, o menos importante se torna o mais importante. Deus sempre honra a fidelidade de seus filhos. 

- Seja algo pequeno ou grande, DEUS SEMPRE ABENÇOA NOSSA FIDELIDADE. A história não estava fora do controle de Deus – Genesis 15:13-16 – Esta cena do povo sendo escravizado é apenas o primeiro ato de uma intervenção miraculosa de Deus. A cena é de tristeza e desolação, mas apenas para aqueles que focam no presente. Se Deus havia avisado de escravidão, Deus também havia previsto libertação. 

- Às vezes nos achamos debaixo de alguns Faraós. Às vezes é nosso próprio chefe, presidente, governo, pais e mesmo cônjuge. 

- Se focarmos no presente e na circunstância perderemos de vista o que Deus pode fazer. Depois de uma grande tribulação Deus tem sempre um grande livramento. 

- A presença dele conosco é a garantia do livramento. 

 DEUS PODE PARECER DISTANTE, MAS ELE NUNCA ESTÁ ALHEIO À NOSSA HISTORIA NEM À HISTÓRIA DO MUNDO 

 II – DEUS É SOBERANO NA ESCOLHA DE UM LIBERTADOR - Êxodo 2:1-23 

 - Deus preserva uma vida no meio de um genocídio – a fé de uma mãe (1-4) 

- A cena foi de um genocídio. Crianças morreram, meninos morreram, outros foram lançados no Nilo. Com certeza não temos uma resposta para a clássica pergunta, por que tanto sofrimento? Mas, Deus não está alheio à história, mesmo que para alguns ele pareça alheio. Deus usa uma mulher para dar inicio ao seu processo de libertar seu povo do jugo de Faraó. Por outro texto sabemos que Joquebede era a mãe de Moises. Debaixo da pressão da ordem de matar os filhos, Joquebede pela fé coloca seu filho em um cesto. Por que ela fez isto? Era o desespero de uma mãe, mas era a fé de uma mãe. Em vez de sucumbir à pressão do rei, Joquebede olha para o alto e entrega seu filho nas mãos do Rei. Deus tinha planos para a vida do seu povo e do meio da tribulação ele suscita aquele que seria o libertador da nação. 

- O autor do livro de Hebreus diz que pela fé ele, Moisés, foi escondido por seus pais. 

- A fé que tiveram em Deus não deu para eles força para assassinar Faraó, mas deu para eles a confiança para preservar o filho entregando-os aos cuidados de Deus. 

- Pais,nunca é tarde para colocar seus filhos em um cesto e entregá-los nas mãos de Deus. 

- Tem horas que o Faraó da vida de seus filhos vai querer tomá-los das suas mãos ou das mãos de Deus. MAS, MESMO QUE DEUS PAREÇA DISTANTE, ELE NÃO ESTÁ ALHEIO AO CLAMOR DE SEUS FILHOS OU DO CLAMOR DOS PAIS. 

- De uma forma soberana Deus livra o garoto Moisés dos planos de Faraó para torná-lo mais tarde uma pedra no sapato da Faraó. Observe até aqui quem são os heróis da história – Nem Faraó, nem um general. Deus é o autor da história e os personagens principais são até aqui, SIFRÁ, PUÁ, Joquebede, MIRIAM, irmã de Moisés e a filha de Faraó que resolve cuidar de Moisés. Deus escolhe um homem voluntarioso para transformá-lo em um líder manso (2:12;17) – Moisés cresceu no Egito. Foi educado na USP da época ou na Harward do Egito. Ele nem sabia, mas sua preparação tinha a ver com os planos de Deus para ele. 

- Não é assim conosco? Tem eventos e circunstancias que hoje parecem sem sentido para nós, mas quando procuramos entender da perspectiva de Deus, a história mais tarde se encarrega de usada por Deus colocar as peças da nossa vida ordem para que a vida faça sentido. 

- Moisés cresceu como um egípcio, mas foi educado por uma Israelita e ganhou também a cultura Israelita. Ganho um senso de justiça, mas era um homem voluntarioso. Voluntarioso e auto-suficiente. Viu um egípcio espancando um hebreu. Olhou para os lados, não viu ninguém e pim..., matou o egípcio e escondeu o seu corpo na terra. É interessante notar que o autor de Êxodo escreve que Moisés olhou para os lados. Ele esqueceu que não havia ninguém olhando, mas lá em cima havia alguém olhando. Numa próxima oportunidade ele quer apartar a briga de dois hebreus, mas estes viram o que ele havia feito de errado e Moisés entende – É MELHOR FUGIR. Ele fugiu, mas por outro lado era Deus enviando Moisés para a escola preparatória do estadista de Deus. A universidade do Egito teve seu papel na vida de Moisés. Ele foi preparado, segundo lendas, para ser o próximo Faraó. Mas, os planos de Deus eram para ele ser um estadista divino e a melhor escola preparatória de estadistas divinos não é a USP ou a GV ou Harward. Deus manda Moisés para a escola do Deserto. Lá ele vai ser transformado. Quando ele chega ao deserto de Mídia, chega com força, se torna um herói logo na chegada. Forte, mas sensível, ele defende as filhas de um sacerdote chamado Jetro. Elas vieram buscar água no poço perto de onde Moisés estava e também chegam alguns homens, alguns pastores. Estes chegam para prejudicar as moças. Moisés as defende, afugenta os malfeitores, é recebido por Jetro e ganha uma esposa de presente. A escola no Deserto seria longa, 40 anos. No meio do deserto, Deus dá uma esposa para Moisés. Ele se tornaria um pastor de cabras, uma profissão ogerizada pelos egípcios, humilhante para quem tinha um pano de fundo da dinastia egípcia. Mas, apesar do deserto, Deus não estava alheio à vida Moisés. Moisés ao final de contas era fugitivo. Mas, nos planos de Deus era para um estudante no deserto em preparação para algo divino. 

