quinta-feira, 30 de junho de 2011



O TEU DEUS...
ELE TE LIVRARÁ
Daniel 6




Propósito Geral: Devocional.

Tema Específico: Os efeitos da fidelidade.

Idéia Central do Sermão:

O CRENTE FIEL DESPERTA NAS PESSOAS AO SEU REDOR UMA GENUÍNA ESPERANÇA EM DEUS.

O rei Dario esperava salvar seu amigo (vs 14), mas, não conseguiu. Foi a fidelidade de Daniel que despertou em seu coração uma genuína esperança em Deus (vs 16), quando todas as suas esperanças se revelaram falsas esperanças:

1) ERA FALSA A SUA ESPERANÇA EM SEU PODER PESSOAL

- Ele era o homem mais poderoso do mundo em sua época, no entanto, nem mesmo seu imenso poder foi capaz de salvar seu amigo.

- Querer é poder?

2) ERA FALSA A SUA ESPERANÇA NO PODER DO TEMPO

- O rei tentou ganhar tempo, mas o tempo não foi capaz de salvar seu amigo.

- Tudo se resolve com o tempo?

3) ERA FALSA A SUA ESPERANÇA NO PODER DO SISTEMA

- Ele tentou "mexer os pauzinhos", tentou usar o sistema que ele mesmo havia criado e sustentava, mas nem o sistema ou as "brechas do sistema" puderam salvar seu amigo.

- Podemos confiar cegamente em nossos sistemas (financeiro, social, filosófico, pessoal, etc.)?

- Após todas estas decepções, o rei diz para o seu amigo: "Daniel, meu amigo, eu não posso te salvar, mas tenho certeza que o teu Deus te livrará"

CONCLUSÃO

- Quando morrem as falsas esperanças, as pessoas que vivem ao redor dos crentes fiéis aprendem a colocar a sua esperança em Deus.


Autoria: Pr Ronaldo Alves Franco
Inspirado num sermão do Pr Pascoal Piragine Jr, que foi ao ar em março de 2006 na BBN.

FONTE: http://www.sitedopastor.com.br/esbocos/oteudeus.htm




################
###################
#######################


"ROMPENDO AS
FILEIRAS INIMIGAS"



TEXTO: II Sm 5:17-25






"Ao saberem que Davi tinha sido ungido rei de Israel, os filisteus foram com todo o exército prendê-lo, mas Davi soube disso e foi para a fortaleza. Tendo os filisteus se espalhado pelo vale de Refaim, Davi perguntou ao SENHOR: “Devo atacar os filisteus? Tu os entregarás nas minhas mãos?”O SENHOR lhe respondeu: “Vá, eu os entregarei nas suas mãos”. Então Davi foi a Baal-Perazim e lá os derrotou. E disse: “Assim como as águas de uma enchente causam destruição, pelas minhas mãos o SENHOR destruiu os meus inimigos diante de mim”. Então aquele lugar passou a ser chamado Baal-Perazime. Como os filisteus haviam abandonado os seus ídolos ali, Davi e seus soldados os apanharam. Mais uma vez os filisteus marcharam e se espalharam pelo vale de Refaim; então Davi consultou o SENHOR de novo, que lhe respondeu: “Não ataque pela frente, mas dê a volta por trás deles e ataque-os em frente das amoreiras. Assim que você ouvir um som de passos por cima das amoreiras, saia rapidamente, pois será esse o sinal de que o SENHOR saiu à sua frente para ferir o exército filisteu”. Davi fez como o SENHOR lhe tinha ordenado, e derrotou os filisteus por todo o caminho, desde Gibeom até Gezer".





INTRODUÇÃO:

- Deus nos levantou e nos ungiu para pormos um fim no domínio e costumes dos nossos inimigos. Ele nos levantou para rompermos com suas obras. A geração de Davi, veio para romper com essa fileira.

- Sempre que Deus nos ungir e nos levantar para uma obra, eles se levantarão para tentar nos atar o ministério e impedir que governemos.

I - O QUE OS FILISTEUS REPRESENTAM

1 - A tradição dos povos.

- Eles eram um povo antigo e dominavam sobre todos os outros povos.
- Eles representam a tradição na vida do cristão.
Enquanto não rompermos com a tradição, não experimentaremos o novo que Deus tem para nós. É preciso que tenhamos coragem para rompermos com amarras que nos impedem o crescimento, a frutificação, as conquistas.

- A religiosidade e o comodismo, são frutos da tradição na vida do cristão. Temos que ficar atentos para esses sinais em nossas vidas, eles são bloqueadores dos canais das bençãos de Deus para nós e matadores dos nossos sonhos.

2 - Dominadores das nações.

- Eles representam os dominadores do espirito, alma e corpo de uma pessoa.


- Eles vinham para destruir a capacidade de defesa, ataque e resistência dos Israelitas.


- Eles eram um povo guerreiro, e eram temidos pelos povos por causa de sua força e tamanho. Com isso intimidavam os povos.


- Eles só foram vencidos pelo exército de Davi.

3 - Roubadores da glória.

- Eles tomaram a arca da aliança e roubaram a glória de Israel (ISm 4:21,22 "Ela deu ao menino o nome de Icabode, e disse: “A glória se foi de Israel”, porque a arca foi tomada e por causa da morte do sogro e do marido. E ainda acrescentou: “A glória se foi de Israel, pois a arca de Deus foi tomada”; ISm 5:11 "Depois que os filisteus tomaram a arca de Deus, eles a levaram de Ebenézer para Asdode").

- Esses espíritos sempre vão querer roubar a glória de Deus de um lugar, seja da igreja, do ministério de alguém, da família ou, o brilho da glória da vida de uma pessoa.

- Esses espíritos vem para levar a arca da aliança do meio do povo de Deus, levando-o a quebrar a aliança de Deus com os irmãos, com a Igreja, com os pastores e líderes que Deus levantou sobre nós.

- Esses espíritos sabem que um lugar sem a glória de Deus, não sobrevive espiritualmente e se torna vunerável ao pecado.

4 - Eles apagam a visão profética, roubam a unção e acorrentam os profetas.

- Eles vazaram os olhos de Sansão, roubaram sua unção ao rasparem sua cabeça e o acorrentaram ( Jz 16:17-21 "Por isso ele lhe contou o segredo: “Jamais se passou navalha em minha cabeça”, disse ele, “pois sou nazireu, desde o ventre materno. Se fosse rapado o cabelo da minha cabeça, a minha força se afastaria de mim, e eu ficaria tão fraco quanto qualquer outro homem”. Quando Dalila viu que Sansão lhe tinha contado todo o segredo, enviou esta mensagem aos líderes dos filisteus: “Subam mais esta vez, pois ele me contou todo o segredo”. Os líderes dos filisteus voltaram a ela levando a prata. Fazendo-o dormir no seu colo, ela chamou um homem para cortar as sete tranças do cabelo dele, e assim começou a subjugá-lo. E a sua força o deixou. Então ela chamou: “Sansão, os filisteus o estão atacando!”Ele acordou do sono e pensou: “Sairei como antes e me livrarei”. Mas não sabia que o SENHOR o tinha deixado. Os filisteus o prenderam, furaram os seus olhos e o levaram para Gaza. Prenderam-no com algemas de bronze, e o puseram a girar um moinho na prisão").

- Eles querem apagar a visão profética, porque um povo sem o espírito profético não tem direção.

- Eles querem destruir a unção dos ministros e da igreja, porque a unção quebra jugos ( Is 10:27 "Naquele dia o fardo deles será tirado dos seus ombros,e o jugo deles do seu pescoço; o jugo se quebrará porque vocês estarão muito gordos!).


