terça-feira, 7 de agosto de 2012

Uma palavra 
aos pastores 


Referência: João 15.16 

- Pastores que caem moralmente. 
- Pastores desmotivados 
-  Pastores perdidos no cipoal doutrinário. 

 I. O mais importante no ministério não é o que fazemos, mas a nossa relação com Deus 

-  Antes de ser ministro sou ovelha. 
- Antes da Bíblia ser ferramenta de trabalho é carta de Deus para mim. 

- Deus tem de realizar em mim antes de através de mim. 

- A experiência do pastor pentecostal que ficou canceroso e escreveu o seu diário: ATIVISMO. Mc 3.14 = pastores com a alma seca.

 “VOCÊ NÃO ME AMA, VOCÊ ME USA.” 

- Angustia a nossa alma estar tão perto da fonte e não beber. 

- Não nos assentamos aos pés de Cristo como Maria para aprender, chorar e adorar. 

- A Bíblia fala de descanso e estamos arrebentados porque estamos invertendo a ordem, fazendo o que é de Deus. 

 II. A minha responsabilidade é aprofundar o meu ministério, a responsabilidade de Deus é enlarguecê-lo 

-  Conhecemos a respeito de Deus, mas não conhecemos a Deus. 

- Não devemos nos influenciar nem pelos hosanas, nem pelos apupos crucifica-o, mas ser guiados pela expressão: “Este é o meu filho amado em quem me comprazo.” 

- O herói ama a propaganda. O santo a discrição. Ganha, mas fica um bagaço. 

- O general que ganhava a guerra, mas perdia 15, 18, 20 mil homens em cada batalha. 

- O comandante chegou ao general e disse: “Nós não podemos ganhar mais nenhuma batalha.” 

 III. Achar que somos essenciais – Jo 15.16 

-  Você está onde está porque Deus lhe chamou. 
- Você está desanimado? Tira esse jugo de você. 

- Davi disse para Golias: ESSA LUTA É DO SENHOR. 

IV. O romance do pastor com a sua igreja 

-  Você está na igreja por salário? 
- O auditório preferido do meu coração é a minha igreja. 

- Ela sabe que eu não como o pão da preguiça. 

- Precisamos nos enamorar da noiva do Cordeiro. 

- A igreja precisa ter certeza de que você não tem outros planos debaixo da manga. 

-  No domingo não dorme nem vê Tv. Isso é indignidade. Está trabalhando na mensagem e orando pelo povo. 

- As pessoas precisam de um pai, um amigo, um conselheiro que os trate com ternura. 

- Se nos dedicarmos à igreja ela nos será fiel. 

Tentações: BARRA DA SAIA, BARRA DO OURO E SÃO JOÃO DA BARRA. 

-  Vamos reconstruir o altar. O fogo tem se apagado do altar. 

- Temos a agenda cheia. Mas estamos vazios. Se a agenda zerar, ficamos solitários, vazios, secos, perdidos, porque não sabemos estar a sós com Deus. 

- A gente gosta de imitar a teologia paulina mas não gosta de imitar a piedade de Paulo. 

- A história dos estudantes visitando a casa de John Wesley = Billy Graham ficou mais tempo ajoelhado em seu quarto. A caravana entrou no ônibus e percebeu que um estudante havia faltado. Quando foram procurá-lo lá estava o jovem ajoelhado. Está na hora de ir embora. Disseram-lhe.

 V. A vida de oração do pastor Jesus como homem orou intensamente – ver no evangelho de Lucas

-  A vida de oração da Igreja Coreana – O pentecoste coreano. 

- A vida devocional do pastor – Robert MacKeyne 

 VI. A vida familiar do pastor Ganhar o mundo e perder a família Deus – família – igreja 

-  A pureza sexual do pastor 


AUTOR:  Rev. Hernandes Dias Lopes.



============
===========
==========
=========
=========
==========
===========
============
============
Um clamor para que 
os céus se fendam 

- O profeta Isaías, num profundo clamor pela intervenção sobrenatural de Deus na vida do seu povo, clamou: “Oh! Se fendesses os céus e descesses!” (Is 64.1). 

- Isaías está sedento pela presença manifesta de Deus. 