- Será que não está sendo assim com você hoje? Talvez você esteja vivendo um momento humilhante, solitário, que você não está entendendo. Mas, DEUS NÃO ESTÁ ALHEIO. 

- Pode ser que Deus tenha matriculado você na DESERT SCHOOL, ali você vai receber uma pós graduação que você nunca imaginou que precisaria. 

- Mas, para os planos de Deus para sua vida, você não pode prosseguir sem passar por ela. E lembre que mesmo no deserto, tem presentes que Deus nos dá. Ele deu uma esposa para Moisés. 

- Tente perceber qual o presente que Deus já lhe deu apesar de você se encontrar no deserto. Deus começa intervir na história do seu povo – (2:23-25) – “Deus lembrou-se...” (não esquecimento, mas inicio de ação) – Deus prometeu libertar o povo e Deus vai cumprir sua promessa. No fim do capítulo 2 uma cena começa a desenvolver-se. O texto diz que Deus lembrou-se.... Será que Deus é esquecido? De forma alguma. Deus não é homem para mentir, nem homem para esquecer de suas promessas. Não, Deus não se esqueceu da sua conversa com Abraão nem do pacto incondicional que ele fez com seu amigo. Não. Esta é uma figura que indica que Deus está prestes a agir. Deus está prestes a iniciar uma grande ação em resposta ao seu próprio caráter fiel. Fidelidade é um atributo de Deus. E Deus por amor ao seu nome e ao seu povo explicitamente vai agora agir para libertar seu povo. 

- Assim é com nossa vida. Deus nos prometeu sua presença incondicional. No meio do seu sofrimento ou decepção, DEUS ESTÁ PRESENTE. 

- Ele nunca vai esquecer que você é filho ou filha dele. Ele pode parecer distante, mas ele está presente, pronto para agir, pronto para lembrar-se de você. 

III – DEUS É SOBERANO EM SUA REVELAÇÃO PESSOAL – “EU SOU” – (Êxodo 3:1-21) 

- O sinal já havia sido dado. O homem era Moisés. Agora Deus vai revelar seu plano para Moisés. Cerca de 40 anos se passara desde que Moisés havia sido matriculado na escola de preparação de estadistas divinos localizada no deserto. Agora era o dia do comissionamento. Deus comissiona Moisés para uma missão – (2:10) Embora que o comissionamento acontece no versículo 3:10, a historia do comissionamento começa no versículo 3. Certamente Moisés passara por ali dezenas de vezes. Viu aquele arbusto muitas vezes e nunca prestou atenção nele. Agora era diferente. Ele estava vendo um milagre. O arbusto queimava, mas não era consumido. O texto diz que ele resolve ver o que estava acontecendo. Uma possível tradução do texto seria “MOISÉS VIROU-SE PARA VER O QUE ESTAVA ACONTECENDO”. A rotina da vida faz com que percamos a sensibilidade para coisas novas que Deus está fazendo. A permanência na decepção faz com que percamos visão do que Deus pode estar fazendo nas circunstancias que estamos vivendo. Mas, a escola do deserto havia começado a dar sinal do seu impacto na vida de Moisés. 

- O voluntarioso, auto-suficiente e irascível hebreu agora podia parar para ver o que de diferente estava acontecendo com um arbusto. 

- O voluntarioso está se tornando, ou sendo feito, o homem mais manso sobre a face da terra. Deus mostrou-se para Moisés. Deus se apresenta como o Deus dos antepassados e Deus resolve comissionar Moisés. 

- Você tem conseguido virar-se para tentar ver algum milagre que Deus está fazendo no deserto da sua vida? Deus revela seu plano. 

- Deus usa os verbos que descrevem sua lembrança para com o povo de Israel que estava oprimido por Faraó. Deus diz que viu a aflição, escutou o clamor do povo, desceu para livrá-lo e tirá-lo do Egito para levá-los para a terra prometida. Não é interessante que Deus usa os verbos no passado. Deus já havia realizado a obra. Nada iria impedi-lo desta obra a ser revelada ao seu povo. Assim é conosco. Deus já tem solução para nossos problemas. 

- Para nós o difícil é esperar a solução que Deus vai revelar. E agora, para Moisés, vem a bomba. MOISÉS, VOCÊ É O ESCOLHIDO PARA REALIZAR A MINHA OBRA – Deus diz, VÁ..., EU O ENVIO. O diálogo de Deus com Moisés... 

