quinta-feira, 1 de setembro de 2011





É permitido
consultar
aos mortos?

Texto Básico - Deut. 18. 9 - 14






Neste estudo não abordaremos todas as heresias ensinadas pelo espiritualismo, nem nos deteremos na história e nas subdivisões do espiritismo, apenas daremos ênfase as doutrinas da reencarnação e consulta aos mortos por estarem ligados.

I - A REENCARNAÇÃO

1 - Classificam os espíritos, de um modo geral, em quatro categorias. Imperfeitos, bons, superiores e puros. Essa doutrina anula a idéia de salvação pela graça e invalida a obra de redenção do pecador mediante a morte de Nosso Senhor e salvador Jesus Cristo.

2 - Toda a doutrina espírita é baseada na reencarnação.

a - Usam Jo. 3.3 para afirmarem que Jesus ensinou a reencarnação. Jesus ensina neste texto um renascimento espiritual, ele deixa bem claro no v.6 do mesmo capítulo. Este é o mesmo ensinamento do Apóstolo Paulo em II Cor. 5.17.

b - Jo. 1. 12:13. "Vontade di varção..."

c - Afirmam qu João Batista foi a reencarnação de Elias, usando o texto de Mt. 17. 10 - 12; Lc. 4.17.

d - As escrituras não ensinam tamanha heresia, o que Jesus fez foi parafrasear os escribas. Mc. 4.5.

e - Ele está dizendo que Elias já veio, não se fala aqui da reencarnação. João seria porém, uma personalidade semelhante ao progeta Elias, em caráter, poder, coragem, intrepidez, lealdade e fidelidade.

(a) Elias enfrentou duras provas com o rei Acabe e sua esposa Jesabel, esta o procurou para o matar. I Reis 19. 2 - 3.

(b) João Batista, também enfrentou duras provas com o rei Herodes e perdeu sua vida por causa da "esposa" dele. Mt. 14. 1 - 12.

(c) Elias enfrentou 400 profetas de Asera e 450 profetas de ball. I Reis 19.19. No Monte Carmelo.

(d) João Batista pregava no deserto e as multidões iam ouvindo e ele dizia: "Raça de víboras..." Mt. 3.7

(e) João Batista não podia ser a reencarnação de Elias, pois conforme II Reis 2.11, Elias não desencarnou.

(f) O próprio João disse que ele não era Elias. Jo. 1.21.

(g) Se fosse a reencarnção de Elias, no monte da transfiguração teria aparecido João e não Elias. Mt. 17.3. Na transfiguração eles aparecem em corpos glorificados, dando-nos uma amostra que de como seremos... No espiritismo, o espírito dos mortos entra em corpos..."

3 - Na transfiguração, fica provado também o embuste, o dolo e má fé da doutrina espírita. Quase dois mil anos são passados e Moisés é Moisés, Elias é Elias, nada de reencarnação, o que sou serei para sempre..."

Se existesse reencarnação, ao chegar ao estágio final de qum seria o espírito? De João? Manoel? Maria? Pois segundo a doutrina espírita, a pessoa sempre se manifesta com o nome da última encarnação.

II - COMUNICAÇÃO COM OS MORTOS

1 - Ensinam os espíritas que os mortos voltam para comunicar-se com os vivos através dos médiuns... Mas segundo as Escrituras, os mortos não voltam, vejamos: Ecl. 12.7; Hb. 9.27, Lc. 16. 19 - 31.

a - O rico pediu que Lázaro molhasse a ponta do dedo para refrescar-lhe a língua... Lc. 16. 24 - 26, mas Deus não permitiu.

b - Pediu que Lázaro fosse a sua casa avisar seus cinco irmãos. 16. 27 - 28. Deus não permitiu. Lc. 16. 29.

2 - Deus proibiu terminantemente a invocação aos mortos.

- A proibição divina de se consultar aos mortos, não prova que exista a possibilidade dos vivos se comunicarem com os mortos. Prova apenas que havia a tentativa de comunicação.

- Deus sabe da sagacidade do diabo e que ele pode transformar-se em "anjo de luz" II Cor. 11.14. Na prática de tais consultas sempre houve embuste, farsa e manifestação do diabo.

3 - Deut. 18. 11 - 12; Jó 7. 9 - 10.

- Os espíritas alegam que Samuel apareceu depois de sua morte a Saul. A Bíblia não diz isso. Saul consultou a feiticeira I Sm. 28.7, que declarou que subiam deuses(28. 13) Respondeu-lhe o Rei: Não temas; que vês? Então a mulher respondeu a Saul: vejo um deus que sobe da terra; viu um vulto. Só a feiticeira, viu um vulto e supôs ser Samuel. O diabo enganou os dois.

a) Quem sobe da terra? Deus? Servo de Deus nesta caso Samuel, que partiu para a
glória? Claro que não, o nosso Deus está no Céu. Sl. 52.2, Sl. 15.16, etc.

b) Jesus depois que ressuscitou subiu para o Céu: At. 1. 9 - 11, Lc. 24. 50 - 51.

c) Os Servos de Deus após a morte irão para o Céu.

