sexta-feira, 31 de agosto de 2012

ESPERANÇA PARA 
OS PAIS FERIDOS 

Lucas 15.11-31 

 “Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado. E começaram a festejar o seu regresso.”- Lc 15.24 

 • INTRODUÇÃO 

 Parabéns igreja pelos nossos pais! 
Parabéns pais pelo seu dia! 

 Existem muitos filhos feridos, sabemos disto. Também há muitos pais feridos. 

 • Feridos pelas circunstâncias, 
• Feridos pela vida, 
• Feridos pelas suas escolhas e decisões erradas, 
• Feridos pelos seus pecados, 
• Feridos pela sua falta de dependência de Deus e tirania da gerência em transformar pedra em pão, 
• Feridos pela falta de oração, 
• Feridos pela família. E como hoje celebramos o dia dos pais, nós vamos destacar os que estão feridos pelos filhos. 

- Desejo ser instrumento de cura aos pais, instrução e correção aos filhos. E você pai, como vai? 

-  Vamos ler juntos mais uma vez esta história fabulosa que Jesus nos ensinou: Lucas 15.11-31. 

-  A linda história contada por Jesus sobre o Filho Pródigo é mais do que uma lição acerca do amor de Deus. Ela também ilustra alguns princípios poderosos para a paternidade. 

Nós vemos três estágios neste conflito pai e filho. 

 - Por que filhos de pais crentes se desviam? Eu não sei a resposta a esta pergunta. Penso que há provavelmente muitas. 

- Através de toda a Bíblia muitos pais crentes tiveram filhos que degringolaram. 

- Adão, Noé, Samuel, Eli, Daniel, Davi... Muitos deles tiveram filhos que se desencaminharam. Eu não sei o por quê. 

- Mas hoje eu quero examinar a passagem das Escrituras que mostra não o porquê eles se desviam, mas o que fazer quando seus filhos se rebelarem. 

 - Há três estágios em uma rebeldia típica de um filho ou filha, quando a história termina bem: 

 • Estágio 1: Rebelião 
 • Estágio 2: Reavaliação 
 • Estágio 3: Retorno (Esperançosamente) 

- Nós vemos todos esses três estágios na história do filho pródigo. 

Lucas 15.11-12 "Disse-lhes mais: Certo homem tinha dois filhos. O mais moço deles disse ao pai: Pai dá-me a parte dos bens que me toca. Repartiu-lhes, pois, os seus haveres." 

 I. VEJA O PRIMEIRO ESTÁGIO: A REBELIÃO - v. 12 

- Em todo relacionamento pais-filhos há uma luta pelo poder. 

- Desde o primeiro dia a questão é QUEM está no controle? Quando eles são recém-nascidos, os pais estão 100% no controle, mas na medida em que eles crescem, o controle se transfere para a criança. 

- As crianças querem o controle mais rápido do que os pais desejam dar-lhes. 

-  Verso 12 é a confrontação clássica: "Pai, dá-me a parte dos bens que me toca." 

-  Se apenas eu pudesse fazer como desejo, ser meu próprio chefe, não dar satisfação a ninguém, a vida seria muito boa. Eu não aguento mais a vida da fazenda, estou a fim de decolar! Não sabemos a idade dele, talvez 17 ou 18 anos. 

- Mas no verso 13 vemos: "Poucos dias depois, o filho mais moço, ajuntando tudo, partiu para um país distante, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente." 

- Ele se foi para o bairro dos ricos em Jerusalém! 
-  Ele ficava passeando para cima e para baixo na avenida com o seu “camelo” do ano. E vivia festejando. 
- Ele se divertia fazendo todas as coisas que sempre quis fazer. 

-  Hoje as crianças não têm que sair de casa para abandonar o lar. 
- Elas têm uma coisa chamada quarto, internet, carro, mesada, amigos. 
- Elas podem ter vidas completamente diferentes. O que fazer quando seus filhos são velhos o suficiente, você não os pode controlar mais e eles dizem: "Estou saindo fora! Eu vou cuidar da minha vida! Eu quero metade da minha herança! Eu vou sair de casa!"? 