- O deserto havia preparado Moisés, mas ele ainda era homem difícil de ser dobrado. Moisés discute com Deus. Começa a apresentar desculpas para não aceitar o comissionamento. Que diferença! Quarenta anos atrás tentou ser um libertador. Mas, era um libertador baseado na sua própria força. O deserto o havia tornado fraco para então experimentar o verdadeiro poder e suficiência que vem de Deus. Mas ainda era uma preparação. Moisés tem uma crise de autocomiseração. Deus não oferece um livro de auto ajuda e tenta convencer Moisés que Moisés era bom. Não, o silencio de Deus era como se fosse uma afirmação. Sim, você não é ninguém. Mas esta não é a questão principal. A questão principal é que eu estou com você. É minha presença com você que o torna adequado. Sim, você não é adequado, você realmente não tem nem diploma mais. Seu diploma é do deserto. Mas, seu diploma não é o que lhe qualifica. O que lhe qualifica é minha presença. Moisés resiste – Deus o prepara. E agora Deus trás para Moisés uma revelação sobrenatural sobre ele mesmo. Moises sabe que não tem nenhuma credencial. Mas Deus diz, sua credencia sou eu, EU LHE ENVIEI Quem sou – DEUS SE REVELA - MEU NOME É EU SOU - Que maravilha. 

- O nome de alguém é essência de alguém. Era assim que os nomes eram dados no Antigo Testamento. Os pais davam os nomes aos seus filhos na esperança que os filhos se tornassem aquilo que seus nomes significavam. Mas Deus se chama EU SOU. Os judeus se recusavam a pronunciar este nome. Na realidade pouco se sabe do som que este nome tinha quando era pronunciado, pois cada vez que o nome de Deus aparece no antigo testamento em geral ele é traduzido por Adonai, Senhor. Por reverencia, os judeus não pronunciam o nome de Deus. A grafia poderia ser lida como YAVÉ, OU JAVÉ. Mas, talvez este não fosse a real pronuncia do nome. No entanto, o significado é rico. Por trás deste nome está o fato que Deus existe. Deus é o inicio de tudo. Foi isto que vimos quando estudamos na primeira fase desta série. Eu SOU TEM A VER COM A ORIGEM DE TODAS AS COISAS. Também Eu sou carrega em si a imutabilidade de Deus. Deus não muda. O que Ele disse é, foi e será. Se ele disse a Abraão que o cativeiro no Egito teria um fim, este fim estava chegando realmente para terminar. Ele cumprirá sua promessa porque ele não muda. É porque ele é o EU SOU que ele estava enviando Moisés. E porque ele é o Eu sou, Moisés não tinha como resistir. Moisés, no entanto ainda tenta resistir ao chamado. Ele ainda não estava curado. Tinha medo do passado, de enfrentar seus compatriotas. Moises retruca, achando que os seus compatriotas não crerão nele. Deus realiza uma demonstração de milagre. Deus pergunta o que Moisés tem na mão. Uma simples vara. Mas, na mão de Deus a vara se torna uma serpente. Até aí tudo bem. Mas, Deus manda Moisés pegar a serpente pela cauda. Deus está ensinando Moisés ter fé. São as ultimas lições do deserto. No deserto se aprende que Deus realiza milagres. Finalmente Moisés diz que tem problemas de dicção. Um pouco pior do que minha dicção. Deus detona Moisés, QUEM FEZ SUA BOCA MOISÉS? Em outras palavras, Deus diz MOISÉS, QUANDO LHE ESCOLHI EU SABIA DE TODAS AS SUAS LIMITAÇÕES E ASSIM MESMO EU LHE ESCOLHI. Você já imaginou que até sobre suas limitações Deus tem controle? Apesar da escola do Deserto, Moisés leva bomba neste quesito. Deus cansou das desculpas de Moisés e Moises perde um privilégio. Ele vai ter que ter uma muleta, seu irmão Arão. Mas, finalmente, o ex voluntarioso e auto-suficiente, vai para casa, quebrantado, mas equipado por Deus. Gago, mas capaz de falar, frágil, mas fortalecido pela presença de Deus. 

- Não é assim conosco? Para sermos usados por Deus, passamos também pela escola do deserto, somos quebrados e quebrantados para podermos entender que o que nos qualifica não são nossas habilidades. 

- O que nos qualifica é a presença de Deus conosco. Deus nos deu talentos, DEUS NOS DEU UMA VARA. Mas, a vara somente faz seu papel quando ela é colocada na mão de Deus. Mas, ainda há um pequeno detalhe na vida de Moisés que Deus quer tratar antes que ele chegue ao Egito. Deus avisa Moisés que não vai ser fácil. Ele vai endurecer o coração de Faraó. No caminho eles param numa hospedaria. Deus vai ao encontro de Moisés e procura matá-lo. Por quê? Olhe a história. Aqui acontece o que alguns eruditos chamam de circuncisão vicária. Moisés, apesar de seus 80 anos, parece que ainda não havia sido circuncidado. A circuncisão era um sinal do pacto entre Deus e seu povo. Por que será que Moisés ainda não havia sido circuncidado? Esquecimento dos seus pais? Medo de dor? Já pensou um homem de 80 anos ser circuncidado numa época em que não havia anestesia? O fato é que é mais uma heroína aparece. Zípora. Ela circuncida o filho deles fala para Moisés, “ você é para mim um marido de sangue” – Esta expressão a principio parece uma expressão áspera, não é? Mas, na realidade é uma expressão que as esposas usavam para com seus maridos quando eles não eram judeus. Quando um homem se tornava um judeu por proselitismo e casava com uma mulher judia, havia uma cerimônia de circuncisão do marido. E após o momento da circuncisão, a esposa dizia, “ você é para mim um marido de sangue” , significando, agora temos o mesmo sangue. Moisés iria servir ao povo do pacto, mas ele mesmo não era ainda parte do pacto. Deus exigiu que Moisés cumprisse o ritual externo para que também fosse visto como um homem membro do povo do pacto. Um comentário de passagem? Você já foi batizado? Você já resolveu dizer publicamente que você pertence ao Senhor Jesus, passando pelo batismo? Deus soberanamente resolve no seu tempo libertar seu povo e soberanamente escolhe o líder deste projeto, MOISÉS. Mas, há outro detalhe que quero ressaltar. Mais uma vez vocês percebem que o nome do Faraó não aparece. Até agora, além do nome de Deus, os principais nomes quais são? Vocês viram mais uma vez a lei da inversão do Reino. Os nomes dos heróis são, Sifra e Puá, Joquebede, mãe de Moisés, Miriam a irmã de Moisés que acompanhou pelo Nilo o bercinho no qual estava o bebe Moisés, a filha de Faraó que resolveu cuidar de Moises e agora Zípora, que fez a circuncisão vicária de Moises. O que existe de comum nestes nomes? São todas mulheres. Numa cultura na qual a mulher era inferior, DEUS as exalta. O menor se torna maior, o pequeno se torna grande, o ultimo é feito primeiro, o gago se torna falante. Talvez você esteja se sentindo hoje não percebido, não valorizado, não reconhecido. Mas, continue fazendo para Deus. No Senhor seu trabalho não é vão. 