- Uma pessoa com visão e ungido libertará muitas vidas do inferno.

5 - Eles destroem as armas de guerra.

- Eles vem para roubar as armas de guerra do meio do povo de Deus ( I Sm 13:19-22 "Naquela época não havia nem mesmo um único ferreiro em toda a terra de Israel, pois os filisteus não queriam que os hebreus fizessem espadas e lanças. Assim, eles tinham que ir aos filisteus para afiar seus arados, enxadas, machados e foices. O preço para afiar rastelos e enxadas era oito gramas de prata, e quatro gramas de prata para afiar tridentes, machados e pontas de aguilhadas. Por isso, no dia da batalha, nenhum soldado de Saul e Jônatas tinha espada ou lança nas mãos, exceto o próprio Saul e seu filho Jônatas"; II Sm 1:27 “Caíram os guerreiros! As armas de guerra foram destruídas!”).

- O inimigo quer nos ver desarmados, sem defesa espiritual, dessa forma ele nos domina a alma.

- Um exército desarmado é fácil de derrotar. Essas armas representam o poder da intercessão, nossa vida de oração e jejum, adoração em intimidade, uma vida de santidade e total consagração, uma vida de obediência, submissão e temor à Deus.

- O inimigo quer roubar isso de cada cristão, porque ele sabe que uma pessoa sem essas armas, pode ser um escravo dos seus deleites.

6 - Destruidores de famílias.

- Eles exterminaram à Saul e à sua família (ISm 31:1-6 "E aconteceu que, em combate com os filisteus, os israelitas foram postos em fuga e muitos caíram mortos no monte Gilboa. Os filisteus perseguiram Saul e seus filhos, e mataram Jônatas, Abinadabe e Malquisua, filhos de Saul.O combate foi se tornando cada vez mais violento em torno de Saul, até que os flecheiros o alcançaram e o feriram gravemente. Então Saul ordenou ao seu escudeiro: “Tire sua espada e mate-me com ela, senão sofrerei a vergonha de cair nas mãos desses incircuncisos”. Mas seu escudeiro estava apavorado e não quis fazê-lo. Saul, então, pegou sua própria espada e jogou-se sobre ela. Quando o escudeiro viu que Saul estava morto, jogou-se também sobre sua espada e morreu com ele. Assim foi que Saul, seus três filhos, seu escudeiro e todos os seus soldados morreram naquele dia").

- A família é a base da sociedade, é uma instituição divina, projetada por Deus.


- Esses espíritos não suportam famílias ajustadas e unidas, eles trabalham para destruí-las.


- Eles conseguiram enfraquecer a mente de Sual e atingiram sua família, acabando com seus sonhos, planos e conquistas.

II - A GERAÇÃO QUE PODE EXTERMINAR O DOMÍNIO DOS FILISTEUS

1 - A geração de Davi.

- Essa é a geração que pode romper com essas práticas inimigas e estabelecer o domínio do Espírito de Deus.
- Levante-se no Espírito e na força do Senhor para romper com as fileiras do inimigo em sua geração, sua vida, família e ministério.

2 - Os filhos da obediência e da aliança com Deus.

- Davi representa essa geração. Da queles que honram esses princípios. Dos que lutam em defesa dos valores espirituais.

3 - Os que sempre consultam à Deus antes de qualquer aventura.
- Diferente de Saul, que saía na sua própria força e entendimento.

CONCLUSÃO:

- Se não nos entregarmos à vontade de Deus, nunca venceremos esses espíritos.

- As águas que dave se refere como torrentes sobre o inimigo, é uma simbologia da abundância da palavra de Deus em nós, da unção do Espírito de Deus em nossas vidas e da manifestação do poder e da autoridade de Deus que emana de uma pessoa que anda debaixo desses princípios.

Graça e Paz!

AUTOR: Pr. Osmarino Correia de Araújo
FONTE: http://www.pastorosmarino.com.br/print2.php?codigo=3567





+++++++++++++++++++++
+++++++++++++++++++++++
++++++++++++++++++++++++

quarta-feira, 29 de junho de 2011



SOLDADO SOFRE



II Timóteo 2.3

“Sofre, pois, comigo, as aflições, como bom soldado de Jesus Cristo”.





Propósito Geral: Encorajador.

Idéia Central: Deus usa até o sofrimento para nos transformar e salvar.

- Neste texto bíblico, Paulo relata que sofria por causa do Evangelho e convida Timóteo a sofrer com ele. Este é um convite difícil de aceitar, pois ninguém quer sofrer na vida, no entanto, o sofrimento é uma realidade humana. Deus deu ao homem o livre arbítrio e não os impede de agir segundo seus próprios corações, mesmo que isso continue causando tanto sofrimento neste mundo. No entanto, em sua bondade e misericórdia, Deus usa até o sofrimento para nos transformar e salvar.



Veja estes exemplos bíblicos:

1. O sofrimento de José do Egito.

- Era um sujeitinho tão exaltado que acabou irritando os seus irmãos que, numa hora de muita raiva, para não o matarem, acabaram vendendo-o como escravo a uma caravana que ia ao Egito, mas Deus usou o seu sofrimento para mudar o seu caráter, para depois poder usá-lo para salvar a sua família.

2. O sofrimento de Jonas.

-Jonas era um profetinha medroso, egoísta e desobediente. Por causa disso, acabou indo parar no ventre de um grande peixe, mas Deus usou a sua angústia para mudar o seu caráter, para depois poder usá-lo para salvar o povo de Nínive.

3. O sofrimento de Deus.

- José do Egito e Jonas tomaram decisões erradas e sofreram por isso. Mas Jesus, ao contrário destes dois, nasceu sem pecado e jamais pecou em sua vida. No entanto, Deus, em Cristo, escolheu sofrer em nosso lugar, pelos nossos pecados. E, por meio do seu sofrimento e da sua morte, Ele nos deu vida.

CONCLUSÃO

Paulo, Timóteo, José do Egito, Jonas e Jesus: Estas histórias provam que o nosso Deus sabe usar até mesmo o sofrimento para nos transformar e salvar.


DEUS SEJA LOUVADO!


Autoria: Pr Ronaldo Franco / Julho/2009
FONTE: http://www.sitedopastor.com.br/esbocos/soldado_sofre.htm





******************
********************
*********************
**********************


03 COISAS QUE
O CRENTE PRECISA TER





I. OUSADIA PARA ENTRAR NO SANTUÁRIO

1. O santuário era a parte mais interna do Tabernáculo no Antigo Testamento;

2. Havia um grande temor quanto a este lugar, uma vez que a santidade do local deveria ser reverenciada.

a. Este lugar era chamado, também, de "Santo dos Santos" ou "Lugar Santíssimo" ou ainda, "segundo véu";

b. Só o sumo-sacertdote, uma vez por ano, podia adentrar o véu que separava este cômodo do "Lugar Santo"

3. Mesmo sabendo que o véu se rasgou e que há um caminho aberto, através do sangue de Jesus, temos certo receio


a. Em geral, sentimos que somos indignos;


b. Nos conformamos em sermos meros espectadores. Nos alegramos apenas com os testemunhos que ouvimos sobre alguém que tenha visto a glória de Deus ;


c. Sem dizer que o inimigo senta-se do nosso lado e fica criando obstáculos para nos impedir de entrar na presença de Deus.