(a) Lázaro foi levado pelos anjos. Lc. 16. 22. Onde estão os anjos? Debaixo da terra?
(b) Estevão via o céu aberto a esperar por ele: At. 2. 55 - 56.
(c) Jesus disse: "... Para que onde estou estejais vós também". Jo. 14. 3 b.

d) A mediunidade é pecado gravíssimo, condenado pela Bíblia de ponta a ponta. Onde é castigado com a pena máxima (At. 16. 18, Ap. 21. 8) dizer que Deus permitiu o aparecimento de Samuel mediante a pitonísa (28. 11) é afirmar que Deus contrariou à sua própria palavra.

e) Como satanás, sabia da condenação sobre Saul, repetiu-a, profetizou sua morte, morreu e uma das causas foi essa consulta. I Cronc. 10. 13.

CONCLUSÃO

O espírita está sob a ação direta do diabo. Precisa de nossa ajuda e de nossas orações.











++++++++++++++++


+++++++++++++++


++++++++++++++


+++++++++++++


++++++++++++






É POSSIVEL HAVER
COMUNICAÇÃO



COM AQUELES
QUE JÁ MORRERAM?

Texto: I Samuel 28: 5-20




1. Introdução

- Uma das grandes crenças espíritas é que é possível termos contato com aqueles que já morreram. O caso registrado em 1 Samuel 28 tem gerado muita polêmica e especulações da parte daqueles que defendem o ponto de vista espírita.

- Começaremos o nosso estudo bíblico, defendendo que não foi Samuel quem apareceu para Saul, e ao contrário do que afirmam espíritas e até mesmo alguns evangélicos, ali houve uma manifestação de um espírito enganador.

2. Não cremos que foi Samuel quem falou com Saul, mas sim um espírito de engano.

Vejamos então, os argumentos Bíblicos que provam o que estamos declarando:

1. Foi o desespero, que Saul que o levou a procurar uma Medium.
- Saul havia visto o acampamento dos Filisteus, e foi tomado por um sentimento de medo (28:5).

- Quando alguém é dominado pelo medo, ela pode ser levada a fazer coisas erradas. Saul recorreu a uma prática que era errada porque estava sob o domínio da angústia e medo.

Haviam proibições muito claras no Antigo Testamento em relação a consulta dos mortos:

“Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te dá, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará no meio de ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador, nem quem consulte um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz estas coisas é abominável ao Senhor, e é por causa destas abominações que o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti. Perfeito serás para com o Senhor teu Deus. Porque estas nações, que hás de possuir, ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém, quanto a ti, o Senhor teu Deus não te permitiu tal coisa” (Deuteronômio 18:9-14).

- Saul conhecia a palavra de Deus, e tinha consciência que era errado consultar os mortos. Mas, o medo o dominou levando-o a pecar contra Deus.
2. Deus não havia respondido a Saul.

- Saul havia buscado a Deus, mas Deus não lhe respondeu nem por sonhos, nem por profecia, nem por Urim ou por Turim.

- Deus costumava revelar sua vontade através destas três formas que eram muito conhecidas. Saul recorreu a todos estes meios, que eram legalmente corretos e Deus não lhe respondeu. Se Deus não respondeu a Saul através dos meios corretos, será que mudaria de idéia mais tarde respondendo-o através de uma feiticeira? É claro que não. Deus não pode mudar sua palavra.

3. Tanto a mulher como Saul tinham consciência que consultar mortos era uma prática errada.

- Saul foi disfarçado e a mulher, faz questão de lembrar que as leis de Israel proibiam a prática da consulta aos mortos. Veja os versos 8 e 9.

4. Todas as palavras e revelações dadas a Saul foram através da boca da médium.

- 1 Samuel 28:12 diz: “Vendo a mulher a Samuel, gritou em alta voz; e a mulher disse a Saul: Por que me enganaste? Pois tu mesmo és Saul.”

- Quem declara que vê alguma coisa é a mulher, em nenhum momento Saul viu coisa alguma.

- Ele foi influenciado apenas por aquilo que a mulher declarava ver e ouvir. O que nos garante que uma feiticeira envolvida com o poder maligno, estava dizendo a verdade?

5. As descrições do suposto “Samuel” dadas pela feiticeira, eram imprecisas.

Vejamos as suas declarações nos Versos 13 e 14.

- “Vejo um deus….” não é uma descrição objetiva de Samuel. “…Vem subindo um ancião e está envolto numa capa….” também é uma descrição igualmente muito imprecisa.