- Os homens podem não ver, mas Deus vê. DEUS SEMPRE HONRA SUA FIDELIDADE. O MESMO DEUS PRESENTE NA VIDA MOISÉS, É O DEUS PRESENTE HOJE EM NOSSAS VIDAS. 

 IV – DEUS SOBERANAMENTE ANUNCIA A LIBERTAÇÃO DO SEU POVO – (Exodo 6:1-10) 

- Agora, comissionado, enviado, consciente que sua força não vem de seu talento, mas da presença de Deus, Moisés chega ao Egito. A oposição vai começar e os problemas do líder de intensificarão. Mas, EU SOU está com ele. Faraó aumenta a pressão sobre o povo de Israel (5:1-6:1) – Moisés e Arão chegam ao Egito. Reúne os lideres do povo, mostra para eles o sinal que Deus disse que eles deviam fazer. O texto diz que o povo creu. Não somente creu, mas adoraram a Deus. Quando fazemos como Deus diz que devemos fazer, Deus recebe a glória que lhe é devida. No entanto, quando eles vão a Faraó e falam direto e sem rodeios o que Deus disse para eles falarem, a oposição começa. Os lideres de Israel pedem clemência a Faraó, mas são rechaçados, a opressão aumenta e agora os próprios lideres se voltam contra Moisés e Arão. Não é sempre assim conosco?. 

- Quando estamos debaixo da provação, sempre tentamos achar um culpado, em vez de irmos direto para Deus. De certa forma não haviam entendido ainda o que Deus estava fazendo. Como nós também muitas vezes temos dificuldades em entender os processos de Deus. Moisés tinha mais recursos porque tinha recebido a revelação de Deus do que iria acontecer. Por isso ele vai a Deus. Mas, em vez de desculpar-se, MOISÉS FOI A DEUS. Assim devia ser sempre conosco. Quando a provação aumenta, CORRAMOS PARA DEUS. Mas, o contexto nos leva a perceber algo. Deus estava iniciando um processo de UMA GRANDE LIBERTAÇÃO. Mas, antes disto, parece que Deus estava permitindo um grande ou maior momento de dor ou desilusão. Já imaginou como Moisés poderia ter se sentido? Lá em Mídiã ele descobriu o nome de Deus. Ele estava no monte. Quando veio para o vale,.enfrentou rejeição de Faraó e de seu próprios compatriotas. Mas, lembrem, EU SOU ESTÁ NO CONTROLE DA SITUAÇÃO. Antes de um momento de grande intervenção divina tem um grande momento de desilusão humana. 

- Se você esta desencorajado esta manhã, espere, espere até o momento no qual Deus vai estender sua mão para você e você verá seu desencoraja mento transformado em satisfação. Deus revela seu nome poderoso – El SHADAI – 6:2 – Deus responde a Moises de uma forma graciosa. Deus responde. Deus reafirma seus planos. Deus fala no futuro. Isto não foi aliviar, mas encorajar. O futuro vai se realizar. Mas vem algo novo. Deus diz para Moises que ele deu para Moisés um privilégio que os pais não tiveram. Para os pais Deus se revelara o Deus poderoso, para Moisés o Eu Sou. Moisés teve este privilégio de conhecer Deus pelo nome dele, EU SOU. Quando revelou-se aos antepassados, Deus revelou-se como o Deus poderoso. E os antepassados marcharam com esta confiança. O Deus todo poderoso estava com eles e por isso realizaram o que realizaram. Então, se os pais realizaram o que realizaram conhecendo apenas o Deus todo poderoso, quanto mais agora Moisés poderia marchar conhecendo mais ainda do poder de Deus, o Deus que existe de verdade e que não muda, que é o criador de tudo. Mas, agora, também Moisés conheceria o Deus todo poderoso. A palavra no Hebraico é a palavra EL SHADAI. O significado deste home em Hebraico é muito discutido pelos eruditos. Mas, discussões à parte, o ponto central é que Deus é todo poderoso. Isto significa que ninguém pode impedir Deus de realizar o que ele planejou. Assim, nada impediria que Deus cumprisse o que prometera fazer. Deus libertaria o seu povo. El Shadai também implica que Deus faz o que lhe apraz. Isto é, o processo Deus faz como ele quer e quando ele quer. Assim, Deus é quem escolhe quando vai quebrar o coração de Faraó. E o El Shadai levaria tempo ainda para mostrar que seu poder estava acima de qualquer outro poder que Moisés ou Faraó pudessem imaginar. Assim, para mostrar a força do seu poder, Deus ainda derramaria ainda as 10 pragas que viriam mais tarde. Ao esperar, o povo viu o poder de Deus. El Shadai também tem o poder de escolher o tempo quando Ele vai agir. Porque Deus revelou seu nome EL SHADAI a Moisés, tanto Moises como o provo puderam saber que na hora da provação, na hora do aperto, na hora do medo, eles podiam correr para o EL SHADAI. 