 Você precisar deixá-los tomar três decisões: 

 1. VOCÊ OS DEIXA IR - v.13 A Bíblia diz: "partiu para uma terra distante..." 

- Observe que o pai não saiu correndo atrás dele. Ele o liberou. 

- Desde o seu nascimento, nós estamos preparando os nossos filhos para saírem do lar. Provavelmente a coisa mais difícil na paternidade é saber: Quando segurar e quando deixar ir. 

-  Quando é que você deve deixá-los ir? Se o seu filho de 18 anos chega para você e diz: "Eu quero metade da herança. Eu irei desperdiçá-la." Você daria? De jeito nenhum! 

-  É interessante para mim que dinheiro é uma das maneiras pelas quais tentamos segurar os nossos filhos. Provavelmente pareceu tolice para o seu pai e ele, sem dúvida, tentou dissuadi-lo de sua decisão, mas o rapaz estava determinado a partir. 
- Quanto mais apertado os seguramos, mas eles resistem e um dia eles vão explodir. Você tem que deixá-los ir. 

 2. VOCÊ OS DEIXA COMETER SEUS PRÓPRIOS ERROS 

- v. 13 "E ali desperdiçou os seus bens vivendo dissolutamente." 

- No princípio tudo é magnífico. Tudo é festa. Isto é muito difícil para os pais tementes a Deus. Talvez hoje seu sofrimento seja exatamente por isto. 

-  Ele experimenta tudo que era proibido em seu lar. 
- Ele joga fora os sistemas de valores dos seus pais e rejeita completamente a sua tradição. 
- Ele desperdiça a sua vida. Rebelião é sempre um desperdício. 

 - Você acha que o pai sabia que ele iria desperdiçar todo aquele dinheiro? Sem dúvida! 

 - Você acha que o filho dele estava se metendo em encrenca? Claro que sim. 

 - Você acha que o pai foi tentado a mandar cartas para o filho a fim de aconselhá-lo? Sim, ele foi. 

 - Mas o pai entendeu que havia algumas coisas que só aprendemos por meio da dor. O filho era cabeça dura. 

 - Ele teria que se matricular na “Escola das Cabeçadas”. Era arriscado. Mas era a única maneira pela qual aquele jovem aprenderia a lição. 

 "Os castigos curam a maldade da gente e melhoram o nosso caráter." Pv 20.30 - NBLH 

-  Quantos de vocês concordam com este verso? 
- Quantos de vocês são prova viva da veracidade deste verso? 

-  Certa vez um pai disse: "Se eu tivesse que fazer tudo de novo, eu faria menos por meus filhos e os levaria a fazer mais por eles mesmos." 

-  Se todas às vezes eu assumo aquilo que é responsabilidade dos meus filhos, estou tirando a responsabilidade deles. Eventualmente eles se rebelarão. 

 3. VOCÊ OS DEIXA COLHER AS CONSEQUÊNCIAS DE SUAS ESCOLHAS 

- v. 14 "E, havendo ele gastado tudo... começou a passar necessidades." 

- Há sempre um preço para a rebeldia. A DESOBEDIÊNCIA MACHUCA! 

-  A Bíblia diz que tudo o que semearmos, nós colheremos. 

-  No verso 14-16 diz: "E, havendo dissipado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a passar necessidades. Então foi encostar-se a um dos cidadãos daquele país, o qual o mandou para os seus campos a apascentar porcos. E desejava encher o estômago com a alfarrobas que os porcos comiam; e ninguém lhe dava nada.” 

-  Ele bateu no fundo do poço. Tempos difíceis. A festa acabou. 
- Ele está falido e sem amigos. Bolsos vazios, vida vazia, estômago vazio. 

