sábado, 14 de janeiro de 2012



As dez virtudes
de uma mulher feliz

Referência: Provérbios 31.10-31





INTRODUÇÃO

1. A mulher foi criada à imagem e semelhança de Deus, para a glória de Deus e felicidade do homem.

- Ela é um presente de Deus, uma auxiliadora idônea para o homem, o centro dos seus afetos, a prioridade dos seus relacionamentos.
- Ela é a última a ser criada no universo, o mais belo poema de Deus, a coroa da criação!

2. Esse texto de Provérbios é um acróstico. Cada verso começa com uma letra do alfabeto Hebraico. É uma homenagem à mulher. Não poderia ter outro jeito mais sublime de concluir o livro de Provérbios. Esse texto nos fala sobre os dez atributos da mulher feliz.

I. ELA É PRECIOSA – V. 10

- Essa mulher vale mais do que ouro.

“A casa e os bens vêm como herança dos pais; mas do Senhor a esposa prudente” (Pv 19:14).

“O que acha uma esposa acha o bem, e alcançou a benevolência do Senhor” (Pv 18:22).

- Uma família pode ter riqueza, mas sem amor não há felicidade. Ninguém pode comprar o amor. O amor jamais está à venda.

- Essa mulher vale mais do que herança, mais do que riqueza, mais do que apartamento de luxo, mais do carro requintado. Mais do que bens materiais.
- Comete terrível engano pensar que um bom partido para o casamento é apenas alguém que tem dinheiro. O dinheiro é bom, mas não faz ninguém feliz, mas um casamento onde há amor traz felicidade.

II. ELA É CONFIÁVEL – V. 11

- Ela era fiel ao seu marido. Ele nunca teve motivos de desconfiança.

- Ela era transparente, honrada, de conduta irrepreensível.

- Ela podia dizer: “Eu sou do meu amado e o meu amado é meu”.

- Ela era um jardim fechado, uma fonte selada, uma esposa fiel.

- Não há coisa mais desastrosa do que a infidelidade conjugal. É uma punhadalada nas costas. A infidelidade abre feridas no coração. Hoje 75% dos homens e 63% das mulheres são infiéis aos seus cônjuges.

- Há muitos maridos quebrados e feridos pela infidelidade das esposas.
- Há muitas esposas machucadas pela infidelidade dos maridos.

- Ela é confiável também na área das finanças. Essa mulher é uma hábil administradora.

- Ela sabe ganhar, economizar e investir da melhor forma o dinheiro. A área financeira é uma das que mais provocam contendas no casamento.

- Hoje há vários perigos na área financeira:

1) Gastar mais do que se ganha;
2) Querer ter um padrão mais alto do que se pode;
3) Estar insatisfeito com o que se tem;
4) Pensar que a felicidade está nas coisas e não na atitude do coração;
5) Contrair dívidas;
6) Comprar a prazo;
7) Comprar coisas desnecessárias;
8) Gastar o dinheiro naquilo que não satisfaz.

III. ELA É ABENÇOADORA – V. 12

- Ela era um bálsamo, um refrigério na vida do marido.
- Ela era aliviadora de tensões. Uma amiga, uma confidente, uma auxiliadora idônea, uma consoladora.

- Ela era estável emocionalmente. Não era uma mulher de veneta, que numa semana era romântica e noutra ranzinza. Num dia carinhosa e noutro rabujenta.

- Ela era uma bênção na vida dele e não um peso.
- Ela era refrigério para o marido e não amargura para a sua alma.

Exemplo: Mary Todd Lincoln.

- Ela era uma alavanca na vida do marido – v. 23 – O sucesso do marido é devido à influência da sua mulher. Ao lado de um grande homem sempre tem uma grande mulher.

- Ela colocava o seu marido para frente. Empurrava-o para o progresso. Seu marido desfrutava de um bom conceito na cidade e no trabalho, graças à magnífica influência da esposa. Tem homem que nunca progride na vida porque a esposa só puxa para trás. Só sabe criticar o marido. Só sabe desencorajá-lo.

- O sucesso dessa mulher na vida profissional e familiar não é em detrimento da família – Essa mulher é elo de ligação da família.

- Ela como sábia construtura está edificando a sua casa. O marido e os filhos estão felizes. Nenhum sucesso profissional compensa o fracasso do seu casamento ou da sua família.