4. Mas, a Palavra está nos dizendo que temos que ter OUSADIA, CORAGEM e FÉ


a. Entrar na presença de Deus é um ato de fé. Não depende de eu merecer ou não;


b. Todos nós podemos, através do sangue de Jesus e pela fé, entrar no santuário;


c. E o Espírito Santo está nos convidando. Ele mesmo quer nos introduzir na presença do Pai

II. UM GRANDE SACERDOTE

1. Toda religião contém um sacerdote, um mediador / intercessor / padroeiro


a. Faz parte da natureza humana recorrer a um mediador;


b. Os mediadores/padroeiros são escolhidos de acordo com a importância que as pessoas atribuem a ele(a)s;


c. Já ouvimos pessoas que dizem: O santo de fulano é mais forte que o meu;


d. O ser humano nunca está à altura de apresentar-se por si mesmo diante de Deus.

2. Conhecedor que era da necessidade que o homem tem, Deus providenciou um mediador


a. Um mediador a altura da necessidade do ser humano;


b. Um mediador a altura do Grande Deus;


c. Um mediador que fosse capaz de pegar a causa de toda a humanidade e não apenas causas de menos importância;


d. Um mediador que não necessitasse interceder por seus próprios pecados.

3. Cristo resume em si todas as características exigidas pela divindade


a. Porque ele conhece os anseios da divindade uma vez que participa dela;


b. Porque ele conhece a natureza humana, uma vez que fez parte dela.

4. Cristo, é, portanto, o nosso Grande Sacerdote diante de Deus

III. O CORAÇÃO PURIFICADO DA MÁ CONSCIÊNCIA

1. A má consciência são manchas que revelam:


a. Por onde passamos;
b. O que fizemos;
c. Que sentimentos cultivamos;
d. E, quão carnais temos sido.

2. A má consicência não se forma por coisas de menos importância


a. Em geral, a má consicência é resultado de maldades e injustiças praticadas por nós contra outrem;
b. A má consciência é o acúmulo de pecados não confessados;
c. A má consciência é resultado da falta de arrependimento.

3. Esses pecados são legalidades que damos ao inimigo para que ele nos acuse diante de Deus


a. As acusações do inimigo causam um mal estar no ambiente espiritual em nosa volta e nos afeta;
b. Quando damos legalidade ao inimigo ele se aproveita e nos sufoca.

4. O crente precisa manter a sua consciência sempre limpa para poder avançar no seu relacionamento com Deus, sem qualquer impedimento.


Em Cristo,

AUTOR: Ev. Sandoval Juliano - Esta foi a mensagem que estávamos pregando na congregação da QNQ 02 quando o poder de Deus se manifestou, ainda no primeiro ponto, e 11 pessoas foram batizadas com o Espírito Santo.

FONTE: http://www.sandovaljuliano.com.br/site/estudos-biblicos/22-esbocos-de-sermoes/390-03-coisas-que-o-crente-precisa-ter




#############
################
###################
#####################
3 Atitudes Necessárias
Para Enfrentar
as Adversidades

E, DESCENDO ele do monte, seguiu-o uma grande multidão. E, eis que veio um leproso, e o adorou, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo. E Jesus, estendendo a mão, tocou-o, dizendo: Quero; sê limpo. E logo ficou purificado da lepra. Disse-lhe então Jesus: Olha, não o digas a alguém, mas vai, mostra-te ao sacerdote, e apresenta a oferta que Moisés determinou, para lhes servir de testemunho. - Mateus 8:1-4.


Na história da cura do leproso eu pude observar que ele tomou iniciativas que demonstram que apesar da enorme adversidade que enfrentava, tinha atitude.
Eis aí 3 atitudes tomadas pelo leproso que nos servem de exemplo:

I. DIANTE DA ADVERSIDADE NÃO DEVEMOS DEIXAR O NOSSO ESPÍRITO SE ABATER

1. O abatimento de espírito pode ser chamado também se sentimento de autocomisseração, ou depressão. Uma pessoa que, em meio à adversidade, se deprime, tem maior dificuldadepara vencer e sair da adversidade;

2. O leproso não admitiu a lepra como sendo sua. Ele estava leproso no corpo, mas sua saúde mental e espiritual não foram afetadas;

3. O abatido de espírito vive curvado, lamentando-se e lamuriando - Sl 38:6 ;

4. O que torna suportável a dor e a calamidade é estar de bem com a vida - Pv 18:14 ;

5. Para não deixar-se abater, diante da adversidade, é preciso nutrir sempre o coração com boas doses de alegria. Assim, quando vier o dia mal, seu coração terá reservas, o suficiente para aceitar a adversidade e passar por ela sem abatimento - Pv 17:22 ;

6. Podemos observar que apenas um leproso, exatamente aquele que não andava pelos cantos "esperando a morte chegar", foi ao encontro de Jesus. Diante do milagre que experimentou, na outra vez que Jesus passou por ali, outros dez leprosos também foram ao encontro de Jesus.

II. DIANTE A DAVERSIDADE NÃO PODEMOS PARAR DE DESEJAR

1. O desejo para quem está vivendo momentos adversos, será um ponto de partida para se buscar o solução para o problema. Quando deixamos de desejar, perdemos a força - Pv 24:10 ;

2. O desejo nos impulsiona a procurarmos Àquele que tem a solução - Sl 38:9 ;

3. Um desejo sincero, ainda que silencioso, será conhecido pelo Senhor e veja a promessa que Ele tem neste sentido - Sl 145:19 ;

4. O nosso desejo deve estar sempre voltado para o Senhor - Is 26:8 ;

5. O que levou aquele leproso a buscar a solução, em Cristo, foi o desejo que ele tinha de voltar para casa, de voltar a conviver com sua família, de voltar a desempenhar suas atividades e sua profissão e, principalmente o desejo de subir os degraus do templo do Senhor para louvá-lo...

III. DEVEMOS NOS APROXIMAR, O MÁXIMO QUE PUDERMOS, DE JESUS

1. O leproso chegou tão perto de Jesus que foi por ele tocado - Mt 8:3 ;

2. Como fez a mulher do fluxo de sangue que tocou em suas vestes;

3. Jesus não quer que o sigamos à distância. Jesus se compraz em poder nos tocar, nos abraçar...

4. Devemos nos aproximar de jesus, sem remorso, sem trauma, como um flho aproxima de seu pai ainda que este seja uma autoridade das mais importantes nesta terra.


AUTOR: Sandoval Juliano - o Presbítero
FONTE: http://www.sandovaljuliano.com.br/site/estudos-biblicos/22-esbocos-de-sermoes/417-3-atitudes-necessarias-para-enfrentar-as-adversidades





+++++++++++++++++++
++++++++++++++++++++
+++++++++++++++++++++
++++++++++++++++++++++

terça-feira, 28 de junho de 2011



“Os sete julgamentos
essenciais de Deus
previsto na Bíblia”

Texto: Jo. 5:24-29

“Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida. Em verdade, em verdade vos digo que vem a hora, e agora é, em que os mortos ouvirão a voz do Filho de Deus, e os que a ouvirem viverão. Porque, como o Pai tem a vida em si mesmo, assim deu também ao Filho ter a vida em si mesmo; E deu-lhe o poder de exercer o juízo, porque é o Filho do homem. Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação.”





Introdução

- Agora vamos aprender um ensino muito importante e significante para nós. Às vezes a vida parece sem sentido e o mundo esquecido por Deus. Mas Deus olha e vê tudo que acontece.