-  Muitas vezes temos uma visão muito romântica da vida. Nos filmes e nos livros existe uma realidade dos autores, na vida real é bem diferente. 

-  Há momentos em que os filhos pensam que só os pais estão errados. Só ele, o mundo e os amigos estão certos! C

- omo você acha que os pais dele se sentiram? Eles provavelmente sentiram pena: "Meu filho está sofrendo. Eu não posso vê-lo fazendo isso. Ele está ferindo a si mesmo." Eles provavelmente se sentiram envergonhados. 

- Você não pode se humilhar mais do que dar lavagem para os porcos se você é um judeu ortodoxo. Isto faz você ser imundo, rejeitado, marginalizado pela sociedade. Cada vez que eles ouviam o que estava acontecendo na vida do moço fazia com que eles desejassem a morte. Era como se uma faca atravessasse os seus corações. "Meu filho está fazendo isso?" Eles estavam envergonhados e provavelmente sentiam uma autocondenação, "o que foi que fizemos de errado?" O fato é que todos nós cometemos erros como nossos pais, mas você não é a única influência na vida dos seus filhos. 

-  AFIRME SEMPRE SUA PRESENÇA E AMOR! 
-  Acorde para o fato de que seus filhos fazem suas próprias escolhas. 

 1. Eles têm amigos que você não tem controle sobre eles, 
 2. Eles lêem livros que você não controla, 
 3. Eles ouvem professores sobre os quais você não tem nenhum controle. 
 4. Eles escolhem seu lazer. Não é justo carregar toda a culpa sobre você mesmo! Não é somente sua falta! Filhos tomam decisões. Você toma decisões. 

-  Você sabe que não foi culpa dos seus pais por todas as coisas que você já passou na vida, não é mesmo? 

- Nós colocamos muitas falsas culpas em nossas próprias vidas. 

- A responsabilidade dos pais termina onde o controle dos pais termina. 

-  Se você não controla os seus filhos, você não é responsável por suas ações. 
-  Se eles saíram de casa, você não é mais responsável. Deus entende isso. Mesmo que você seja um pai perfeito, muitos filhos ainda se rebelam. 

-  Hei, olhe para cá, deixa eu lhe dizer uma coisa: DEUS É UM PAI PERFEITO! MAS ELE TEM FILHOS REBELDES E IMPERFEITOS. 

-  E a culpa é de quem? De Deus? Claro que não! A RESPONSABILIDADE É DOS FILHOS QUE DECIDIRAM SE REBELAR! 

 Você não pode se sentir culpado acerca de alguma coisa sobre a qual você não tem controle. 

 Revendo: 
estágio 1 - Você deixa eles irem, deixa eles cometerem seus próprios erros, deixa que eles colham as consequências de suas próprias escolhas. Isto é difícil fazer, mas para alguns filhos é a única maneira através da qual eles irão aprender. A grande tentação quando eles atingem o fundo do poço é intervir, pagar a fiança, enviar um pacote de socorro, mandar dinheiro, tomar um avião e ir vê-los. Mas este pai sabia que a natureza tinha uma maneira de disciplinar nossos filhos na qual nunca seremos capazes de discipliná-los. Não interrompa as consequências naturais das escolhas que os seus filhos fazem. Se eles fazem uma escolha e batem no fundo do poço vão precisar colher o resultado daquela escolha. Esta é a maneira como aprendemos. Porque o pai não interveio, o filho passou para o segundo estágio. 

 II. VEJA O SEGUNDO ESTÁGIO: A REAVALIAÇÃO 

- vs. 17-19 "Caindo em si, disse: Quantos empregados de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, irei ter com meu pai e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e diante de ti. Já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados." 

