sexta-feira, 14 de outubro de 2011



Quando Deus desperta
o nosso espírito


Texto Base:
AGEU 1.12-15




- De vez em quando Deus precisa despertar o nosso espírito, assim como despertou o de Zorobabel, Josué e de todo o povo (v.14). O nosso espírito é o nosso verdadeiro eu, o nosso homem interior. É com o nosso espírito que louvamos ao Senhor de verdade.

- Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade (João 4.24).

- É em espírito que oramos o tempo todo: …Orando em todo tempo no espírito… (Ef 18).

- A Consagração acontece primeiramente em nosso espírito. Talvez seja por isso que o Senhor Jesus nos diz para amarmos a Deus de todo nosso coração, alma, força e entendimento (Lc. 10.27).

- Mas às vezes o nosso espírito se endurece, se ensurdece, se ensoberbece, se mistura, se esquece das práticas devocionais, adormece, e não mantém viva a comunhão com Deus. Por isso, de vez em quando, Deus precisa despertar o nosso espírito.

Ao fazer isso, usando seus instrumentos múltiplos, como aqui que usou o Profeta Ageu, usando irmãos para falar ao nosso coração, Deus tem um propósito em despertar o nosso espírito:

I - PARA NÃO SATISFAZERMOS NOSSA NATUREZA TERRENA

- Aqui, no contexto de Ageu, o povo tinha voltado do cativeiro babilônico, já tinha se instalado na terra, estavam construindo suas lindas casas, mas não se preocupava com o estado precário da Casa de Deus (v. 2-4).

- Diziam com muita empáfia: Ainda não chegou o tempo, o tempo em que a casa de Deus deve ser edificada.

- Nós também somos tomados do mesmo sentimento. Somos hábeis para arrumar justificativa que tiram de nós a força para fazer o trabalho de Deus, para ajudarmos na edificação do seu corpo, que é a igreja. O que seria hoje as nossas casas apaineladas? Talvez nossos objetivos pessoais, nossos estudos, emprego, lazer, etc.

- Quanto mais endurecido for o nosso coração, tanto mais valorizaremos a nós mesmos em detrimento do trabalho de Deus.

- Deus não gosta de procrastinação, de demora. Ele nos estimula a responder hoje:

Josué 24.15 - Porém, se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei, hoje, a quem sirvais: …Eu e minha casa serviremos ao Senhor.

Hebreus 3.7 – Assim, pois, como diz o Espírito Santo: Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vossos coração como foi na provocação, no dia da tentação no deserto.

- O que Deus está querendo de nós hoje? Qual o seu propósito? Qual a sua vontade? Estamos interessados em saber ou estamos mais preocupados com as nossas casas apaineladas, ou seja, com os nossos projetos pessoais?

II - PARA SERMOS ABENÇOADOS EM NOSSOS PROJETOS PESSOAIS

- Observem os irmãos que Deus chama o povo à reflexão sobre a condição deles diante do abandono da Casa de Deus. Ele diz: Considerai (v.5).

- Deus nos faz pensar, refletir, analisar, se o esforço que fazemos sem colocá-lo em primeiro lugar, vale a pena. A reflexão sincera nos fará ver que qualquer projeto sem a primazia de Cristo em nossa vida, é fracasso (v.6- 11). O povo não tinha a vida abundante que Deus dá (João 10.10). Não havia contentamento, que é grande fonte de lucro (1 Tm 6.6).

- É interessante que Deus não despreza as nossas necessidades e projetos pessoais, mas não permite que estes tirem o lugar dele em nossas vidas. Em Mateus 6.25-34 o Senhor Jesus fala de nossas necessidades, mas nos alerta, no verso 33 que devemos buscar em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça. O resultado é que as demais coisas nos serão acrescentadas. Esta verdade reflete o que o salmista nos ensina quanto às questões materiais:

- Inútil vos será levantar de madrugada, repousar tarde, comer o pão que penosamente granjeastes; aos seus amados ele dá enquanto dormem (Sl 127.2).

- No final de um dia, de uma semana, de um mês, de um ano, de uma vida, só nos sentiremos realizados se tivermos feito do projeto de Deus o nosso principal objetivo de vida.

III - PARA QUE ELE SEJA GLORIFICADO

- Será que Deus estava realmente preocupado com coisas materiais, como um templo? Claro que não. Ele queria o templo pronto, para ali ser glorificado (v.8).

- Na história de Israel estava registrada que o templo era o lugar de Deus mostrar a sua glória. Foi assim quando Salomão inaugurou o primeiro templo:

2 Cr. 7:1-3

1 - Tendo Salomão acabado de orar, desceu fogo do céu e consumiu o holocausto e os sacrifícios; e a glória do SENHOR encheu a casa.

2 - Os sacerdotes não podiam entrar na Casa do SENHOR, porque a glória do SENHOR tinha enchido a Casa do SENHOR.

3 - Todos os filhos de Israel, vendo descer o fogo e a glória do SENHOR sobre a casa, se encurvaram com o rosto em terra sobre o pavimento, e adoraram, e louvaram o SENHOR, porque é bom, porque a sua misericórdia dura para sempre.

- Agora Deus promete algo muito maior (2.9). A glória seria intensa, mas não se igualaria com uma glória descrita no Novo Testamento no novo templo que somos nós:

1 Co. 3.16,17 - Não sabeis que sois santuário de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós. Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; porque o santuário de Deus, que sois vós, é sagrado.

- Ao nos unirmos a Jesus, pela fé; ao mantermos comunhão com Ele, ao buscarmos a santificação; ao nos envolvermos com a sua vontade, experimentamos a glória de Deus em nossas vidas e através de nós Deus é glorificado.

Este é o sentido das palavras de Paulo:

2 Co. 3:18 – E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.

Jesus nos mostra que as nossas boas obras, a manifestação de nosso sal e luz, diante dos homens, redundam na glorificação do nome de Deus (Mt. 5.14-16). Sabemos que quando o contrário acontece, quando não nos importamos com as coisas de Deus, o seu nome é desprezado pelos homens.

CONCLUSÃO

- Vejamos com Deus fez a sua obra: Primeiramente despertou o espírito de Zorobabel, o governador; depois despertou o espírito do sacerdote; finalmente de todo o povo (v.14). Há uma cadência aqui. Deus desperta a liderança para depois despertar os liderados. Neste sentido devemos orar para que Deus desperte o espírito de nossos pastores, oficiais, líderes, professores de ED. Assim ficará mais fácil despertar o espírito do povo.

A conclusão deste despertamento espiritual é que a obra de Deus foi feita com tanto zelo que Deus se prometeu dignificá-lo com a sua glória (2.9).

Que parceria maravilhosa entre Deus, os líderes e o povo. Naquela unidade de propósito Deus derramou as suas bênçãos.

Cabem aqui as palavras do Senhor Jesus que prometeu nos usar abundantemente:

João 7:38 – Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva.

Ore, peça que Deus desperte o seu espírito, e assim, em vez de dar prioridade aos seus projetos, coloque os de Deus em primeiro lugar. Assim, se você cuidar dos negócios de Deus, Ele promete cuidar dos seus.


AUTOR: Luiz Cesar de Araujo








+++++++++++++

++++++++++++++

++++++++++++++


Nenhum comentário:

Postar um comentário