IV. ELA É TRABALHADORA

- Ela é boa dona de casa, é administradora hábil – v. 15 – Ela tinha servas (v. 15), mas estava envolvida com o bom andamento da casa.

- Ela controlava as atividades e a atmosfera do seu lar. É zelosa no cumprimento de seus deveres domésticos. É uma mulher presente no lar.

- Ela é administradora do lar. Ela gerencia o seu lar com sabedoria.
- Ela toma pé da situação.

- Ela não é relaxada – v. 27 –

- Sua casa anda em ordem.
- Sua casa não é uma marafunda, uma bagunça, uma anarquia.
- Sua casa anda na mais perfeita ordem. Pode chegar visita a qualquer hora que ela não fica corada de vergonha.

- Ela não come o pão da preguiça – 27 – Ficamos cansados só de alistar as atividades dessa mulher.

- Ela não era mulher de ficar dormindo o dia todo, batendo perna na rua o dia todo, visitando vitrine o dia todo. Talvez o problema da maioria das mulheres hoje não é a ociosidade, mas a correria.

- Como ter tantas atividades fora do lar e ainda cuidar do bom andamento da sua casa?

- Ela tem visão de negócios – Ela é adestrada na costura (v. 13), ela vai buscar alimento para sustento da casa (v. 14). Ela trabalha e tem lucro. Ela trabalha diuturnamente (v. 18-19). Ela produz (v. 24). Ela vende, comercializa, tem expediente, não é dependente, não é parasita.

V. ELA É PREVIDENTE – V. 21 E 25B

- Ela é organizada – v. 21 – Ela não deixa as coisas para a última hora. Ela tem um programa. Ela antecipa as coisas. Antes de chegar o inverno, ela já prepara para sua família as roupas próprias. Essa mulher tem uma agenda e ela sabe administrar bem o seu tempo. Ela tem tempo para Deus (v. 30); tempo para o marido (v. 12); tempo para os seus filhos (v. 28); tempo para o seu próximo (v. 20); e tempo para si mesma (v. 22). E tudo isso contribuiu para o bom andamento do seu lar.

- Ela não é ansiosa – v. 25b – Ela não vive choramingando. Não vive antecipando problemas, mas soluções. Não vive amedrontada pelo amanhã. Ela não deixa de viver hoje com medo do amanhã. A ansiedade vê o que não existe, aumenta o que existe e diminui você diante das dificuldades.

VI. ELA É GENEROSA – V. 20

- Ela tem o coração sensível e as mãos abertas – Ela não era uma mulher egoísta. Ela é sensível às necessidades dos outros. Ela é caridosa. Ela é ajudadora dos pobres. Seu dinheiro e seus bens não são apenas para ser acumulados, mas distribuídos com generosidade. Ela não se preocupa apenas com a sua família, mas com os que sofrem ao seu redor. Essa mulher não é sovina, mesquinha, avarenta. Exemplo: Minha mãe ao fazer compra de roupas e alimentos comprava para os pobres.

- Há muitas pessoas gostando grandes somas de dinheiro num vestido, numa bolsa, num sapato, num adorno – enquanto há pessoas famintas ao seu redor, precisando de comer um prato de arroz com feijão.

- Hoje gastamos mais com cosméticos e com futilidades do que com o Reino de Deus e com o próximo.

- Essa mulher cuida do marido, dos filhos, da casa, dos negócios e do próximo e faz tudo isso de bom grado (v. 13).

VII. ELA É ELEGANTE – V. 17, 22B

- Ela cuidava do seu corpo, fazia ginástica – v. 17 – Ela cuida do corpo. “Ela cinge os seus lombos de força, e fortalece os seus braços.” Ela cuida da sua saúde. Ela tem uma correta auto-estima. Ela se mantém em boa forma. Ela tem tempo para ela mesma para cuidar da sua saúde, da sua forma. Ela não é uma mulher relaxada com a sua apresentação pessoal. Ela não era uma mulher flácida, relaxada com o seu aspecto físico.

- Ela se veste com elegância – v. 22b – Ela tem amor próprio. Ela reconhece o seu próprio valor. Ela se preocupa com sua aparência pessoal, com sua apresentação. Ela tem bom gosto para se vestir. Sabe se apresentar em qualquer ambiente. Anda alinhada. Anda na moda. Veste-se com decência, com bom gosto.