- Veja a mudança de atitude. Ele diz: "Dá-me" quando vai embora. Ao voltar ele diz: "Faz-me". O que mudou? Tudo se resume a uma diferença em atitude. Sua atitude é de humildade, submissão. Ele atravessa um estágio de reavaliação. Ele começa a refletir e encara os fatos. "O que estou fazendo? Eu tenho feito uma bagunça em minha vida. Estou aqui alimentando porcos. Eu tenho perdido todo o meu dinheiro, toda a minha comida, todos os meus amigos, tudo!" Ele cai em si mesmo. Ele acordou para o fato de que a sua vida estava uma bagunça. Então ele teve remorso. "Eu estou aqui num chiqueiro. Este lugar fede. Até mesmo os empregados de meu pai têm uma vida melhor do que a que eu tenho aqui." 

- Nós nunca mudaremos até que nos desesperemos. Alguns dos seus filhos ainda não se desesperaram. Eles terão que bater no fundo do poço primeiro. Muitos deles. 

-  Para alguns filhos, não precisa muito para eles aprenderem. Alguns têm que receber uma pancada na cabeça! Alguns de vocês têm que receber uma pancada na cabeça antes que caiam em si mesmos! 

- Há uma reavaliação, um remorso e arrependimento. Ele diz: "Vou voltar para casa." Não para uma mudança de roupas, mas para uma mudança de coração. Ele parte dizendo "dá-me" e volta para casa dizendo "faz-me". 

 - O que você faz neste estágio? 
 Enquanto você espera por uma reavaliação tome três decisões: 

 1. ORE POR SEUS FILHOS. Ore por seus filhos. Ore e ore. Nunca pare de orar. Nossos filhos estão debaixo do ataque do diabo. 

 2. ENTREGUE SEUS FILHOS PARA DEUS. É confortante para mim como pai saber que as coisas que estão fora de meu controle nunca estão fora do controle de Deus. 

 3. ESPERE PACIENTEMENTE PELO RETORNO. Espere e espere... Algumas vezes isso leva tempo. Mas há sempre um período de espera. 

- Muitos de nós estamos agora no período de espera. Algumas vezes leva mais tempo para alguns do que para outros. Mas não abrevie a disciplina natural de Deus. 

 ESPERE POR RETORNO, ARREPENDIMENTO e MUDANÇA! 

-  Eu não estou falando de uma criança que está na escola primária, mas de um adolescente ou jovem que está se rebelando e dizendo: "estou saindo fora daqui." Você ora, entrega, espera! Porque este pai, que na história representa Deus, Ele é o pai perfeito faz da maneira certa, o filho passou para o estágio três. 

 III. TERCEIRO ESTÁGIO: O RETORNO 

- v. 20 "Levantou-se, pois, e foi para seu pai. Estando ele ainda longe, seu pai o viu, encheu-se de compaixão e, correndo, lançou-se seu ao pescoço e o beijou." 

- A maneira como você lida com o retorno do seu filho é absolutamente crucial. Lembre-se de que este é o pai ideal e ele fez três coisas. Idealmente estas são as três coisas que você precisa fazer quando seu filho cai em si. 

- Aqui é onde está nossa maior ESPERANÇA, não importa quão distante ele esteja desta volta. Creia, é possível. 

 E quando ele retornar... 

 1. AME SEU FILHO FIELMENTE - v. 20ª. 

 O texto diz: "Seu pai o viu, encheu-se de compaixão."  

- Não importa quão longe eles tenham ido, não importa o tempo que você tenha esperado, a porta é deixada aberta para a reconciliação. Você os ama fielmente. É um amor obstinado que nunca desistirá. Nós não gostamos dessas coisas, mas elas estão fora do nosso controle. 

- Você deve estar preparado para quando eles acordarem. Esteja pronto para amá-los fielmente. 

MANTENHA SEU CORAÇÃO ABERTO PARA RECEBER, PERDOAR E AMAR. 

 2. ACEITE SEU FILHO INCONDICIONALMENTE 

- v. 20b "E correndo, lançou-se ao seu pescoço e o beijou." 

-  Este é um quadro de aceitação que nos sensibiliza. Braços abertos. Ele não esperou que seu filho caminhasse todo o caminho até chegar a casa. Quando ele viu o filho ainda longe saiu correndo ao seu encontro. Observe que ele não estabeleceu nenhuma condição para amar. 