- Mesmo que haja momentos, que ao homem parece não haver recompensa em servir a Deus, em ser justo. Mesmo que em algumas situações nos pareça, que Deus não faz justiça, que Deus não traz juízo sobre a terra, como aconteceu com Asafe no Sl 73 que achou que era em vão servir a Deus, ele chegou até achar que era em vão ter mãos limpas e coração puro Sl. 73:2-3 (“Quanto a mim, os meus pés quase que se desviaram; pouco faltou para que escorregassem os meus passos. Pois eu tinha inveja dos néscios, quando via a prosperidade dos ímpios.”), o que mudou completamente a sua visão quando foi revelado por Deus Sl. 73:1(“Verdadeiramente bom é Deus para com Israel, para com os limpos de coração.”). A bíblia ensina sobre os sete julgamentos previstos por Deus em sua palavra.

1) O julgamento da Cruz

- Deus estabeleceu no Éden a sentença de morte para o homem caso ele pecasse. Gn. 2:16-17 (“E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás.”)

- O homem caiu. Gn. 3:1-13 (“Ora, a serpente era mais astuta que todas as alimárias do campo que o Senhor Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: Não comereis de toda a árvore do jardim? E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais. Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis. Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal. E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela. Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais. E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim. - E chamou o Senhor Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás? E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me. E Deus disse: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste tu da árvore de que te ordenei que não comesses? Então disse Adão: A mulher que me deste por companheira, ela me deu da árvore, e comi. E disse o Senhor Deus à mulher: Por que fizeste isto? E disse a mulher: A serpente me enganou, e eu comi.”)

- Desde Gn. 3:15 (“E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.”) até o fim do Velho Testamento, Deus prometeu este julgamento que representa a redenção do homem. IPe. 1:18-20 (“Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes dos vossos pais, Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado, O qual, na verdade, em outro tempo foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo, mas manifestado nestes últimos tempos por amor de vós;”)

- Deus prometeu o resgate para o homem, Deus prometeu este julgamento.
- O julgamento da cruz foi o julgamento do salvo. Rm. 8:1 (“Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.”), Rm. 5:1 (“Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo;”)

- Este julgamento representa o julgamento que Cristo fez em favor da igreja. IICo. 5:21 (“Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus.”)

- Todos os salvos da antiga e da nova aliança são salvos pelo julgamento da cruz.

- O homem só pode ser salvo, absolvido da culpa do pecado, se crer e receber de forma pessoal o sacrifício de Cristo na cruz. At. 4:12 (“E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.”)

- O homem só pode entrar no céu, se passar pela cruz, se passar por Jesus. Jo. 10:9 (“Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.”), Jo. 14:6 (“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.”) e ITm. 2:5 (“Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem.”)

- A igreja é salva, porque Cristo já foi condenado por ela, porque Cristo a comprou com seu precioso sangue. Louvado seja Deus por seu filho Jesus que já sofreu esse julgamento em nosso lugar.

2) O julgamento do Cristão

- Uma vez que aceitamos a Cristo os nossos pecados estão perdoados. O nosso passado está apagado, e os pecados até então praticados estão perdoados. II Co. 5:17 (“Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.”) e At. 17:30 (“Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam;”)

- Mas agora, o cristão uma vez crente será julgado na sua performance cristã de fé. Deus olha se realmente há mudança, se o novo nascimento ocorreu de verdade na sua vida. Jo. 3:3 e 5 (“Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus.”); Rm 12:1-2 (“Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional. E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.”)

- O cristão tem seu julgamento cotidiano baseado nas ações do arrependimento e da confissão. IJo. 2:1-2 (“Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.”) e IJo. 1:7 (“Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.”)

- Por isso que a bíblia ensina que cada cristão deve examinar, e julgar cada um a si mesmo. ICo. 11:27-32 (“Portanto, qualquer que comer este pão, ou beber o cálice do Senhor indignamente, será culpado do corpo e do sangue do Senhor. Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem. Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo.”)

- Não podemos esquecer que o juízo começa pela casa de Deus. Nesse julgamento, é julgado a nossa sinceridade diante de Deus. Não podemos esquecer que Deus está julgando a conduta de cada um e que todas as coisas estão patentes diante de seus olhos.

- A igreja não pode ser ignorante a cerca desse importante julgamento. Para melhor compreensão LER E MEDITAR NOS SALMOS 32 E 51.

3) O julgamento do Tribunal de Cristo

- Paulo fala a igreja, que todos nós vamos comparecer ante o tribunal de Cristo. Rm. 14:10 (“Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo.”).

- Nesse Juízo cada um dará conta de si mesmo a Deus. Rm. 14:12 (“De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.”)

- Cada servo de Deus vai receber segundo o que tiver feito por meio do corpo. IICo. 5:10 (“Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.”)

- É um julgamento para receber galardão. Ap. 22:12 (“E, eis que cedo venho, e o meu galardão está comigo, para dar a cada um segundo a sua obra.”)

- O tribunal de Cristo não é para julgamento de pecados. IJo.1:7 (“Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.”) (É para julgamento de obras)

- O tribunal de Cristo não é para condenação e sim para dar recompensa. Rm. 8:1 (“Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito. ”)

- O tribunal de Cristo não é para garantir entrada no céu, pois ao convertermos a Cristo já temos esta garantia. Jo. 5:24 (“Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.”)

- Nesse juízo vai ser julgado nossa conduta. II Co. 5:10 (“Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.”)

- No tribunal de Cristo nossas ações diante de provas e tentações serão julgadas.

- Nossas reações diante de sofrimentos, o tempo, o dinheiro, o trabalho, tudo que você fez será julgado.

- Neste Julgamento todas as obras serão julgadas. ICo. 3:11-15 (“Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo”)

- O fogo é o símbolo do juízo de Deus.

Obras dignas X Obras indignas
Obras de valor X Obras sem valor
(Ouro, prata, pedras preciosas) X (Madeira, palha e feno)

- Deus vai conceder Cinco tipos de coroas nesse julgamento.

1ª - Coroa de Glória. IPe. 5:4 (“E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa da glória.”).

2ª - Coroa incorruptível. ICo. 9:25 (“E todo aquele que luta de tudo se abstém; eles o fazem para alcançar uma coroa corruptível; nós, porém, uma incorruptível.”)

3ª - Coroa de Alegria. Fl. 4:1 (“Portanto, meus amados e mui queridos irmãos, minha alegria e coroa, estai assim firmes no Senhor, amados.”)

4ª - Coroa de Justiça. II Tm. 4:8 (“Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.”)

5ª - Coroa de vida. Ap. 2:10 (“Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida..”)

4) O julgamento de Israel

- Deus prometeu juízo especifico a nação de Israel. Ez. 20:37-38 (“Também vos farei passar debaixo da vara, e vos farei entrar no vínculo da aliança. E separarei dentre vós os rebeldes, e os que transgrediram contra mim; da terra das suas peregrinações os tirarei, mas à terra de Israel não voltarão; e sabereis que eu sou o Senhor.”)

- Deus sempre deu privilégios a Israel, mas sempre cobrou e julgou Israel por sua conduta. Exemplos:

1º) - Deus trouxe Juízo no tempo de juizes.
2º) - Deus trouxe Juízo ao Reino de Israel no cativeiro assírico.
3º) - Deus trouxe Juízo ao Reino de Judá no cativeiro babilônico.

- A bíblia revela um tratamento especifico de Deus com Israel. Sl. 50:6-7 (“E os céus anunciarão a sua justiça; pois Deus mesmo é o Juiz. Ouve, povo meu, e eu falarei; ó Israel, e eu protestarei contra ti: Sou Deus, sou o teu Deus.”)

- Em todo tempo da história Deus sempre julgou e julgará Israel separadamente das outras nações.