- Queridos Deus toma o tempo que ele precisa para nos ensinar a correr para ele quando estamos em perigo pois ele quer mostrar-se para mim e para você que ele é EL SHADAI na hora que estamos na provação, no medo ou na perda. 

- Deus promete libertação – (6:6) – Após revelar-se como o Deus todo poderoso, Deus reafirma sua promessa de libertar o povo. Moisés conta isto ao povo, mas o povo tem uma reação fruto do cansaço – Um pouco antes haviam se curvado em adoração quando souberam que Deus enviara um libertador. Agora, depois que vêem a provação aumentando eles sofrem de desanimo. E agora? UMA ESCOLHA CRUCIAL – Confiar ou desanimar - Sim meus queridos. Tem horas que temos que escolher. Confiar ou desanimar. O texto diz que o povo estava cansado, angustiado e por isso não deram ouvidos a Moises. Até Moisés foi contagiado pelo desanimo do povo. Mas, Deus não estava desanimado. Deus disse, eles serão libertos, e sairão ricos e cheios e bens do Egito. 

- Aqui está nossa escolha – DESANIMAR OU CONFIAR. 

- Talvez hoje você esteja cansado de esperar, cansado de orar, machucado, magoado, desapontado, estrupiado, sem força até para orar. Deus entende de dor, de perda, de desapontamento, mas o EL SHADAI, o todo poderoso, o soberano, é maior do que qualquer circunstancia que você está enfrentando. Deus, o EU SOU, não muda. Deus, o El SHADAI é poderoso para lhe socorrer. Nós conhecemos o EU SOU, nós conhecemos o EL SHADAI através de Jesus. Jesus é o filho de Deus, que sofreu e não desistiu. Sofreu por causa do nosso pecado para nos socorrer não apenas como perdão dos nossos pecados, mas também para nos socorrer nas aflições da vida. 

- Hoje, pegue seu cansaço, desanimo, medo, insegurança, angustia entregue na mão do EL SHADAI, o Deus todo poderoso. Pegue seu Faraó, aquilo que está lhe oprimindo e entregue na mão daquele que pode lhe libertar. 

- O mesmo Deus poderoso que disse, ouvi o clamor do meu povo, É O DEUS QUE NÃO MUDA E DIZ, “EU OUÇO O SEU CLAMOR. CONFIE EM MIM, NÃO DESISTA, NÃO RETROCEDA, EU V0U LHE DAR UMA NOVA VIDA”. Em vez de desanimo, confiança, em vez de desistir, prosseguir. Mas, somente Jesus pode lhe dar a força para prosseguir. 

- Quero terminar com um desafio – Em vez de olhar para seu Faraó, resolva olhar para o EU SOU, que não muda. 

- Em vez de deixar-se dominar pelo poder do seu Faraó, RESOLVA CONFIAR NO PODER DO EL SHADAI, confiança esta que apenas através de Jesus você pode ter. 

 Oração finalSenhor Jesus, o Senhor conhece cada um aqui, o Senhor sabe qual é o Faraó de cada um. De para cada um a capacidade de escolher não desanimar mas confiar, não desistir, mas prosseguir. Que o Senhor mesmo nesta hora faça este ensino sobre ti mesmo que recebemos encorajar cada buscar o refugio naquele que liberta e dirige, nosso El Shadai, nosso Eu Sou. Em nome de Jesus, oramos amém. 

 APLICAÇÃO 

 - Estou vivendo um período que parece que Deus se esqueceu de mim? 

- Será que Deus se esquece Como posso associar este período com o fato que Deus se lembra? 

-  Recebi um desafio de Deus e estou com medo de aceitá-lo? 

- Como fato de saber que Deus, o EU SOU pode mudar minha atitude? 

- Como o fato de Deus ter prometido estar comigo pode ajudar-me aceitar este desafio? 

-  Estou vivendo com um desapontamento? Um sonho frustrado? 

- Como posso associar esta experiência com o fato que Deus cumpre o que Ele promete? 




 AUTOR: Pr. Lisânias Moura / Igreja Batista do Morumbi







+++++++++++++++
++++++++++++++++
+++++++++++++++++
++++++++++++++++++
+++++++++++++++++++






SANSÃO E O DEUS 
QUE DISCIPLINA 

- Pr. Marcos Amado

Série Descobertas - Juízes 13-16



I - ENTENDENDO O CONTEXTO
  • Personagens Principais
    • O pai de Sansão, Manoá.
    • A mãe de Sansão, cujo nome não é revelado.
    • O Anjo de Jeová.
    • Sansão.
    • Os Filisteus: originários da Região do Egeu, no que seria hoje a costa ocidental da Turquia, banhada pelo Mar Egeu. Eles dominavam a arte da navegação e migraram para a Palestina ao redor do ano 1200 a.C.
    • Dalila, la femme fatale.

