quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012



Como viver
sem máscaras




- O carnaval é a maior festa popular do Brasil, e talvez, do mundo. Nessa festa da extravagância e dos excessos, muitas pessoas saem às ruas usando máscaras.


- Algumas dessas pessoas escondem-se atrás das máscaras; outras se revelam por meio delas.


- Uma máscara é tudo aquilo que esconde ou encobre a nossa verdadeira identidade. É importante ressaltar que existem máscaras tangíveis e intangíveis; algumas cobrem o rosto; outras tentam disfarçar as atitudes da alma.

- De certo modo todos nós usamos máscaras. Aquele que diz que nunca usou uma máscara, possivelmente esteja acabando de afivelar uma no rosto, a máscara da mentira.


- O problema das máscaras é que elas proclamam uma mentira ou escondem uma verdade.


- Quando usamos máscaras, as pessoas passam a amar não quem nós somos, mas quem nós aparentamos ser.


- As máscaras também não são seguras. Por melhor que nós as afivelemos, elas podem cair nas horas mais impróprias e nos deixar em situação de total constrangimento.

Queremos mencionar aqui algumas máscaras usadas ainda hoje.

1. A máscara da piedade

- O apóstolo Paulo, ensinando sobre a doutrina da Nova Aliança, diz que podemos ser ousados em vez de agir como Moisés que pôs um véu sobre a face para que as pessoas não atentassem para a glória desvanecente em seu rosto.

- Quando Moisés subiu o Monte Sinai para receber as Tábuas da Lei, ao regressar, seu rosto brilhava. As pessoas não podiam olhar para ele. Então, ele colocou um véu em sua face para que as pessoas pudessem se aproximar e falar com ele. Mas houve um momento em que Moisés percebeu que a glória estava acabando. Ele não precisava mais do véu, porém, ele continuou com o véu, porque não queria que as pessoas soubessem que sua glória era desvanecente.

- Muitas vezes, somos parecidos com Moisés. Tentamos impressionar as pessoas com uma espiritualidade que não temos. Aparentamos ser mais crentes, mais piedosos do que na verdade somos.

2. A máscara da autoconfiança

- O apóstolo Pedro era um homem impulsivo. Falava para depois pensar.

- Quando Jesus declarou que seus discípulos iriam se escandalizar com ele e iriam se dispersar, Pedro não titubeou e foi logo dizendo que ainda que todos o abandonassem, ele jamais o faria.

- Disse ainda que estava pronto para ir com Jesus para a prisão ou até mesmo para a morte.

- Pedro julgou-se forte e até melhor do que seus pares. Porém, naquela mesma noite, Pedro fraquejou e dormiu quando Jesus pediu para ele vigiar.

- Pedro abandonou a Jesus e seus condiscípulos e infiltrou-se na roda dos escarnecedores.

- Pedro negou, jurou e praguejou, dizendo que não conhecia a Jesus. A máscara de sua autoconfiança caiu quando Jesus olhou para ele. Então, ele caiu em si e desatou a chorar.

3. A máscara do legalismo

- Um legalista é inflexível com as outras pessoas, mas condescendente consigo. Ele enxerga um cisco no olho de seu irmão, mas não vê uma trave no seu.

- O legalista preocupa-se mais com a forma do que com a essência. Cuida mais da aparência do que do interior.

- Os fariseus eram legalistas. Eles eram fiscais da vida alheia, mas descuidados com sua intimidade com Deus. Eram bonitos por fora, mas feios por dentro. Jesus os comparou a sepulcros caiados, limpos por fora, mas cheios de rapina por dentro.

- Os fariseus eram hipócritas. Eles eram atores que representavam no palco um papel diferente daquele desempenhado na vida real.

- A vida cristã é uma contínua remoção das máscaras.

- A Bíblia diz que onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade; não liberdade para fazer o que queremos, mas liberdade para vivermos na luz.

- Pela obra de Cristo e pela ação do Espírito, podemos viver sem máscaras, sendo transformados de glória em glória, até atingirmos a estatura de Cristo, o Varão Perfeito.



AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes





==================
=================
================
===============
==============
=============
============
===========
==========
=========
========
=======
======
=====
====
===
==
=


CORAGEM PARA
REPARAR ERROS


Texto Base: Gálatas 1:17b-24




- Há uma máxima que diz: “Errar é humano”, o que não deixa de ser uma grande verdade. A Bíblia diz que todos nós erramos, cometemos pecados.