- Qualquer ancião de Israel costumava usar uma capa, que era uma parte do vestuário tão comum, como é a calça de Jeans para nós hoje.

6. Essa profecia não se cumpriu na íntegra, conforme passaremos a observar: Saul não foi entregue nas mãos dos filisteus; ele se suicidou (1 Samuel 31:4) e seu corpo foi recolhido do campo de batalha pelos moradores de Jabes-Gileade (1 Samuel 31:11-13).

7. Também não morreram todos os filhos de Saul – este tinha seis filhos e três deles sobreviveram.
- Morreram na batalha Jônatas, Abinadabe e Malquisua (2 Samuel 31:8-10; 21:8). Esses fatos tornam essa profecia uma flagrante contradição com o testemunho divino a respeito de Samuel, pois está escrito que “o Senhor era com ele, e nenhuma das suas palavras deixou cair em terra” (1 Samuel 3:19).

8. O suposto Samuel disse a Saul, “… amanhã tu e teus fihos estareis comigo” (1 Samuel 28.19).
- Saul ao morrer, não foi para o mesmo lugar onde estava o verdadeiro Samuel. O verdadeiro Samuel estava no paraíso. Já Saul, morreu como um suicida, lançando-se sobre sua própria espada (31:5,6). Assim um suicida não poderia no mesmo lugar que um justo na eternidade.

9. Saul não morreu por causa da previsão do espírito enganador, mas por causa do seu pecado contra Deus.
“Assim morreu Saul por causa da sua transgressão cometida contra o Senhor, por causa da palavra do Senhor, a que ele não guardara; e também porque interrogara e consultara uma necromante”.
1 Crônicas 10.13

Estes 09 argumentos provam claramente que não foi Samuel quem verdadeiramente veio falar com Saul. Se Deus permitisse tal coisa, então os Espíritas estariam certos em ensinar a doutrina da consulta aos mortos, e nós como evangélicos não poderíamos ensinar que essa prática esta errada.

3. Alguns dizem que no monte da transfiguração há um caso genuíno de contato entre vivos e mortos.

- Esta é mais uma conclusão errada. Na experiência registrada no monte da transfiguração contada em Mateus 17:1-8:

- “Seis dias depois, tomou Jesus consigo a Pedro e aos irmãos Tiago e João e os levou, em particular, a um alto monte. E foi transfigurado diante deles; o seu rosto resplandecia como o sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele. Então disse Pedro a Jesus: Senhor, bom é estarmos aqui; se queres, farei aqui três tendas; uma será tua, outra para Moisés, outra para Elias. Falava ele ainda, quando uma nuvem luminosa os envolveu; e eis, vindo da nuvem, uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me compra-zo; a ele ouvi. Ouvindo-a os discípulos, caíram de bruços, tomados de grande medo. Aproximando-se deles, tocou- lhes Jesus, dizendo: Erguei-vos e não temais! Então, eles, levantando os olhos, a ninguém viram, senão Jesus.”

No texto acima analisamos o seguinte:

1) Não houve qualquer contato entre os vivos e os mortos.

- Pedro falou apenas com Jesus, e Moises e Elias falaram apenas com Cristo.
- Em nenhum momento, houve diálogo entre vivos e mortos. Se Jesus permitisse tal coisa, entraria em contradição a palavra de Deus revelada no Antigo Testamento.

2) Ali no monte, não houve um fenômeno mediúnico, mas uma transfiguração. Na mediunidade há alguém que incorpora um espirito. Este espírito se apropria

- da mente do médium para se comunicar com outra pessoa. No monte da transfiguração, não houve médium, ou incorporação de espíritos e muito menos contato de vivos com mortos.

- No monte da transfiguração houve ao contrário, uma evidenciação da glória de Deus presente em Cristo, quando Jesus transfigurou-se.

- A visão de Elias e Moises ao lado de Cristo, confirmam a autoridade de Jesus sobre os profetas e a lei.

4. Conclusão

- A desobediência sempre traz o juízo divino.
- A consulta aos mortos é proibida por Deus (Dt. 18. 9-12) e qualquer tentativa de se estabelecer contato com eles é desobediência aos preceitos de Deus, e suas trágicas conseqüências não se farão esperar.

Isaías nos adverte: “Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os advinhos, que chilreiam e murmuram, acaso não consultará o povo ao seu Deus? A favor dos vivos se consultarão os mortos? À lei e ao testemunho! Se eles não falarem desta maneira, jamais verão a alva!” (Isaías 8:19,20)


AUTOR: Pr. Josias Moura de Menezes






++++++++++++++++++
++++++++++++++++++
+++++++++++++++++
+++++++++++++++++
++++++++++++++++++
++++++++++++++++++