-  Ele não disse: "Vá, tome um banho, corte o cabelo e então eu vou abraçá-lo." De onde este jovem estava vindo? Do chiqueiro. 

- Ele provavelmente se levantou e saiu de toda aquela lama que estava por todo o seu corpo, impregnada em seu cabelo. 

- Ele caminha para casa por vários dias atravessando o deserto. 

- Ele não tem tomado nenhum banho. 

- Ele está cheio de placas de lama! Seu pai sai correndo e o abraça com um abraço bem apertado! Amor incondicional. Que quadro tocante! 

-  A melhor linguagem do amor é sempre física. Pais toquem seus filhos. Abrace-os, dê tapinhas nas costas deles, beije-os. Mostre afeto físico por sua família. Isto é o que o Pai Celestial faz. 

-  Quando seus filhos sabem que eles são aceitos incondicionalmente, isso faz com que eles possam admitir seus erros muito mais facilmente. Aceitação faz a confissão muito mais fácil. Eles já sabem que são aceitos. 

 Veja a confissão do filho no verso 21: 
"Pai, pequei contra os céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados." 

- Você torna mais fácil a admissão do erro pelos seus filhos? Na história, o pai representa Deus. Ele é o pai perfeito. Ele não precisa confessar, mas geralmente quando os filhos voltam para casa depois de um tempo de rebelião, há uma necessidade mútua de confissão. Eu tenho feito algumas coisas erradas. Você tem feito algumas coisas erradas. É preciso haver uma reconciliação entre os pais e os filhos. "Eu não tenho sido o pai/ mãe que desejo ser e que Deus quer que seu seja." Há uma confissão mútua e uma reconciliação. Você os ama incondicionalmente com amor obstinado e você os aceita incondicionalmente. 

OU VOCÊ AMA SEU FILHO INCONDICIONALMENTE OU VOCÊ VAI PERDÊ-LO COMPLETAMENTE! 

 3. PERDOE SEU FILHO COMPLETAMENTE 

- v. 22-24 Se ou quando eles voltarem para casa, você os perdoa completamente. "Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, e vesti-lha, e ponde-lhe um anel no dedo e alparcas nos pés; trazei também o bezerro cevado e matai-o; comamos e regozijemo-nos, porque esse meu filho estava morto, e reviveu; tinha-se perdido e foi achado. E começaram a regozijar-se." O pai não disse: "Eu te disse. Eu sabia que isso iria acontecer. Eu sabia que você desperdiçaria a sua vida!" Quando o filho voltou para casa, a esta altura, a última coisa que aquele jovem precisava era de um sermão. Ele já tinha tido seu sermão. A vida ensinou a ele o sermão. A escola da dureza tinha ensinado-lhe um sermão. Ao invés de ficar remoendo o problema, o pai deu a ele uma segunda chance. É isto o que temos que fazer. Perdoá-los completamente. Dar-lhes uma segunda chance. Veja só o tom do sermão que aguardava o filho: "Trazei depressa a melhor roupa." A roupa na cultura judaica é um símbolo da unidade familiar. É como se estivesse dizendo: "Você está de volta à família”. Você está restaurado à posição correta, em harmonia e comunhão com a sua família. Você é parte do ramo, parte da família. Vamos, entre!" "Ponde-lhe um anel no dedo." Naqueles dias o anel era sinal de responsabilidade, credibilidade. Era um anel de chancela (de selar) que geralmente tinha o nome da família, muito parecido com um cartão de crédito de nossos dias. Se você tivesse um anel, poderia comprar coisas a crédito. Hoje o pai diria: "Tragam as roupas e ponham-nas nele, e tragam um cartão VISA para ele!" Você faria isso com um filho que estava acabando de voltar para casa depois de ter "pintado e bordado" e agora volta para casa arrependido? Isto é o que eu chamo de perdão completo. Ele é restaurado ao relacionamento completo. Quando o filho voltou para casa, o pai deu a ele responsabilidade. É importante que você faça isso. Dê a eles responsabilidades. Você não pode permitir que eles se tornem dependentes de você de novo. A reação típica de um filho que se foi e que bagunçou com sua vida e volta para casa é dizer: "Eu não posso controlar minha própria vida”. Eu a tenho destruído. Eu tenho cometido muitos erros. Eu não tenho a responsabilidade para tomar qualquer decisão. Portanto, eu quero voltar para casa e você toma todas as decisões por mim. Faça de mim um empregado. Eu quero ser um empregado onde apenas recebo ordens sobre o que fazer e o que não fazer porque não posso ser crido nas decisões que tomo. “Tenho cometido muitos erros." Pais, vocês erraram, erram e seus filhos são cópias de vocês. Na semana que vem falaremos sobre construindo um lar seguro. 