- O salmista dez que a nossa natureza é pecaminosa.
Salmos 51:5 “Eis que em iniqüidade fui formado, e em pecado me concebeu minha mãe”.

- Paulo diz que todos pecamos.
Romanos 3:23 “Pois todos pecaram e carecem da glória de Deus”.
Romanos 5:12 “Portanto, assim como por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado, a morte, assim também a morte passou a todos os homens, porque todos pecaram”.

- João afirma que não podemos negarmos a nossa natureza pecaminosa.
1 João 1:8 “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós.”

- O que é estarrecedor, é que muitos de nós, não temos tido coragem para repara os erros.
Mateus 27:3-5 “Então, Judas, o que o traiu, vendo que Jesus fora condenado, tocado de remorso, devolveu as trinta moedas de prata aos principais sacerdotes e aos anciãos, dizendo: Pequei, traindo sangue inocente. Eles, porém, responderam: Que nos importa? Isso é contigo. Então, Judas, atirando para o santuário as moedas de prata, retirou-se e foi enforcar-se”

- A Bíblia nos diz que o Apostolo Paulo, após sua converção, foi para o deserto da Arábia.

- Não sabemos ao certo o que Paulo foi fazer na Arábia!

a) Alguns dizem que foi a Arábia para testemunhar da sua fé.

b) Outros dizem que Paulo foi para a Arábia, falar com Deus antes de falar aos homens.

- O importante não é o que Paulo foi fazer na Arábia,
- O mais importante é o que Paulo fez depois que deixou a Arábia.

I - Após deixar a Arábia, Paulo foi para Damasco.
Vs. 17c “mas parti para as regiões da Arábia e voltei, outra vez, para Damasco”.

- Onde havia levado a prisão mulheres e crianças.
Atos 9:1,2 ”E Saulo, respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor, dirigiu-se ao sumo sacerdote e pediu-lhe cartas para Damasco, para as sinagogas, a fim de que, se encontrasse alguns daquela seita, quer homens, quer mulheres, os conduzisse presos a Jerusalém”.

- Paulo teria que passar por Damasco, para reparar seus erros ali cometidos, e dar testemunho de sua fé.

- Paulo não teve vergonha, voltou a Damasco para pedir perdão às suas vitimas.

II - De Damasco Paulo foi para Jerusalém.
Vs. 18 “Depois, passados três anos, fui a Jerusalém para ver a Pedro e fiquei com ele quinze dias”.
- Ali Paulo encontrou alguns amigos, aos quais deveria falar de sua nova vida.
Vs. 23-24 “mas somente tinham ouvido dizer: Aquele que já nos perseguiu anuncia, agora, a fé que, antes, destruía. E glorificavam a Deus a respeito de mim”.

- Creio que em Jerusalem, Paulo foi a casa de Estevão, e vendo sua esposa, agora viúva, e seus filhos, pediu-lhes perdão, pelo que fizera a Estevão.
Atos 7:54-58 “E, ouvindo eles isto, enfureciam-se em seu coração e rangiam os dentes contra ele. Mas ele, estando cheio do Espírito Santo e fixando os olhos no céu, viu a glória de Deus e Jesus, que estava à direita de Deus, e disse: Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem, que está em pé à mão direita de Deus. Mas eles gritaram com grande voz, taparam os ouvidos e arremeteram unânimes contra ele. E, expulsando-o da cidade, o apedrejavam. E as testemunhas depuseram as suas vestes aos pés de um jovem chamado Saulo”.

III - De Jerusalém, Paulo foi a Síria e a Cilícia, onde ficava sua cidade natal, Tarsis.
Vs. 21 “Depois, fui para as partes da Síria e da Cilícia”.
- Ali estavam seus amigos de infância, todos judeus, ele cristão.

- Paulo voltou a Tarsis, sua cidade natal, porque precisava acertar as contas com o passado.

Conclusão:

- Precisamos reconhecer, que existem contas com o passado que ainda não foram acertadas.
1 João 1:8 “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós.”

- Precisamos pedir a Deus, que nos conceda o mesmo entendimento concedido a Paulo, a coragem para repararmos os nossos erros.

1João 1:9 “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”.




AUTOR: Por Antonio Jorge dos Santos





+++++++++++++++++++++
++++++++++++++++++++
+++++++++++++++++++
++++++++++++++++++
+++++++++++++++++
++++++++++++++++
+++++++++++++++++
++++++++++++++++++
+++++++++++++++++++
++++++++++++++++++++
+++++++++++++++++++++
++++++++++++++++++++++