- Podemos ver o tratamento de Deus separadamente com Israel:
§ Na velha aliança
§ Na nova aliança
§ Na grande tribulação
§ E no milênio.

5) O julgamento das Nações

- A bíblia promete o juízo das nações, Deus um dia julgará e cobrará a justiça de todos os povos e de todas as nações. Is. 34:1-5 (“Chegai-vos, nações, para ouvir, e vós povos, escutai; ouça a terra, e a sua plenitude, o mundo, e tudo quanto produz. Porque a indignação do Senhor está sobre todas as nações, e o seu furor sobre todo o exército delas; ele as destruiu totalmente, entregou-as à matança. E os seus mortos serão arremessados e dos seus cadáveres subirá o seu mau cheiro; e os montes se derreterão com o seu sangue. E todo o exército dos céus se dissolverá, e os céus se enrolarão como um livro; e todo o seu exército cairá, como cai a folha da vide e como cai o figo da figueira. Porque a minha espada se embriagou nos céus; eis que sobre Edom descerá, e sobre o povo do meu anátema para exercer juízo.”)

- Esse juízo se dará no término da grande tribulação e na implantação do reino milenar. Ocorrerá por ocasião da segunda vinda de Cristo.

- Jesus será o rei de toda terra.

- Jesus virá em grande Glória com a igreja e seus anjos. Mt. 25:31 (“E quando o Filho do homem vier em sua glória, e todos os santos anjos com ele, então se assentará no trono da sua glória;”)

- Jesus se assentará como rei e juiz em glória e poder.

- Todos se comparecerão perante Ele para receberem leis, estatutos e juízo.

- Nesse julgamento de Jesus haverá separação entre os bodes e as ovelhas. Separação entre o justo e o injusto. Ml. 3:18 (“Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que não o serve.”)

- Só haverá justiça de verdade nesta terra no governo milenar de Cristo. Só no milênio. Ml. 4:2 (“Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça, e cura trará nas suas asas; e saireis e saltareis como bezerros da estrebaria.”)

6) O julgamento dos Anjos Caídos. Jd. 6 (“E aos anjos que não guardaram o seu principado, mas deixaram a sua própria habitação, reservou na escuridão e em prisões eternas até ao juízo daquele grande dia;”)

- Este julgamento refere-se aos anjos que não permaneceram na sua posição original, mas que rebelaram contra Deus e violaram a sua lei. Ap. 12:4 e 9 (“E a sua cauda levou após si a terça parte das estrelas do céu, e lançou-as sobre a terra; e o dragão parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele.”)

- O diabo e seus anjos, agora já estão aprisionados, sentenciados aguardando o devido juízo.

- Nem todos os anjos estão encarcerados, pois satanás e muitos demônios estão na terra atualmente. II Pe. 2:4 (“E, chegando-vos para ele, pedra viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa,”) e IJo. 5:19 (“Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno.”)

- Na verdade Deus já separou e já julgou os anjos. O julgamento dos anjos já aconteceu. Ez. 28:13-19 (“Estiveste no Éden, jardim de Deus; de toda a pedra preciosa era a tua cobertura: sardônia, topázio, diamante, turquesa, ônix, jaspe, safira, carbúnculo, esmeralda e ouro; em ti se faziam os teus tambores e os teus pífaros; no dia em que foste criado foram preparados. Tu eras o querubim, ungido para cobrir, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. - Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniqüidade em ti. Na multiplicação do teu comércio encheram o teu interior de violência, e pecaste; por isso te lancei, profanado, do monte de Deus, e te fiz perecer, ó querubim cobridor, do meio das pedras afogueadas. Elevou-se o teu coração por causa da tua formosura, corrompeste a tua sabedoria por causa do teu resplendor; por terra te lancei, diante dos reis te pus, para que olhem para ti. Pela multidão das tuas iniqüidades, pela injustiça do teu comércio profanaste os teus santuários; eu, pois, fiz sair do meio de ti um fogo, que te consumiu e te tornei em cinza sobre a terra, aos olhos de todos os que te vêem. Todos os que te conhecem entre os povos estão espantados de ti; em grande espanto te tornaste, e nunca mais subsistirá.”)

- Deus deu o devido castigo a satanás. Is. 14:13-15 (“E tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono, e no monte da congregação me assentarei, aos lados do norte. Subirei sobre as alturas das nuvens, e serei semelhante ao Altíssimo. E contudo levado serás ao inferno, ao mais profundo do abismo.”)

- Na verdade o juízo de satanás e os demônios já aconteceu, eles esperam apenas a condenação que lhes está reservada.

- O diabo e seus anjos já têm o lago de fogo e enxofre como seu lugar eterno, pelo juízo que já recebera. Mt. 25:41 (“Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;”)

- Essa é a sentença de Deus que aguarda o diabo e seus anjos. Ap. 20:10 (“E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre.”)

- No devido tempo da consumação dos séculos o diabo receberá com seus anjos a condenação que pelo juízo de Deus lhes está reservado.

7) O julgamento do Juízo Final

- Este será o julgamento do trono branco. Ap. 20:11 (“E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles.”)

- Neste julgamento estarão ali todos os mortos. Ap. 20:12 (“E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.”) – portanto se dará a 2ª ressurreição.

- Serão usados neste julgamento, (neste juízo) os seguintes livros:

§ O livro das Obras – O juízo será segundo as obras.
§ Os livros da Bíblia – O juízo será segundo a palavra de Deus.
§ O livro da Consciência – O homem reconhecerá pela justiça de Deus diante do Trono Branco a sua própria condenação.
§ O livro da Vida – Há um rol com os nomes dos salvos arrolados no céu. Ap. 20:15 (“E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo.”)

- Todos os pecados alistados na bíblia, ali serão sentenciados como em Ap. 21:8 (“Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte.”); ICo. 6:9-10 (“Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus.”) e Gl. 5:19-21 (“Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus.”)

- No Juízo final todos os condenados, “os que não se acharem escritos no livro da vida” serão lançados para dentro do lago de fogo e enxofre. Ap. 20:15

Conclusão

Aprendemos que o salvo tem pela palavra de Deus a sua redenção garantida e sua eterna habitação no novo céu e nova terra.
Porém para os perdidos, aprendemos que a condenação será severa e sem misericórdia e que o seu destino eterno é no lago de fogo e enxofre.
Entendamos que Deus é justo e que os seus juízos (os sete julgamentos) acontecerão no seu próprio tempo, que Ele mesmo determinou.

AUTOR: Pr. José Vandelô
FONTE: http://www.aditaberai.com.br/esbocos_vis.php?id=000000000000011&idc=00004






################
##################
####################
#####################


Fomos criados
para as boas obras




- A fé e as obras caminham juntas. Somos salvos pela fé, para as obras. Não somos salvos pelas obras nem pela fé mais as obras. Não cooperamos com Deus na nossa salvação. Recebemo-la gratuitamente.

- Somos salvos por Cristo mediante a fé para a prática das boas obras. As obras não são a causa da nossa salvação, mas a evidência dela. A fé é a causa instrumental da nossa salvação e; as obras, o resultado visível dela.

- Há dois perigos quanto a este assunto.
- O primeiro deles é a prática das boas obras em substituição à fé em Cristo. Muitas pessoas tentam comprar a salvação com suas obras.
Pensam que podem chegar a Deus pelo mérito de suas obras. Isso é um engano. A Bíblia é clara e peremptória em afirmar que pelas obras da lei ninguém pode ser justificado diante de Deus. Essa tola pretensão, além do mais, anularia por completo o perfeito, cabal e substitutivo sacrifício de Cristo na cruz.