- Isaías estava plenamente consciente de que nenhum poder da terra e nenhum recurso dos homens poderia trazer alento para o seu povo a não ser a presença de Deus. 

- Essa é também a necessidade da igreja hoje. 
- Não nos contentamos com templos bonitos. 
- Não nos satisfaz termos um bom orçamento financeiro. 
- Não é suficiente termos pessoas influentes na sociedade frequentando a igreja.

- Somente a presença manifesta de Deus pode levantar-nos para uma vida maiúscula e superlativa. 

- Somente a presença de Deus pode encher-nos de entusiasmo espiritual. 

- Precisamos desesperadamente de uma visitação extraordinária de Deus em nossa vida, em nossa família, em nossa igreja. 

Destacaremos, aqui, três verdades importantes: 

 1. O clamor pela presença de Deus só pode partir de corações sedentos por Deus. 

- A igreja contemporânea tem sede de muitas coisas, mas está apática pelas coisas de Deus. 

- Substituímos o Deus das bênçãos pelas bênçãos de Deus; o criador pela criatura; o doador pela dádiva. Construímos nossa própria torre de Babel. 

- Celebramos o nosso próprio nome e contentamo-nos com as glórias da terra em vez de buscarmos com sofreguidão a glória do Deus eterno. 

- O avivamento da igreja é a nossa maior e mais urgente necessidade. 

- O avivamento, porém, acontece quando os céus se fendem e Deus desce com sua presença manifesta. 

- O avivamento acontece quando a igreja anseia por Deus como um sedento clama por água e como a terra seca anseia pelas chuvas torrenciais. 

- Ah, que Deus desperte nosso coração dessa letargia espiritual! 
- Que Deus nos acorde desse sono da morte! É tempo de buscarmos o Senhor! 

É tempo de voltarmo-nos para Deus de todo o nosso coração! 

 2. O clamor pela presença de Deus tem o propósito de sermos inflamados pelo fogo divino. 

- O profeta Isaías clama pela presença de Deus porque tem consciência da necessidade de ser aquecido pela presença manifesta de Deus como os gravetos são inflamados pelo fogo. 

- Quando o Espírito Santo desceu no Pentecoste pousou sobre cada um deles como línguas de fogo. 

- O fogo ilumina, aquece, purifica e alastra. Precisamos urgentemente rogar a Deus para que ele fenda os céus e venha sobre nós nos inflamar, aquecer e despertar para uma vida de entusiasmo espiritual. 

- Não basta fazer a obra de Deus; é preciso fazê-la com entusiasmo. 
- Não basta frequentar a casa de Deus; é preciso ter o coração aquecido. 
- Não basta honrar a Deus com os lábios; é preciso ter o coração derramado na presença de Deus. 

- Ah, falta vitalidade espiritual em nossa vida; falta vida em nossos cultos; falta aquela alegria indizível e cheia de glória em nossa adoração; falta calor espiritual em nossas orações. 

Que Deus tenha misericórdia de nós e fenda os céus e desça para nos despertar! 

 3. O clamor pela presença de Deus tem como propósito a vindicação da própria glória de Deus. 

- Isaías ora para que os céus se fendam e clama pela presença manifesta de Deus não apenas para que o povo de Deus seja despertado, mas também, para que as nações reconheçam a glória de Deus e temam o seu nome. 

- O avivamento é uma vindicação pela glória de Deus. 

- Quando Deus fende os céus e desce para inflamar a igreja, a glória de Deus se manifesta entre as nações e os inimigos de Deus temem o seu glorioso nome. 

- Quando a igreja perde seu vigor espiritual, quando seus cultos se tornam apáticos e cheios de formalidade; quando as brasas vivas se cobrem de cinzas e os crentes se tornam apáticos, abandonando o seu primeiro amor, o mundo se insurge contra Deus para zombar de seu santo nome. 

- Ah, é tempo de clamar pela visitação extraordinária de Deus, para que ele fenda os céus e desça a fim de que os inimigos de Deus temam o seu santo nome. 

- O avivamento acontece na igreja, mas transborda para o mundo. 

Quando Deus inflama o seu povo, o mundo reconhece que o nosso Deus é o único Senhor e teme o seu nome.

AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes


++
+++
++++
+++++
++++++
+++++++
++++++++


A família na época 
pós-moderna 

- A pós-modernidade está firmada sobre o tripé: pluralização, privatização e secularização. 