  • Data Aproximada dos Acontecimentos 
    • Por volta do ano 1100 antes de Cristo

  • Na mesma época de Sansão:
    • A Grécia já estava em pleno desenvolvimento.
    • A Guerra de Tróia teria acontecido nesta época (se é que realmente esta guerra não passa de um mito).
    • O Império Egípcio estava em plena decadência.
    • Início do surgimento da civilização Olmeca, no México. Alguns estudiosos afirmam que no período de maior desenvolvimento esta civilização já usava um instrumento parecido com a bússola e criou um sistema de escrita.
  • Local dos Acontecimentos 
    • Sansão nasceu a escassos 26 quilômetros ao sudoeste de Jerusalém. Os acontecimentos do livro ocorrem ao redor desta região, chegando até Gaza, cerca de 100 quilômetros ao sudoeste de Jerusalém, quase na fronteira com o Egito.

II - Sansão, um "Super-Herói" Muito Humano

O versículo 1 do capítulo 13 de Juízes diz que " Os israelitas voltaram a fazer o que o Senhor reprova, e por isso o Senhor os entregou nas mãos dos filisteus durante quarenta anos".
Com esta introdução o autor está preparando o cenário para apresentar os acontecimentos encontrados entre os capítulos 13-16 de Juízes.
Mais uma vez a história que já foi tão bem explicada nos domingos anteriores volta a se repetir: o povo de Israel desobedece à Lei do Senhor e segue outros deuses. O Senhor os castiga entregando-os nas mãos de um dos povos que habitavam na região, neste caso os Filisteus.
Deus, ao ver o sofrimento do seu povo, se apresenta a uma mulher estéril de uma pequena cidade da Palestina para comunicar as boas novas de que ela dará a luz a um filho, e este filho "iniciará a libertação de Israel das mãos dos Filisteus" (Jz. 13.5). Realmente Sansão apenas iniciou o processo de libertação pois este objetivo só foi totalmente cumprido muitos anos mais tarde sob o reinado de Davi, que era um homem conforme o coração de Deus.

O nascimento de Sansão é cercado por uma série de acontecimentos marcantes:
  • O Anjo do Senhor aparece a uma mulher.
  • Esta mulher é estéril e, a não ser que ocorresse uma intervenção divina, ela não poderia ser mãe. É justamente isto que o anjo lhe promete e, meses depois, ela se torna a mãe de Sansão.
  • No texto vemos que o anjo tinha uma "aparência impressionante" (Jz. 13.6) e que o seu nome estava "além do entendimento" (13.18), ou seja, que era maravilhoso demais para ser mencionado.
  • O menino que nasceria seria um nazireu. Durante toda sua vida seria dedicado ao Senhor e, portanto, não poderia tomar vinho nem nenhuma bebida fermentada, não poderia cortar o cabelo, nem tocar em nenhum cadáver, sob o risco de tornar-se ritualmente impuro. Estas ações externas deveriam indicar uma dedicação interior ao Senhor.
Diante de tantos acontecimentos incríveis a expectativa que certamente foi criada ao redor do novo libertador que estava por nascer era que, por ter tido o seu nascimento anunciado pelo Anjo do Senhor e por ter sido, mesmo antes do seu nascimento, separado para servir a Deus, ele seria um homem temente ao Senhor e fiel ao seu chamado.

Porém, no desenrolar da história, fica claro que, por razões por nós desconhecidas, Sansão não honrou o seu chamado e não teve uma vida santa de total dedicação ao Senhor:
  1. Ele escolheu uma mulher estrangeira para ser sua esposa, o que era expressamente proibido pela lei de Deus (Deut. 7.1-4). E porque ele fez isto? Simplesmente porque ela lhe era agradável aos olhos (14.3).
  2. Quando estava indo para a festa do seu casamento, ele tocou no cadáver de um leão que ele havia matado com suas próprias mãos. Por ser um nazireu, isto não podia ter ocorrido, pois, como já foi mencionado anteriormente, os nazireus não podiam tocar em nenhum cadáver. 
  3. Em diferentes situações ele atuou por pura retaliação ou vingança. Agia impelido pelas emoçoes, sem se preocupar em buscar a vontade de Deus. 
  4. Como resultado de suas ações intempestivas, sua esposa filistéia e seu sogro foram queimados vivos pelos próprios filisteus (15.6). 
  5. Envolveu-se com uma prostituta (16.1). 
  6. Apaixonou-se por uma mulher filistéia chamada Dalila e foi seduzido e traído por ela, pois os líderes filisteus prometeram a Dalila uma grande quantia de prata caso ela descobrisse qual era o segredo da força de Sansão. Era a própria "femme fatale".
Como resultado da traição de Dalila, Sansão tem suas tranças cortadas enquanto dormia, perde sua incrível força, é preso, tem seus olhos vazados e, tempos depois, quando começa a recuperar suas forças, consegue derrubar o templo onde os filisteus estavam fazendo uma festa de agradecimento ao deus Dagom, e morre juntamente com milhares deles.