- Mulher, cuide de sua aparência. Isso é importante para a sua auto-imagem e para a sua outro-imagem, o seu marido. Nenhum marido gosta de ter uma esposa relaxada com seu corpo e na sua forma de se vestir.

VIII. ELA É EDUCADORA – V. 26

- Ela é uma conselheira sábia – Ela olha para a vida na perspectiva de Deus. Ela enxerga pela ótica de Deus.

- Ela passa uma visão correta da vida para os seus filhos. Como precisamos de mães conselheiras.


Ilustração O GUARDA DAS FONTES de Peter Marshall.


- Ela é uma conselheira bondosa – A sua língua é uma fonte de bons conselhos, fala com ternura, com graça; não há rancor, não há insensatez nas suas palavras. É prudente e bondosa no falar. Fala a verdade em amor. É mãe conselheira.

Exemplo: Abraão Lincoln “As mãos que embalam o berço, governam o mundo”. “Quem tem uma mãe piedosa, nunca é pobre”.

- Ela tem tempo para os filhos e sabe ouvir os filhos – Precisamos priorizar os filhos. Precisamos ouvi-los sem censura, sem crítica. Precisamos manter o canal de comunicação aberto. Precisamos fazer do nosso lugar um lugar de cura, de apoio, de ajuda.

Ilustração: NÃO SE ESQUEÇA DO PRINCIPAL – A mulher que ouviu a voz misteriosa na caverna: Entre a apanhe tudo que puder, mas não se esqueça do principal.

- Ela não provocava seus filhos à ira – Ela sabia dosar correção com encorajamento. Há mães que só cobram. Os filhos nunca conseguem satisfazer suas exigências. Se tira 9,0 na prova de matemática, diz: “deveria ter tirado dez”. Há mães que esvaziam a bola dos filhos.

IX. ELA É PIEDOSA – V. 25 a 30

- É uma mulher de vida moral irrepreensível – v. 25 – Força e dignidade são os seus atavios. É uma mulher de fibra, que tem raça, determinação. Ela tem um nome honrado, uma conduta digna, uma vida limpa, um comportamento irrepreensível.

- Ela reconhece que sua maior beleza não é física, mas espiritual – v. 30 – Mulher que só pensa em academia, em ginástica, em butique, em salão de cabeleireiro, em cosméticos, em jóias, em roupas caras, em aparência é mulher fútil, superficial, vazia, oca. 1 Ped 3:3-5 fala que a beleza da mulher deve ser um espírito manso e tranquilo. A beleza interna deve ser maior do que a beleza externa.

- A maior glória desta mulher é andar com Deus – É temer a Deus. É levar Deus a sério. É ser serva. É andar em sintonia com o Senhor. A beleza passa, mas o temor do Senhor permanece para sempre.

X. ELA É ELOGIADA – 28-31

- Ela é elogiada pelo marido – v. 28-29 – Ela investe no marido e tem retorno garantido. Seu marido a considera a melhor mulher do mundo. Ela é superlativa. Ele prodigaliza os mais efusivos elogios a ela. Ele a admira. Ele proclama para seus amigos a bênção superlativa que é a sua esposa na sua vida. Essa mulher é bem amada. Essa mulher tem o coração do seu marido.

- Ela é elogiada pelos filhos – v. 28 – Ela não tem preferência por um filho em prejuízo de outro (Rebeca). TODOS os seus filhos a chamam de ditosa, de uma mulher feliz. Todos reconhecem que ela está colhendo o que semeou: a felicidade! Seus filhos podem dizer que você, mãe, é uma mulher feliz? Seus filhos, podem dizer que você é uma mulher bem amada?

- Ela é elogiada pelas suas obras – v. 31 – Quem semeia bondade, quem planta a generosidade, quem cultiva a virtude; quem investe a vida para fazer a vontade de Deus, colhe os frutos doces da alegria, da felicidade, e da gratidão.

- Ela é elogiada por Deus – v. 30 – Deus a exalta, a promove. Essa mulher tem reconhecimento não apenas na terra, mas também no céu.

CONCLUSÃO

- Esta mulher tem tempo para Deus, para o marido, para os filhos, para os necessitados, para si mesma. Sua vida é vivida no centro da vontade de Deus. Por isso Deus a chama de preciosa. Seus filhos a cham de ditosa, feliz. Seu marido diz que ela é a melhor mulher do mundo. Suas obras a louvam de público.

- Querida irmã, você gostaria de imitar essa mulher como mulher, serva de Deus, esposa e mãe?

