segunda-feira, 9 de janeiro de 2012



A DOR DA TRAIÇÃO

1 Co 7:10-13




INTRODUÇÃO

- Todos nós apreciamos a fidelidade. A própria Bíblia fala deste tema com apreço: Sacerdotes fiéis (1 Sm 2:35); rei fiel (2 Sm 22:14); testemunha fiel (Jr 42:5); servo fiel (Mt. 24:45); despenseiro fiel (1 Co 4:2); ministro fiel (Ef 6:21); mulheres fiéis (1 Tm 3:11); homens fiéis (2 Tm 3:11). Por fim o próprio Deus se apresenta como o modelo de fidelidade (1 Ts 5:24; Sl 93:5; Ap 19:11).

- No entanto, com a exceção do próprio Deus, todos podemos ser vítimas da infidelidade, ou mesmo os propulsores dela. O que é vítima da infidelidade se sente traído e então se estabelece no seu coração a dor e outros sentimentos decorrentes dela.

- No relacionamento conjugal a quebra da fidelidade é tida como “pecado capital”. A Bíblia reforça a gravidade deste erro permitindo até mesmo a morte de quem fosse pego em adultério, quebrando a fidelidade com o cônjuge (Lv 20:10).
O Senhor Deus diz “odiar” o repúdio e a maneira com que se abandona a mulher da mocidade (Ml 2:10-16).

- Jesus “permitiu”, não “ordenou”, o divórcio tão somente quando este princípio de fidelidade fosse quebrado. No entanto Ele ressalta que não é este o projeto original do Criador (Mt 19:8-9).

Todo este esforço bíblico é no sentido de preservar a saúde do casamento e poupar os seus filhos da dor.

I - O PROBLEMA DA DOR

- Em caso de divórcio, como conseqüência da traição, parece não existir inocentes. Tanto o traidor como o traído podem ter responsabilidade quanto ao desfecho trágico. Às vezes a infidelidade é explicada por falta de comunicação entre o casal; atitudes egoístas; comportamentos inadequados e coisas assim.

- Tais atos não justificam a traição e o divórcio, mas nos ensinam que é preciso nutrir o casamento com as melhores virtudes, sem se esquecer é claro, do investimento espiritual, tão necessário para a união matrimonial.

- No entanto, com maior ou menor responsabilidade o cônjuge traído, vitima da infidelidade, é tomado pela dor.

Porque se sofre tanto quando a fidelidade conjugal é rompida? Vejamos.

1 – Porque afeta nossa AUTO-ESTIMA

- Pessoas traídas se sentem rejeitadas, impotentes, diminuídas diante da opção que o cônjuge fez por outra pessoa.

- O amor próprio, a auto-estima tendem a diminuir em momentos assim.

2 – Porque quebra as promessas mais sublimes

Parece difícil se aceitar que as promessas feitas no altar pudessem ser quebradas pelo cônjuge. Sendo os dois uma só carne (Ef 5:31), a dor é intensa e pessoal.

3 – Porque revela nossa “humanidade caída”

A velha natureza tende a se aviltar em tempos de dor. Em circunstâncias tão contrárias uma pessoa pode passar do ódio à autocomiseração e vice-versa em uma velocidade tremenda.

II - A CURA DA DOR

- A dor é um sinal de que algo não está bem em nós. No caso da infidelidade a dor da traição tem desencadeado em divórcios e até em homicídios e suicídios e tantas outras atitudes inconvenientes. As lesões causadas pela traição não são simples e requerem tratamento profundo.

- No entanto, nosso texto nos ensina a “não nos separarmos” (1 Co 7. 10-13), a trabalharmos não somente os efeitos da dor, mas a causa, e buscarmos através de exercícios emocionais e principalmente espirituais, a cura. E o que cura a dor da traição?

1 – Confessar a dor ou reconhecer que está doendo.

- É preciso aceitar os “sentimentos” que nos vêm em tempos de dor. O próprio Senhor Jesus reconheceu sua dor em momentos de aflição (Jó 11:35; Mt 26:38).

- Jó não foi apático diante de sua dor (Jó 3:26), pelo contrário, ele reconheceu seu sofrimento.

- O ferido deve orar colocando diante de Deus o que o entristece (Fl 4:6-8).