III - Qual a Mensagem de Deus para a Igreja Batista do Morumbi que Emana da História de Sansão?
Importante: a história de Sansão é uma história sobre o povo de Deus e sobre uma pessoa escolhida por Deus para uma missão específica.
A. São muitas as lições que podemos tirar da história de Sansão:
Porém, enfatizarei apenas quatro delas. As três primeiras eu o farei apenas brevemente e me estenderei um pouco mais na quarta lição.
a) Possivelmente a primeira delas é a ênfase do texto sobre a realidade do mundo espiritual:
  • Vinte e cinco por cento da história que a Bíblia nos conta sobre Sansão é dedicado a um acontecimento sobrenatural: o aparecimento de um anjo e o nascimento milagroso de uma criança. Além disto, o "herói" da história é detentor de uma força sobrenatural dada por Deus.
  • O mundo em que vivemos está muito interessado em questões espirituais ou sobrenaturais, mas não necessariamente no que a Bíblia ensina sobre o mundo espiritual.
    • Na lista dos dez livros de ficção mais vendidos da Revista Veja de duas semanas atrás, encontramos nada menos do que sete livros cujo tema central está relacionado com o mundo espiritual ou sobrenatural:
  • A Cabana, que conta a história de um homem que recebeu um bilhete de Deus e, a partir deste momento, vive uma incrível experiência espiritual.
  • O Aleph, de Paulo Coelho, onde o autor revela como uma grave crise de fé o levou a sair à procura de um caminho de renovação e crescimento espiritual.
  • O Símbolo Perdido, de Dan Brown, em que um dos personagens acredita que os fundadores de Washington, capital dos Estados Unidos, esconderam na cidade um tesouro capaz de dar poderes sobre-humanos a quem o encontrasse.
  • A breve segunda vida de Bree Tanner (que narra a história de uma vampira).
  • A Batalha do Apocalipse, cujo subtítulo é "Da queda dos anjos ao crepúsculo do mundo"
  • Reunião Sombria - Diários do Vampiro 4, em que Elena, uma das personagens, flutua em um misterioso limbo espiritual após se sacrificar para derrotar Katherine e salvar Stefan.
  • Lua Azul - Os Imortais. Ever, que se tornou uma imortal, viaja até a dimensão mística de Summerland, onde não apenas toma conhecimento da misteriosa história de Damen, mas também tem acesso aos segredos que regem o Tempo.
  • Anjos existem. De acordo com Hebreus 1.14, eles são "espíritos que servem a Deus, os quais ele envia para ajudar os que vão receber a salvação".
  • Demônios existem. É quase impossível passar duas páginas dos evangelhos sem encontrarmos alguma situação em que Jesus ou os discípulos entram em conflito com eles.
  • Fenômenos sobrenaturais existem ainda hoje, da mesma maneira que a força de Sansão era sobrenatural.
  • Sim, entremos no mundo espiritual! Indaguemos acerca do sobrenatural!
  • Mas, façamos isto guiados pelo Espírito Santo, à medida que nos enfronhamos na Palavra de Deus, que é a Bíblia, para que não sejamos enganados por mentiras e manipulações.
b) Uma palavra para os pais de filhos ou filhas que foram criados no Evangelho, mas que escolheram outros caminhos.
O texto mostra que os pais de Sansão eram tementes a Deus, inclusive preocupados com a forma em que o menino deveria ser criado. Num determinado ponto da conversa com o anjo, o pai de Sansão pergunta: "Como devemos criar o menino?" (Juízes 13.8,12). Porém, isto não era garantia de que o filho, quando crescesse, seguiria o caminho ensinado pelos pais. Não restava aos pais outra atitude a não ser entregar o filho nas mãos do Senhor, crendo na Sua soberania e nos seus propósitos.
c) Ligações Perigosas; combinação fatal
Sansão tinha sido um homem que usava as mulheres, motivado pela paixão sensual. Juízes 16.4 diz que Sansão "se apaixonou por Dalila". Porém, em Dalila ele encontrou uma mulher que pagou com a mesma moeda, pois ela usava os homens. Sansão queria sexo; Dalila queria dinheiro e estava disposta a usar o sexo como arma para atingir seus objetivos.
O valor que cada líder filisteu ofereceu a Dalila para que ela conseguisse descobrir o segredo da força de Sansão era de 1100 siclos (ou 13 quilos) de prata. Como eram cinco líderes (responsáveis por cada uma das cinco capitais regionais dos filisteus), o que lhe estava sendo oferecido equivalia a 5500 siclos de prata, ou seja, 550 vezes o salário anual de um trabalhador braçal daquela época. Se tomarmos como base o salário mínimo brasileiro, isto significa que, em valores de hoje, estavam oferecendo cerca de três milhões de reais para que Dalila traísse o homem que era seu amante.
Dalila tinha um preço: três milhões de reais.
Será que nós temos um preço? Será que estamos dispostos a empenhar nossos valores e convicções no altar do sexo, poder e dinheiro?
Sexo, poder e dinheiro: esta combinação continua sendo tão fatal hoje como há três mil anos, no tempo de Sansão e Dalila.
d) A presença de Deus
Na trágica história de Sansão chega o momento em que ele finalmente confessa a Dalila o motivo da sua incrível força:
Juízes 16. 15-16 - Então ela lhe disse: "Como você pode dizer que me ama, se não confia em mim? Esta é a terceira vez que você me fez de boba e não contou o segredo da sua grande força". Importunando-o o tempo todo, ela o cansava dia após dia, ficando ele a ponto de morrer.
16.17 - Por isso ele lhe contou o segredo: "Jamais se passou navalha em minha cabeça", disse ele, "pois sou nazireu, desde o ventre materno. Se fosse rapado o cabelo da minha cabeça, a minha força se afastaria de mim, e eu ficaria tão fraco quanto qualquer outro homem.
Como resultado desta confissão, Dalila chama os filisteus, faz com que ele durma no seu colo e, enquanto ele dormia, seus cabelos foram cortados.
Neste ponto chegamos ao momento mais fatídico da história de Sansão. Não simplesmente porque ele perdeu sua força, mas porque quando ele acorda repentinamente com os gritos de Dalila e pensa que se livraria facilmente dos filisteus, vemos no finalzinho do versículo 20 do capítulo 16 que:
Juízes 16.20: ... (Sansão) não sabia que o Senhor o tinha deixado
  • O homem cujo nascimento havia sido anunciado, nada mais, nada menos do que pelo próprio Anjo do Senhor.
  • O homem que desde o ventre da sua mãe havia sido separado por Deus para a especial missão de libertar o seu povo.
  • O homem que tinha crescido num lar cujos pais temiam a Deus.
Tanta fez que encontrou-se na situação em que Deus o havia deixado.
Em Juízes 17.6 vemos uma informação muito importante:
Naquela época não havia rei em Israel; cada um fazia o que lhe parecia certo.
Deus havia escolhido Sansão para viver uma vida santa. Sansão se deixou influenciar e escolheu viver da mesma maneira que os que estavam ao seu redor, fazendo aquilo que a ele lhe parecia certo.
A conseqüência? O Senhor o deixou.
Talvez Sansão tinha a mesma atitude que Agostinho antes de sua conversão, que orava, "Senhor, faça-me santo, mas não agora!"
Rubem Amorese, em um de seus livros, afirma que quando os Israelitas entraram na terra prometida
Havia o perigo de que passassem a viver como cananeus; sentir como cananeus, adotar os valores e ideais da terra; e a seguir os deuses dos povos ao seu redor. Se isso acontecesse, deixariam, simplesmente, de ser povo de Deus.
É minha convicção que nós, como Corpo de Cristo reunidos aqui na Igreja Batista do Morumbi, corremos o mesmo risco. Permitam-me explicar porque estou dizendo isto:
  • O tripé sobre o qual a sociedade contemporânea se sustenta: 