- Victor Hugo, o mais famoso poeta romântico da França, que viveu no século XIX compôs um dos mais belos poemas sobre a grandeza da mulher:

O HOMEM E A MULHER

O homem é a mais elevada das criaturas

A mulher é o mais sublime dos ideais.

Deus fez para o homem um trono, para a mulher um altar.

O trono exalta, o altar santifica.

O homem é o cérebro, a mulher o coração.

O cérebro produz a luz, o coração produz o amor.

A luz fecunda, o amor ressuscita.

O homem é gênio, a mulher é o anjo.

O gênio é imensurável, a mulher é indefinível.

A aspiração do homem é a suprema glória,

A aspiração da mulher é a virtude extrema.

A glória promove a grandeza, a virtude conduz à divindade.

O homem tem a supremacia, a mulher a preferência.

A supremacia significa a força, a preferência representa o direito.

O homem é forte pela razão, a mulher invencível pelas lágrimas.

A razão convence, as lágrimas comovem.

O homem é capaz de todos os heroísmos, a mulher, de todos os martírios.

O heroísmo nobilita, o martírio sublima.

O homem é o código, a mulher o evangelho.

O homem é a águia que voa, a mulher o rouxinol que canta.

Voar é dominar o espaço, cantar é conquistar a alma.

O homem tem um fanal, a consciência;

A mulher tem uma estrela, a esperança.

O fanal guia, a esperança salva.

Enfim, o homem está colocado onde termina a terra.

E a mulher, onde começa o céu.





AUTOR: Rev.Hernandes Dias Lopes






+++++++++++++++++++++
++++++++++++++++++++
+++++++++++++++++++
++++++++++++++++++
+++++++++++++++++
++++++++++++++++
+++++++++++++++
++++++++++++++


Olhando para Jesus:
O autor e consumador
da nossa fé

Hebreus 12: 1,2




1) Introdução

- Hebreus 12 é um importante capítulo do NT, pois nele os cristãos são desafiados a correr, e avançar em realizar a vontade de Deus, sem desanimar. Neste capitulo, o autor usa a figura de uma corrida, onde temos a meta de chegar até o fim.

- É neste capitulo que o autor nos lembra do exemplo de Jesus que cumpriu sua missão enfrentando muitas dificuldades.

1) Nos versos iniciais do capitulo 12, aprendemos algumas profundas lições:


1.1 Na vida cristã temos uma meta

Em I cor. 9:26 o apostolo Paulo diz: “Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo golpes no ar…”.

- A vida cristã é uma corrida para alcançar um alvo que temos pela frente. Aprendemos aqui em hebreus, que nós cristãos não andamos sem rumo, mas ao contrario somos como viajantes que percorrem a estrada principal, que correm com perseverança a carreira proposta.

- Nem o próprio Deus trabalha sem uma meta ou objetivo. Tudo que Ele faz tem uma meta.

- Não somos como turistas que retornam ao ponto de partida, mas como peregrinos que estão sempre em direção a um objetivo. Hebreus 12 nos revela que nossa meta é nada menos que o próprio Cristo. Assim procuramos ser semelhantes a Ele e ter sua presença em nós.

- Se estamos em direção a um ponto de chegada, é bom que perguntemos: Estou tendo algum progresso? Estou avançando em minha vida espiritual? Estou vendo resultados? Se tenho uma meta, estou chegando cada vez mais perto dela?

Alguém já disse que “…para você tirar o máximo partido da sua vida, transforme os alvos de Deus nos seus alvos.”

1.2 Na vida cristã temos uma inspiração.

No verso 1 hebreus nos revela: “….temos essa grande nuvem de testemunhas ao nosso redor….”.

- Temos aqui o pensamento da nuvem invisível de testemunhas. Neste contexto elas são testemunhas num duplo sentido: são os que deram testemunho de sua fé em Cristo e agora são testemunhas que assistem o cumprimento do nosso dever.

- Mas quem são estas testemunhas? No capitulo 11 Hebreus nos apresenta uma relação de heróis e heroínas que venceram a corrida. Eles fazem parte da história do povo de Israel. Hebreus nos lembra de pessoas como Abel, Enoque, Noé, Abraão, José, Moisés, Raabe, e tantos outros. O detalhe comum a todos é que Eles venceram porque creram. O verso 39 do capitulo 11 diz na versão linguagem de Hoje: “porque creram, todas estas pessoas foram aprovadas por Deus….”.