- O segundo perigo é imaginar que a fé pode ser legítima sem obras. A Bíblia diz que a fé sem as obras é morta. Fomos criados em Cristo para as boas obras. Cristo morreu na cruz para formar um povo zeloso de boas obras. Somos justificados diante de Deus pela fé, mas demonstramos esse fato diante dos homens pelas obras.

Destacamos, portanto, quatro pontos importantes, para a nossa reflexão.

I. Quando praticamos boas obras refletimos a imagem do nosso Deus – Deus é gracioso e bom para com todos.

- Ele envia sua chuva e seu sol para os bons e maus. Toda a terra está cheia da sua bondade. De igual forma, devemos fazer o bem a todos.

- Não podemos fazer acepção de pessoas.

- Devemos ser generosos para com todos, inclusive abençoando e orando pelos nossos próprios inimigos.

II. Quando praticamos boas obras demonstramos que fazemos parte da família de Deus – Se Cristo morreu para formar um povo zeloso de boas obras, então, quando praticamos essas boas obras demonstramos que, de fato, pertencemos a esse povo.

- A Bíblia diz que não podemos amar a Deus sem amar o próximo. O nosso amor não deve ser apenas de palavras, mas traduzido em obras.

- Amor não é sentimento, é ação. Quem ama dá, distribui, reparte. Deus amou o mundo e deu o seu Filho Unigênito.

- O amor se evidencia pelas obras e não apenas pelas palavras. Não somos apenas o que falamos, mas, sobretudo, o que fazemos. Demonstramos que fazemos parte da família de Deus quando temos o coração aberto e as mãos abertas para as boas obras.

III. Quando praticamos boas obras demonstramos obediência a Deus – A nossa luz deve brilhar diante dos homens para que eles vejam as nossas boas obras e glorifiquem ao nosso Pai que está nos céus.

- O apóstolo Paulo, o maior teólogo, evangelista e missionário da igreja primitiva se empenhou em levar o evangelho aos confins da terra sem esquecer-se dos pobres.

- Paulo nunca separou evangelização da prática das boas obras. Evangelização e ação social caminham juntas, pois Deus ama o homem integral, ou seja, corpo e alma.

- A evangelização sem a ação social produziu a teologia pietista que se importava com a alma e não com o corpo.

- A ação social sem a evangelização desembocou na teologia da libertação, que se importa com o corpo e não com a alma. Ambas as posições estão em desacordo com a Palavra de Deus. Na verdade, não devemos separar o que Deus uniu.

IV. Quando praticamos boas obras demonstramos amor ao próximo e gratidão a Deus – O amor apenas de palavras é uma caricatura barata do verdadeiro amor.

- Somente evidenciamos amor ao próximo, quando o socorremos em suas aflições e quando lhe estendemos a mão em suas necessidades.

- Nossa motivação mais sublime, porém, em viver uma vida zelosa na prática das boas obras é demonstrar nossa gratidão a Deus pela sua generosa graça e sua gratuita salvação.

- Não praticamos boas obras para exaltar a nós mesmos, mas para glorificar a Deus. A exaltação e a glorificação do nome de Deus deve ser o vetor principal a reger nossa vida agora e eternamente.

AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes
FONTE: http://hernandesdiaslopes.com.br/2008/11/fomos-criados-para-as-boas-obras/




++++++++++++++
++++++++++++++++++
++++++++++++++++++++++++

domingo, 26 de junho de 2011



Verbos que o crente
tem que saber usar
aprendendo com
as formigas

Texto: Provérbios 30:25 “as formigas são um povo impotente; todavia, no verão preparam a sua comida;”




Introdução

As formigas nos ensina muito, dentre as suas ricas lições a principal lição seria o seu trabalho e a sua sabedoria.
Deus com certeza além de nos ensinar Ele nos confronta com as formigas. Pv. 6:6 “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; olha para os seus caminhos e sê sábio.”

Tema: Verbos que o crente tem que saber usar aprendendo com as formigas
I – Saber organizar.
Vemos isso com a organização social das formigas. I Co 14: 40 “Mas faça-se tudo decentemente e com ordem.”

Paulo nos fala que tudo deve ser feito com decência e ordem.



As formigas são exemplos de organização e ordem. Elas são divididas assim:
1 - Construção: Embora todas as formigas constroem formigueiros, algumas destacam-se fazendo autênticas obras de engenharia: túneis, galerias, câmaras, depósitos e berçários. (Neemias 2)
Aplicação: A obra de Deus só consegue ir avante porque Deus tem no seu contingente crentes que são verdadeiros construtores de sua obra.

2 - Tarefas: Cada grupo de formiga tem sua função dentro do formigueiro.
Isto é uma conscientização que cada crente tem que ter, cumprir a sua função e nunca invadir ou se preocupar com a vida ou a função do outro.

3 - Rainha: função de reprodução. Vive dentro do formigueiro e é a maior formiga.
Cada comunidade de crente tem “a sua formiga rainha”, e o crente tem que saber reconhecer, reverenciar e conviver com esta realidade. Pois é uma hierarquia bíblica. (Visão errada do líder e do pastor)

4 - Machos: função de reprodução. Aparecem apenas quando são necessários para a fecundação da rainha. Após a fecundação são proibidos de entrar no formigueiro.


Obs.: Isto representa a convivência dos crentes com o líder. Cada crente deve estar ligado ao Senhor de sua vida, fazendo o seu papel no reino dependendo do pastor ou do líder apenas para orientação necessárias e cabíveis.

II – Saber Comportar
Aprendemos isso com o Comportamento das formigas.
(Efésios 4: 11) “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,”

Assim como no formigueiro há desenvolvimento, também, a obra de Deus precisa crescer e desenvolver.

1 – No formigueiro há o grupo responsável pela alimentação.


Aplicação: na igreja também é assim há um grupo responsável só para alimentar o rebanho. (Pastores, mestres e doutores).


2 – No formigueiro existe o grupo que cuida da manutenção e ampliação do formigueiro.


Aplicação: Na igreja também existe o grupo de crentes que é usado por Deus para crescer e expandir a igreja, e também para dar manutenção, isso tanto espiritual como financeira.


3 – No formigueiro existem as formigas estéreis
São as responsáveis pela segurança e defesa dentro do formigueiro. (Conhecidas como formigas obreiras)


Aplicação: esse é o grupo dentro da igreja que Deus usa para proteger e defender a igreja dos ataques e todo tipo de levantes, tanto do diabo quanto dos homens.

4 – No formigueiro existem as formigas operárias
São responsáveis pelo berçário, cuidam dos ovos e das larvas do formigueiro.


Aplicação: Representa o grupo dentro da igreja que é usado por Deus só para cuidar dos novos convertidos, guardar a fé dos novos crentes.


5 – No formigueiro existem as formigas soldados
Cuidam da proteção de todo o formigueiro. São os responsáveis por irem à luta contra os inimigos.


Aplicação: Representa o grupo de crentes que são levantados por Deus como soldados de guerra. São os guerreiros de Cristo, homens e mulheres que Deus levanta na área da oração, da intercessão, do discernimento espiritual e que na guerra espiritual protege o nosso formigueiro (a Nossa Igreja, a obra de Deus)

III – Saber desenvolver
Aprendemos isso com o Desenvolvimento das Formigas.
(II Pedro 3: 18) “antes, crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.”

