segunda-feira, 17 de outubro de 2011



A INTIMIDADE
ESPIRITUAL
DO CASAL





INTRODUÇÃO

- Quando nos casamos tornamo-nos uma só carne (Gn 2.,24). A partir de então o nosso cônjuge se torna a pessoa mais importante de nossa vida. Passamos a ter intimidade física, emocional, e especialmente espiritual. Se não houver esta unidade espiritual todo o casamento fica sem sustentação. Talvez seja este o princípio dos Salmos 127:1, que diz:Pv. 27.1.

- O alicerce da intimidade emocional é a base segura onde o casal constrói o seu lar. Somente este alicerce poderá suportar as tempestades que sobrevêm sobre o casal (Mt. 7.24-27).

I - O que significa intimidade no casamento?

- Significa que os dois devem primeiramente ter uma experiência salvadora com Jesus. Fora deste contexto não há comunhão espiritual. Neste sentido a nossa orientação aos nossos filhos é que não se casem com uma pessoa que não conhece a Jesus como Senhor e Salvador pois o casamento estará sem a Pedra Angular que sustenta a família, o próprio Senhor Jesus. Os que já se casaram nesta situação devem trabalhar para conduzir o seu cônjuge a Cristo considerando esta a tarefa mais importante de sua vida.

- Significa que o casal deve buscar juntos a comunhão com Deus. Se somente um se diz bem espiritualmente, em detrimento do outro, não há intimidade espiritual. Para os casados a comunhão com Deus é uma experiência em conjunto, conquanto tal situação não desobriga a cada um a manter a sua própria experiência espiritual.
Neste exercício de buscar juntos a comunhão com Deus há uma promessa bíblica que deve se aplicar ao casal, a de receberem respostas às suas orações:
Mt 18.19-20.

- Significa que o casal deve estar envolvido no serviço do Senhor usando seus dons e talentos, ainda que seja em áreas diferentes. Lembrando apenas que quando o casal trabalho junto em um mesmo ministério o impacto que causam e a unidade que alcançam em seu relacionamento, é melhor.

- Significa que o casal deve desenvolver uma espécie de “pastoreio mútuo”. Cada um deve cuidar da espiritualidade de seu cônjuge. Devemos cuidar para que o nosso cônjuge esteja praticando os exercícios espirituais, dois quais os mais importantes são: Leitura da Bíblia, oração e comunhão com os irmãos. Neste propósito o casal devem conversar sobre as coisas de Deus, orar juntos, etc.

- Escrevam a seguir mais um ponto do que significa intimidade espiritual:_____________________________________________________________________________________________________________________________________________
II- Exemplos de intimidade espiritual no casamento.

- Primeiramente analisemos a vida de um casal que parece não ter desenvolvido intimidade espiritual em seu casamento: Isaque e Rebeca.

- Aqui temos um casamento que começou bem visto que Rebeca foi trazida a Isaque com um presente de Deus ( Gn 24.67). No entanto não havia intimidade espiritual entre o casal. Eles não só viviam em tendas diferentes como viviam em mundos diferentes.

- Esta falta de unidade do casal se manifestou especialmente na preferência que tinham cada qual por um filho.Também fica clara a falta de intimidade espiritual no fato de Rebeca instrumentalizar o seu filho para enganar o próprio pai. As conseqüências para esta família foram terríveis. Sobreveio-lhe a ruptura dos filhos, a solidão, a falta de confiança no Senhor.

- Será que o nosso casamento está muito distante deste modelo?

- Vejamos se no nosso casamento não está permeado pelo individualismo, pelo egoísmo, por interesses pessoais, por sonhos próprios.

- Será que os nossos filhos vêm em nós uma só carne, um só propósito, um só coração? Eles percebem que em nossa família existe intimidade espiritual?

- Vejamos agora um casal que desenvolveu uma verdadeira intimidade espiritual: Áquila e Priscila.

Observando a historia deste casal em Atos 18.1-3, 26; 1 Co 16.19 vejamos como a intimidade espiritual era realidade neste casal.

1 - Este casal enfrentou juntos as adversidades:

- A expulsão de Roma - Este casal sabia o que era sofrer reveses na vida – acolheram missionários – 18:1-3; 18:26; Rm 16:3.

- A provável esterilidade de Priscila – “adotaram” uma igreja – I Co 16:19.

- Este casal manteve comunhão com Deus e intimidade espiritual entre eles nos piores momentos de sua vida. Nada a reclamar.

- Se quisermos motivos que justifiquem nossa posição individualista sempre acharemos. Podemos falar das dificuldades físicas, familiares, sociais, financeiras, etc. Assim o tempo passa e não somos uma bênção juntos. Áquila e Priscila sabiam lidar juntos com a vida.

- Eles decidiram ser instrumentos nas mãos de Deus mesmo que as circunstâncias os jogassem para outro lado. É na adversidade que a intimidade espiritual do casal mais se revela.

2 - Este casal aproveitou juntos as oportunidades.

- Eles aprenderam com Paulo para ensinar a Apolo – Atos 18:4 ;18:26.

- Há sempre oportunidades nas dificuldades. Deus sempre abrirá as portas para sermos úteis a Ele.

- Quais são as oportunidade que Deus coloca hoje diante de vocês como casal?
- O que vocês podem fazer na igreja, na sua casa, no seu trabalho, na sua vizinhança?

- Se olharmos o mundo com os olhos de Deus sempre veremos portas que se abrem para servirmos ao Senhor, e para o servirmos juntos, como casal.

3 - Este casal lidava juntos com as pessoas.

- Se há uma decisão que necessita da unidade espiritual do casal é quando se trata de receber ou hospedar pessoas em casa.

- Áquila e Priscila, em comum entenderam que deveriam receber Apolo para orienta-lo melhor. Juntos souberam julgar a doutrina de Apolo, não o envergonharam publicamente, mas o levaram para casa para prepará-lo melhor para o seu ministério. Julgaram a mensagem, não o mensageiro(At 18:24,25, 26).

- Chamaram-no à parte (18:26): “tomaram-no consigo”. Foram uma bênção na vida deste pregador. Possivelmente Apolo se tornou mais conhecido e mais eloqüente do que eles. Mas eles não se importaram.
- Eles viram neste jovem pregador o potencial para fazer a obra do Senhor avançar e isto era o que interessava.
- Eles também serviram a Paulo com muito amor (Rm 16.4) e não se importaram em ficar em segundo plano.

- Será que este casal poderiam fazer este investimento espiritual na vida de Paulo, Apolo e da igreja que se reunia na sua casa, se não tivessem intimidade espiritual?

- O primeiro casal Isaque e Rebeca colheu conseqüências, o segundo, Áquilia e Priscila, colheu resultados.

CONCLUSÃO

- Que cada casal neste retiro tome a decisão de desenvolver entre si a intimidade espiritual.

- Que juntos busquem conhecer mais a Deus e o propósito dele para a sua família.

- Que em oração em conjunto se consagrem e aos seus filhos ao Senhor.
Com certeza, se fizermos assim, nossos filhos se sentirão mais seguros, mais confiantes em sua fé; nossa igreja será mais abençoada e nossas orações serão respondidas.

- Deixemos que este texto de Mateus 18.19-20 permeie a nossa comunhão, como casal e como família.

Que Deus abençoe a cada casal.



AUTOR: Pr. Luiz César Nunes de Araújo





######################
#####################
###################

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.