- Ao imaginarmos este quadro de testemunhas que nos observam, podemos compará-lo a situação de um atleta que esta correndo num estádio lotado de gente. Quando ele acelera a marcha a multidão o olha. Mas, o detalhe interessante desta cena é que a multidão que o observa corresponde àqueles que já ganharam antes esta corrida. Assim somos observamos por testemunhas que já ganharam antes esta mesma corrida em que nos encontramos.

- Agora pense comigo. Um ator agiria com muito mais intensidade se soubesse que algum famoso está sentado nas poltronas, observando-o. Um atleta se esforçaria duplamente se soubesse que é observado por uma famosa equipe de atletas olímpicos.

- Do mesmo modo, Hebreus nos mostra nestes versos, que nós também estamos correndo diante de uma plateia que nós observa atentamente. Nesta plateia, estão todos os grandes heróis da fé do Antigo testamento. No capitulo 11 de hebreus, observamos que todos eles foram vencedores quando estavam correndo para cumprir suas carreiras e agora eles nos assistem. Portanto, estamos correndo diante de uma plateia de vencedores, e eles torcem para que nós também vençamos.

- Se esforce meu irmão para realizar a vontade do Senhor, pois há uma plateia de vencedores que torce por seu sucesso. E assim como eles venceram em ser fieis ao Senhor, eu e você também venceremos.

1.3 Na vida cristã temos obstáculos a transpor

- Hebreus nos mostra que além de estarmos rodeados por toda uma plateia de vencedores, também estamos rodeados pelo obstáculos dos nossos próprios pecados.

- Ninguém pode alcançar o sucesso quando se sente preso a algo muito pesado. Ninguém tentaria escalar o Everest com um fardo extremamente pesado.

- Assim irmãos, o supérfluo e desnecessário que poderia nos atrapalhar na realização da vontade de Deus deve ser deixado de lado. Cada indivíduo deve decidir o que é supérfluo. E quanto ao pecado, deve ser deixado de lado imediatamente após reconhecido, pois nos impede de prosseguir e crescer.

Ilustração

- Há uma historia interessante de um homem que caminhava vacilante pela estrada, levando uma pedra numa mão e um tijolo na outra. Nas costas carregava um saco de terra; em volta do peito trazia vinhas penduradas. Sobre a cabeça equilibrava uma abóbora pesada.

- No caminho encontrou um passante que lhe perguntou:

– Viajante, por que carrega essa pedra tão grande?

– É estranho, respondeu o viajante, mas eu nunca tinha realmente notado que a carregava. Então, ele jogou a pedra fora e se sentiu muito melhor.


Em seguida veio outro transeunte que lhe perguntou:

– Diga-me, cansado viajante, por que carrega essa abóbora tão pesada?

– Estou contente que me tenha feito essa pergunta, disse o viajante, porque eu não tinha percebido o que estava fazendo comigo mesmo. Então ele jogou a abóbora fora e continuou seu caminho com passos muito mais leves. Um por um, os transeuntes foram avisando-o a respeito de suas cargas desnecessárias. E ele foi abandonando uma a uma. Por fim, tornou-se um homem livre e caminhou como tal.

- Qual era na verdade o problema dele? A pedra e a abóbora? Não! Era a falta de consciência da existência delas. Uma vez que as viu como cargas desnecessárias, livrou-se delas bem depressa e já não se sentia mais tão cansado. Esse é o problema de muitas pessoas. Elas estão carregando cargas sem perceber. Não é de se estranhar que estejam tão cansadas!

- Na vida cristã é um dever essencial descartar coisas que não servem para Deus: hábitos, prazeres, confissões e associações que nos arrastam para trás ou nos atiram para baixo. Assim, devemos abandonar tudo aquilo que nos retém e freqüentemente necessitaremos a ajuda de Cristo para poder fazê-lo. Peça ao Senhor: “Pai, me ajude a deixar tudo aquilo que tem me impedido de avançar”.

1.4 Na vida cristã temos um importante meio para avançar

- Este meio é a perseverança firme. O texto diz: “…corramos com perseverança…”. Trata-se da palavra grega hypomone. Esta palavra se refere a uma persistência que domina as coisas, que nos faz marchar sempre adiante com firmeza recusando desviar-se. Os obstáculos não nos intimidam, as demoras não nos deprimem; os desalentos não nos tiram a esperança. É a firme persistência que nos impede de retroceder até obter o triunfo.