    • Pluralismo:
      • Há uma multiplicidade de opções, tanto em questões materiais, como nos aspectos éticos e morais.
      • "Horizontalização do peso das opções" (Amorese). Não importa a escolha que você faça, pois todas elas são iguais.

    • "Privatização"
      • "Cada um na sua. Trata-se de dizer que se você fez tal ou qual escolha, ninguém tem nada com isso". (Amorese)
      • Há uma "cristalização da importância do privado como a única esfera da liberdade e da realização individual". (Amorese)

    • Secularismo
      • Convicções religiosas não entram na pauta da discussão sobre o aborto, pena de morte, ecologia e eutanásia.
Segundo Newbigin, um teólogo inglês, isto leva a uma ausência de consenso sobre um número cada vez maior de temas.
Conseqüentemente, chegamos à uma situação muito parecida à situação vivida pelo povo de Israel: cada cabeça uma sentença.
E hoje nós, como povo de Deus, estamos numa situação parecida. Estamos, em alguns aspectos, vivendo como aqueles que estão ao nosso redor. Estamos sendo absorvidos por seus valores e princípios.
E isto faz com que quando, na igreja, se fala de absolutos, haja estranheza. Quando nos posicionamos em relação ao divórcio, ao sexo fora do casamento, ao homossexualismo, à sonegação de imposto, ao aborto, à eutanásia, etc., alguns nos olham como se fossemos de outro planeta.
"Como no tempo de Sansão e de Eli, há um afrouxamento dos padrões, por falta de zelo com a Palavra de Deus". (Amorese)
Qual pode ser a conseqüência de tudo isto na minha vida? Pode acontecer como na vida de Sansão: o Senhor se afastou dele, pois o Senhor é um Deus que disciplina.
Não estou falando da perda da salvação. Estou falando da perda da benção de Deus sobre nossas vidas. Estou falando de apagarmos o Espírito (1 Tessalonicenses 5.19) como resultado de uma vida que desagrada a Deus.
Em 1 Samuel 4.21-22, ainda na época em que cada um fazia o que lhe parecia certo, vemos que "a glória (ou seja, a presença de Deus) se foi de Israel".
Em Apocalipse 2.5 lemos uma advertência muito severa da parte de Deus para a igreja em Éfeso:
Lembre-se de onde caiu! Arrependa-se e pratique as obras que praticava no princípio. Se não se arrepender, virei a você e tirarei o seu candelabro do lugar dele.
    • No caso de Sansão, um homem escolhido por Deus, vemos que o Senhor o deixou (e, insisto, não estou falando de perda da salvação, mas sim da perda da unção de Deus).
    • No caso de Israel, o povo escolhido de Deus, vemos que a presença de Deus se foi de Israel.
    • No caso da igreja em Éfeso, haveria conseqüências caso não houvesse arrependimento, e o candelabro, a luz, seria retirado daquele lugar.
Arrependimento
"Se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar e orar, buscar a minha face e se afastar dos seus maus caminhos, dos céus o ouvirei, perdoarei o seu pecado e curarei a sua terra." (2 Crônicas 7.14)
Pr. Marcos Amado