- A pluralização diz que há muitas ideias, muitos valores, muitas crenças. Não existe uma verdade absoluta, tudo é relativo. 

- A privatização diz que nossas escolhas são soberanas e cada um tem sua própria verdade. 

- A secularização, por sua vez, coloca Deus na lateral da vida e o reduz apenas aos recintos sagrados. A família está nesse fogo cruzado. Caminha nessa estrada juncada de perigos, ouvindo muitas vozes, tendo à sua frente muitas bifurcações morais. 

- Que atitude tomar? 
- Que escolhas fazer para não perder sua identidade? 

Quero sugerir algumas decisões: 

 Em primeiro lugar, coloque Deus acima das pessoas. 

- No mundo temos Deus, pessoas e coisas. Vivemos numa sociedade que se esquece de Deus, ama as coisas e usa as pessoas. 

- Devemos, porém, adorar a Deus, amar as pessoas e usar as coisas. 

- A família pós-moderna tem valorizado mais as coisas do que o relacionamento com Deus. 

- Vivemos numa sociedade que valoriza mais o ter do que o ser. Uma sociedade que se prostra diante de Mamom e se esquece do Deus vivo. 

 Em segundo lugar, coloque seu cônjuge acima de seus filhos. 

- O índice de divórcio cresce espantosamente no Brasil. 

- Enquanto os véus das noivas ficam cada vez mais longos, os casamentos ficam cada vez mais curtos. 

- Um dos grande erros que se comete é colocar os filhos acima do cônjuge. 

- Muitos casais transferem o sentimento que devem dedicar ao cônjuge para os filhos e isso, fragiliza a relação conjugal e ainda afeta profundamente a vida emocional dos filhos. 

- O maior presente que os pais podem dar aos filhos é amar seu cônjuge.

- Pais estruturados criam filhos saudáveis. 

 Em terceiro lugar, coloque seus filhos acima de seus amigos. 

- Muitos pais vivem ocupados demais, correm demais e dedicam tempo demais aos amigos e quase nenhum tempo aos filhos. 

- Alguns pais tentam compensar essa ausência com presentes. Mas, nossos filhos não precisam tanto de presentes, mas de presença. 

- Nenhum sucesso profissional ou financeiro compensa o fracasso do relacionamento com os filhos. 

- Nossos filhos são nosso maior tesouro. Eles são herança de Deus. 

- Equivocam-se os pais que pensam que a melhor coisa que podem fazer pelos filhos é deixar-lhes uma rica herança financeira. Muitas vezes, as riquezas materiais têm sido motivo de contendas na hora da distribuição da herança. 

- Nosso maior legado para os filhos é nosso exemplo, nossa amizade e nossa dedicação a eles, criando-os na disciplina e admoestação do Senhor. 

 Em quarto lugar, coloque os relacionamentos acima das coisas. 

- Vivemos numa ciranda imensa, correndo atrás de coisas. 

- Muitas pessoas acordam cedo e vão dormir tarde, comendo penosamente o pão de cada dia. 

- Pensam que se tiverem mais coisas serão mais felizes. 

- Sacrificam relacionamentos para granjearem coisas. Isso é uma grande tolice. 

- Pessoas valem mais do que coisas. Relacionamentos são mais importantes do que riquezas materiais. 

- É melhor ter uma casa pobre onde reina harmonia e paz do que viver num palacete onde predomina a intriga. 

 Em quinto lugar, coloque as coisas importantes acima das coisas urgentes. 

- Há uma grande tensão entre o urgente e o importante. Nem tudo o que é urgente é importante. 

- Não poucas vezes, sacrificamos no altar do urgente as coisas importantes. 

- Nosso relacionamento com Deus, com a família e a com a igreja são coisas importantes. 

- Relegar esses relacionamentos a um plano secundário para correr atrás de coisas passageiras é consumada tolice. 

- A Bíblia nos ensina a buscar em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça, sabendo que as demais coisas nos serão acrescentadas. 

Precisamos investir em nosso relacionamento com Deus e em nossos relacionamentos familiares, a fim de não naufragarmos nesse mar profundo da pós-modernidade!


AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes



+++++++++++
++++++++++
+++++++++
++++++++
+++++++