2) Hebreus 12:1,2 nos mostra que temos alvos a alcançar, obstáculos a vencer e somos inspirados a não desanimar e sempre agir com perseverança. Mas há uma condição para que sejamos bem sucedidos: olhar para Cristo.

- Vejamos isto em Hebreus 12:2,3: “…olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. 3 Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma.”

- A expressão “olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé” deve ser compreendida como a atitude que nos leva a tirar a nossa visão da tribulação e do pecado, e fixa-lo em Cristo.

- Na vida espiritual vale a lei: quando miramos em algo, este algo ganha poder sobre nós. Quando nos deixamos aprisionar pelas preocupações e dificuldades do cotidiano, nossa vida de fé perderá a alegria. O olhar para as ondas fez com que Pedro desanimasse e afundasse (Mt 14.30).

- Levantar os olhos para Jesus significa contar com a realidade do Deus invisível, olhar para o Invisível. Todos os membros da igreja de Jesus vivem da força do Cristo presente. O Espírito Santo quer nos conscientizar em cada tribulação e em cada provação da fé, de que Jesus Cristo vive pessoalmente em nós.

- Lembremos do que diz Mateus 17:8: “a ninguém viram, senão Jesus”.
3) Assim, Jesus fez de si mesmo um grande exemplo a seguir. Avançando para os versos 2 e 3, encontramos os motivos pelos quais devemos olhar para Cristo:

3.1 Ele é a origem e o meio de crescimento da nossa fé. “…autor e consumador da nossa fé…”

- Ele é o autor da nossa fé. Dele vem a nossa fé. Em efésios 2:8,9 aprendemos: “…Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.”

- Jesus também é o Consumador da nossa fé. Ele mesmo se empenha em nosso crescimento e aperfeiçoamento. Paulo nos lembra em colossenses 2:10: “Também, nele, estais aperfeiçoados.”

- Deus não deixará pela metade a obra graciosa que começou. O apostolo Paulo ainda declara: “Estou plenamente certo de que aquele que começou boa obra em vós há de completá-la até ao Dia de Cristo Jesus” (Fp 1.6).

3.2 Devemos olhar para Cristo porque com Ele nos dá o exemplo de como suportar lutas e tribulações.

- Hebreus 12:2 diz: “….o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz…”.

- O sentido deste verso é que Jesus suportou a cruz em lugar da alegria que estava diante dele. Ele poderia ter permanecido junto do Pai na glória. O mundo da paz eterna e da alegria inexprimível era seu ambiente de vida. Mas Jesus abriu mão de tudo para a nossa remissão. Ele abandonou a existência na glória, tornou-se pessoa e morreu na cruz.

- Assim, Jesus nos dá o exemplo. Ele suportou a oposição e a resistência de um mundo ímpio. Não se desviou das dificuldades, mas as venceu. Sua trajetória também se torna o caminho da sua igreja.

- Mediante o exemplo de Jesus, pergunto: Como temos lidado com as dificuldades? Qual é a nossa reação? Murmuramos? Somos negativos? Tiramos boas lições de vida?

- A Bíblia diz em romanos 5:3 que a "tribulação produz a perseverança." De acordo com um comentador da Bíblia, a palavra que é traduzida por perseverança ou paciência quer dizer "firmeza, ou a capacidade de manter-se firme sob as dificuldades."

- Assim meu amado, não murmuremos diante das lutas espirituais. Nossas lutas desenvolverão em nós a firmeza que necessitamos para prosseguir e vencer as adversidades.

4) Conclusão

- Olhar para Cristo é o único modo de nos mantermos espiritualmente firmes. Tenho visto muitos cristãos esfriarem e até desistirem da vida cristã quando passam a desviar o seu olhar de Cristo.

- Podemos encontrar por aí muitos crentes desanimados por estarem olhando para fraquezas de irmãos, problemas nas igrejas, e falhas de seus lideres.

- Estamos vivendo numa época, onde muitos cristãos começam a perder sua identidade, pois não são mais luz do mundo. Muitos estão se perdendo na religiosidade e tradições.

- Se queremos como Paulo, “combater o bom combate, acabar a carreira e guardar a fé…”, permaneçamos firmes em olhar para Cristo.







AUTOR: Pr Josias Moura






===================
====================
======================
=======================
========================