As formigas passam por dois estados de desenvolvimento:

1 – Estado Larvar: nesta época não possuem patas, ficando dependentes de outras. Elas são alimentadas pelas formigas obreiras, as quais utilizam o processo de trofalaxia, um processo de alimentação em que um indivíduo transfere para outro o alimento que se encontra dentro do seu próprio tubo digestivo por regurgitação.

Aplicação: Esse processo é real na igreja, pois há muitas pessoas que necessitam de uma palavra, um conselho, uma visita, etc.
Quando o crente ainda não alcançou a sua maturidade cristã ou sofre uma recaída, apostasia ou frieza espiritual, ele depende de outro crente para se alimentar e receber de Deus.

2 – Estado Adulto: Mesmo quando atingem a maturidade elas não são abandonadas pelo grupo, continuam unidas em todas as circunstâncias.


Aplicação: está lição é imprescindível para o crente, pois o crente precisa entender que mesmo depois de alcançar a maturidade cristã, ele não poderá seguir a vida cristã sozinho continuará a depender do grupo (a igreja).
(Atos 2: 42) “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.”

IV – Saber comunicar
Aprendemos isso com a Comunicação das Formigas. (Pv. 11:14 “Não havendo sábia direção, o povo cai, mas, na multidão de conselheiros, há segurança.”e Pv.15:22“Onde não há conselho os projetos saem vãos, mas, com a multidão de conselheiros, se confirmarão.”

As formigas comunicam-se por substâncias químicas chamadas feromônios ou pelas suas antenas.

1 – Feromônio: Se uma formiga obreira achar comida ela deixa um rastro no caminho para que todas as formigas encontrem o mesmo. Quando o alimento se esgota a última formiga não deixa mais o rastro. O feromônio também é utilizado quando é necessário mudar a rota.


Aplicação: Como é necessário esta qualidade de comunicação nos crentes, precisamos aprender a testemunhar e a ensinar os outros o segredo da vitória e o caminho do sucesso.

2 – Antenas: É através das antenas que as formigas falam de suas necessidades umas as outras. Uma das necessidades mais comuns entre as formigas é a fome, para que essa necessidade seja suprida as formigas armazenam alimentos líquidos no papo e passam para as outras formigas (trofalaxia).


Aplicação: Rm. 12: 13 “comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade;”
Nunca podemos deixar de comunicar com os santos as nossas necessidades, e o crente nunca pode deixar de alimentar seu irmão quando precisar.


3 – Cheiro único: Cada colônia tem um cheiro o que distingue as formigas de um formigueiro e de outro. Se uma formiga entrar em um formigueiro que não seja o seu ela é morta. Formigas de formigueiros deferentes não se misturam.


Aplicação: Assim também os crentes não se misturam com o mundo, se identificam como um só rebanho, exalando o bom cheiro de Cristo. II Co 2:14 e 15 “E graças a Deus, que sempre nos faz triunfar em Cristo e, por meio de nós, manifesta em todo lugar o cheiro do seu conhecimento. 15Porque para Deus somos o bom cheiro de Cristo, nos que se salvam e nos que se perdem.”

Obs.: Por que alguns crentes estão se misturando, entrando em outros formigueiros, certamente não são formigas “ovelhas” de Cristo.

CONCLUSÃO

Quero concluir este ensino ressaltando alguns tipos de formigas que representam alguns grupos de crentes existentes na igreja de hoje:
I Co. 12:12 ao 23

1 – Correição: esta classe de formiga não constrói formigueiros, são nômades. Gostam de atacar outros formigueiros, roubam os ovos e as larvas, as criam como escravas e vivem às suas custas a vida inteira.


Aplicação: Representa aquele grupo de “crentes” que vive fazendo proselitismo religioso, invadindo a igreja dos outros. Vivemos uma época que precisamos ter muita vigilância nesta área, pois há segmentos por ai que vive a por o povo escravos, dependentes deles e não de Cristo. Mt. 7: 15 “Acautelai-vos, porém, dos falsos profetas, que vêm até vós vestidos como ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores.”

2 – Tecelãs: constroem ninhos em árvores, usando as folhas para fazerem seus berçários.


Aplicação: Simboliza os crentes que buscam as coisas celestiais e não terrenas. Cl. 3: 2 “Pensai nas coisas que são de cima e não nas que são da terra;”.

3 – Cortadoras: Elas cortam e guardam as folhas. Consumindo as substâncias e os fungos que essas folhas produzem dentro do formigueiro.


Aplicação: Representam os crentes que se abstém do mal. I Co. 5: 12 “Porque que tenho eu em julgar também os que estão de fora? Não julgais vós os que estão dentro?” Esses crentes são raros de achar, como essas formigas.

4 – Pote de Mel: São obreiras especiais cuja função é armazenar comida no seu próprio corpo para alimentar o resto do grupo quando há grande necessidade. Ficam, geralmente, imóveis, devido ao grande abdômen cheio de comida.


Aplicação: Simbolizam os crentes que dão a sua vida em prol do Reino de Deus. Exemplo: Apóstolo Paulo.


Fonte: http://www.aditaberai.com.br/esbocos_vis.php?id=000000000000013&idc=00004





#####################
#######################
########################




Conselhos práticos


sobre a postura


do crente na


“Casa de Deus”

Texto: ICo. 14:26-40

“Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus. E falem dois ou três profetas, e os outros julguem. Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados. E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos. As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei. E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é vergonhoso que as mulheres falem na igreja. Porventura saiu dentre vós a palavra de Deus? Ou veio ela somente para vós? Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor. - Mas, se alguém ignora isto, que ignore. Portanto, irmãos, procurai, com zelo, profetizar, e não proibais falar línguas. Mas faça-se tudo decentemente e com ordem.”







Introdução

Nesse tema vou falar sobre nossa postura na igreja. Preocupado com o descaso e a irreverência que assola a igreja de Cristo nestes últimos dias reservei alguns conselhos práticos importantes para nossa postura na casa de Deus. “Por isso Atenção”

1) “Conselhos práticos sobre a postura do crente no culto Divino”

a) Não conversar durante o culto. Lc. 4:20 (“E, cerrando o livro, e tornando-o a dar ao ministro, assentou-se; e os olhos de todos na sinagoga estavam fitos nele.”)

b) Não sair da igreja durante o culto. Ec. 5:1 (“Guarda o teu pé, quando entrares na casa de Deus; porque chegar-se para ouvir é melhor do que oferecer sacrifícios de tolos, pois não sabem que fazem mal.”)

c) Ter concentração no culto, especialmente na palavra de Deus. Ap. 1:3 (“Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo.”)

d) Não fazer gracejo ou ato de violação ao culto divino. IICo. 14:40 (“Mas faça-se tudo decentemente e com ordem.”)

e) Não desconsiderar o culto tratando-o com descaso. IICo. 14:26 (“Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.”)

f) Procurar ser atencioso e aberto para o Espírito Santo. ITs. 5:19 (“Não extingais o Espírito.”)

g) Não mascar chicletes, balas e etc, dentro da casa do Senhor. ICo. 14:37-38 (“Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor. Mas, se alguém ignora isto, que ignore. ”)

h) Não querer ser a estrela do culto, mas vaso na casa de Deus. ICo. 12:7 (“Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.”)

i) Não ter interesse próprio, mas congregacional no culto. ICo. 12:11 (“Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.”)

j) Não fazer nenhum gesto ou atitude que escandalize alguém. ICo. 14:31-33 (“Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados. E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos.”)