- Muitos filhos não são amados pelos pais, aí pensam que serão amados pelos traficantes, pelo carinha que está só interessado em sexo à flor da pele. 

 Que em seu lar nunca falte: AMOR, GRAÇA e ACEITAÇÃO! 

 4. DISCIPULE SEU FILHO PARA SEMPRE 

- v. 31 Disse o pai ao filho: “Meu filho, você está sempre comigo, e tudo o que tenho é teu.” 

-  Que declaração de aliança! Seja pai por toda vida! O mentoreio de um pai não tem a ver com idade, estado civil, distância, recursos. Pai é pai para sempre. Ele sempre carregará seu nome. Sua filha e seu filho serão para sempre seus garotos! - Sobre uso de brinco, piercing e tatuagem. (maioridade e com seu dinheiro). - Eles precisam saber que você sempre estará perto em todos os momentos da vida deles. Eles apenas vão escolher se você estará perto celebrando ou chorando. 

 • CONCLUSÃO 

 É, chegamos ao fim da história, mas ao nosso começo. Eu preciso aplicar esta história à minha vida, à minha família. 

- Existe esperança para pais feridos. 
- Existe esperança para filhos rebeldes. 
- Existe esperança para todos nós. Todos nós temos um pouco do filho pródigo e precisamos nos encher do amor demonstrado pelo Pai. 
 “Vejam como é grande o amor que o Pai nos concedeu: sermos chamados filhos de Deus, o que de fato somos!”- I Jo 3.1. 

-  Esta história realmente não deveria ser chamada a história do filho pródigo, porque ele não é o herói. Deveria ser chamada a história do PAI AMOROSO. O pai é o herói aqui! 

-  Reflete bem o pensamento da época, focando o pecado e não o perdão. O castigo e não a graça. 

- O foco desta história não é o pecado, a rebelião do filho, mas sim o amor do pai, o amor de Deus pelos filhos desobedientes e rebeldes nesta vida. 

-  Esta história representa exatamente como Deus lida com a sua rebelião e com a minha rebelião. 

-  Quando nós buscamos a Deus Ele simplesmente faz o mesmo que este pai fez. 

- Ele nos dá uma segunda chance. Esta é uma boa-nova. Deus é o Deus da segunda chance. Ele toma a nossa vida e a remodela. 
- Ele faz algo lindo de uma bagunça total. Esta história tem final feliz. 

-  Alguns de vocês pais, como eu, têm filhos que ainda não chegaram neste estágio. 

- Eles ainda estão lá bagunçando suas próprias vidas. O jogo ainda não começou para eles. Mas vai começar. E para você que está vivendo justamente o jogo? Ainda há tempo. 
Você ora e espera e compromete o seu amor para com eles. 



 AUTOR: Pr. Carlito Paes



++++++++++++++++++
+++++++++++++++++
++++++++++++++++
++++++++++++++++
++++++++++++++++
+++++++++++++++++
++++++++++++++++++
+++++++++++++++++++


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.