2 – Não recusar ajuda dos outros.

- O ferido precisa de médico, de ajuda, de cuidados especiais. Os que se isolam dificilmente saram. Não se deve fazer como Jacó, que recusou o consolo de seus filhos quando imaginava que José estivesse morto (Gn 37:35).

- A dor de quem se recusa a pedir ajuda tende a se tornar crônica. Os que sentem a dor da traição devem procurar um ou mais crentes maduros, sábios, discretos e atenciosos.

- Existem fardos que carregamos sozinhos (Gl 6:4), mas outros podem ser compartilhados (Gl 6:2). Possivelmente a ajuda aqui precisa ser “sistemática” e não apenas esporádicos.

- O aconselhamento de uma pessoa assim pode durar meses, o que exigirá um acompanhamento prolongado e persistente.

3 – Fugir da amargura.

- Em tempos de dor a tendência natural é desenvolver o ressentimento contra o cônjuge. No entanto tal sentimento somente prejudicará tanto o que sofre como os que convivam com ele.

- A amargura não é estática, ela brota e contamina a muitos (Hb 12:15). O sofrimento do amargurado é mais intenso e não há final feliz para os que nutrem tal sentimento.

- Nem mesmo o tempo será capaz de remover as chagas de quem se deixou amargurar. A confissão deve ser rápida e intensa para que a ira ceda lugar ao perdão (Ef 4:27).

4 – Ir em direção ao cônjuge e perdoar

- Deus disse a Oséias que este deveria amar novamente a sua mulher, mesmo esta tendo se tornado adúltera (Os 3:1).

- Paulo orienta que o marido e a mulher não se separem (1 Co 7:10-12). É claro que na maioria das vezes o perdão está baseado no arrependimento e confissão da parte infiel (Mt 18:15-20).

- Parece que o perdão incondicional não tem o mesmo resultado daquele que é fruto da confrontação e confissão sincera.

- E o que significa perdão no contexto de relacionamento conjugal? Com certeza não é esquecer, mas não permitir que a dor volte nas vezes em que se lembrar.

- Perdoar é permitir que o irmão ofensor viva em nós de novo, que se torne relevante, que faça parte de nossa vida.

- Perdoar é não ser indiferente, mas voltar a dar a atenção ao que nos machucou. É bom lembrar que deste exercício espiritual depende a saúde de nossa alma e o perdão de nossos próprios pecados (Mt 6:14-15).

III – O PROPÓSITO DA DOR

- Com certeza um cristão maduro entenderá que a dor e o sofrimento podem trazer benefícios ao casal. Após a noite de choro vem à alegria pela manhã (Sl 30:5). Sempre haverá um propósito de Deus em todas as coisas (Rm 8:28).

- Assim como o sofrimento tem feito os crentes crescerem em sua caminhada cristã, a dor da traição, pode se reverter nos sentimentos mais nobres e no serviço mais consagrado.

- Deus pode ter o propósito de adequar o nosso casamento aos padrões da Bíblia. Muitos casais após a cura da dor da traição construíram seus lares com muito mais zelo e dedicação. Os princípios espirituais que possivelmente não eram observados antes da crise, agora são como que os alicerces do casamento (Mt 7:24-27).

- Deus pode ter o propósito de nos fazer sensíveis à dor dos outros. Quem sentiu a dor da traição tem a seu favor a experiência para ajudar os que precisam de ajuda nesta área. Paulo ensina os consolados a serem consoladores (2 Co 1:1-11).

- Em meio a esta geração campeã em número de divórcios é preciso que os que resistiram à tentação da separação e venceram, ensinem e instruam os que passam pela mesma luta.

CONCLUSÃO

- A dor da traição pode destruir para sempre uma pessoa, caso esta permita. No entanto Deus providenciou os mecanismos para a cura: a confissão e o perdão. Podemos optar pelo caminho de Deus.

- Alguém disse que a nossa vida é dirigida por dez por cento de como agimos e noventa por cento pela forma como reagimos. Em momentos de dor muitos cresceram emocionalmente e espiritualmente.

Que experimentemos, em tempos de dor e adversidade, ou crescimento que faça diferença para nós e para os que convivem conosco.


AUTOR: Pr. Luiz César de Araújo






=====================
=====================
======================
======================

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.