2) “Conselhos práticos sobre a postura do crente com os utensílios da Casa do Senhor”

a) Reconhecer que todo ornamento é consagrado ao Senhor. Lv 8:10 (“Então Moisés tomou o azeite da unção, e ungiu o tabernáculo, e tudo o que havia nele, e o santificou;”)

b) Devemos respeitar e reverenciar a casa de Deus. IICr. 7:6 (“E os sacerdotes, serviam em seus ofícios; como também os levitas com os instrumentos musicais do Senhor, que o rei Davi tinha feito, para louvarem ao Senhor, porque a sua benignidade dura para sempre, quando Davi o louvava pelo ministério deles; e os sacerdotes tocavam as trombetas diante deles, e todo o Israel estava em pé.”)

c) Devemos preservar os utensílios da casa do Senhor. IRs. 8:63b (“assim o rei e todos os filhos de Israel consagraram a casa do Senhor.”)

d) A responsabilidade dos pais na educação de seus filhos. Dt. 6:7-8 (“E as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos.”)

e) É inadmissível ato de vandalismo na casa do Senhor. Hb. 12:28 (“Por isso, tendo recebido um reino que não pode ser abalado, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus agradavelmente, com reverência e piedade;”)

f) A manutenção da limpeza e higiene na casa do Senhor. Ex. 30:20-21 (“Quando entrarem na tenda da congregação, lavar-se-ão com água, para que não morram, ou quando se chegarem ao altar para ministrar, para acender a oferta queimada ao Senhor. Lavarão, pois, as suas mãos e os seus pés, para que não morram; e isto lhes será por estatuto perpétuo a ele e à sua descendência nas suas gerações.”)

g) A boa aparência do crente ornamenta a casa do Senhor. Ex. 28:2 (“E farás vestes sagradas a Arão teu irmão, para glória e ornamento.”)

h) O amor do crente para com a casa do Senhor. Sl. 27:4 (“Uma coisa pedi ao Senhor, e a buscarei: que possa morar na casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a formosura do Senhor, e inquirir no seu templo.”)

i) O desejo do crente em estar na casa do Senhor.
§ O crente deve ter alegria em estar na casa do Senhor. Sl. 122:1 (“Alegrei-me quando me disseram: Vamos à casa do Senhor.”)

§ O crente deve ter o propósito de habitar na casa do Senhor. Sl. 23:6 (“Certamente que a bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na casa do Senhor por longos dias.”)

§ O crente não pode deixar a congregação, a casa do Senhor. Hb. 10:25 (“Não deixando a nossa congregação, como é costume de alguns, antes admoestando-nos uns aos outros; e tanto mais, quanto vedes que se vai aproximando aquele dia.”)

§ O crente que assiste fielmente na casa do Senhor é abençoado. Sl. 134 (“ EIS aqui, bendizei ao Senhor todos vós, servos do Senhor, que assistis na casa do Senhor todas as noites. Levantai as vossas mãos no santuário, e bendizei ao Senhor. O Senhor que fez o céu e a terra te abençoe desde Sião.”)

3) “Conselhos práticos Sobre a postura dos oficiais no exercício do culto Divino”.

a) A maneira de se cumprimentar, se o culto já estiver em andamento.

§ Deve ser feita com discrição para não chamar a atenção e nem atrapalhar a adoração e o andamento do culto.

b) Como proceder para dar um testemunho.

§ O testemunho deve ser breve, objetivo, sem colocações de pormenores que não interessa.

§ No testemunho só interessa dizer como era antes, o que aconteceu e como está agora. Tudo isto com o objetivo de glorificar a Deus.

§ O testemunho em um culto divino deve durar no máximo de 2 a 3 minutos.

c) Como proceder para dar uma saudação.

§ A saudação em um culto divino deve ser breve, objetiva e alegre.

§ A saudação em um culto divino deve ser voltada para a característica do culto desenvolvido. Cada culto exigirá uma saudação diferente. A saudação segundo o culto poderá ser voltada: as senhoras, aos jovens, aos varões, as mães ou aos obreiros; deve se observar o caráter do culto para então fazer a saudação.

§ A saudação pode ter a duração de 2 a 3 minutos também.

d) Como proceder para dar uma boa palavra bíblica.

§ A palavra bíblica em um culto divino pode ter duração de 3 a 5 minutos.

§ A palavra bíblica deve estar em sintonia com o caráter do culto desenvolvido.

§ Deve-se entender que a palavra bíblica não é a mensagem oficial do culto e sim uma palavra que estimula, que volta a expectativa do público para a mensagem oficial.

§ A palavra bíblica deve ser inspirada em referências que trás a igreja: alegria, fé, ânimo, esperança e motivação.

e) Como deve proceder o cantor para apresentar um hino.

§ O cantor ao apresentar um hino no culto divino, deve-se apenas saudar a igreja, citar o titulo do hino e cantar adorando ao Senhor.

§ O cantor não precisa ler a bíblia para louvar ao Senhor com seus hinos.

§ O cantor não precisa ficar contando testemunhos antes de cantar, se foi convidado apenas para cantar.

§ O cantor não deve querer chamar a atenção do publico para si mesmo. Sua função é levar o publico a adoração a Deus.

f) Como deve proceder o pregador na entrega da mensagem oficial do culto.

§ O pregador deve usar apenas o tempo dedicado à mensagem dado pelo dirigente do culto. Pregador nunca deve passar do horário que recebeu para pregar.

§ O pregador nunca deve se exaltar, deve-se colocar diante do rebanho do Senhor apenas como vaso, como um profeta, um instrumento nas mãos de Deus.

§ O pregador nunca deve ferir os princípios ou as ideologias da igreja local ou do pastor local. Sua mensagem deve ser de edificação e de motivação. Nunca de polêmica ou confusão.

§ O pregador deve ser objetivo e simples, o povo não está precisando de homens que demonstrem sabedoria, conhecimento ou preparo apenas. O povo de Deus está precisando de receber, de ouvir mensagens que realmente falem da parte de Deus com eles.

g) A maneira correta de se fazer a leitura bíblica.

§ A leitura bíblica em um culto divino deve ser feita com muita reverência e temor.

§ A leitura bíblica deve ser feita com a participação e com a atenção de toda a igreja.

§ A leitura bíblica deve ser lida com entusiasmo e motivação.

§ O dirigente do culto ou a pessoa responsável pela leitura bíblica deve saber escolher o texto apropriado para cada culto, para cada reunião.

§ A leitura bíblica deve ser feita em textos que não sejam polêmicos, confusos ou obscuros.

§ O texto escolhido deve trazer ao público edificação, motivação, etc.

h) A importância da participação de todos na liturgia do culto.

§ É importante que todos participem ativamente do culto. É importante que todos participem: da oração, da leitura bíblica, do louvor, das saudações, das palavras, da mensagem, do apelo enfim de tudo.

i) A consideração de todos para quem quer que seja que estiver usando a palavra.

§ A igreja deve crer que Deus pode usar qualquer pessoa que seja.

§ A igreja precisa entender que Deus não usa pessoa segundo a sua aparência ou capacidade humana.

§ Saiba respeitar, reverenciar no culto divino qualquer pessoa que porventura tiver oportunidade. Você poderá perder sua benção se assim não proceder.

j) Evitar fazer comentários durante o ensino ou pregação.

§ Na hora do culto divino não é hora de conversar, de discutir ou de comentar a bíblia ou a pregação. É hora de apenas ouvir e meditar.

k) A necessidade de cada oficial saber exercer sua função.

§ O culto divino só terá seu devido desempenho em seu desenvolvimento se cada oficial da igreja cumprir cabalmente sua função. Isto desde o porteiro até o dirigente do culto.

4) “Conselhos práticos Sobre a postura do crente e sua reverência em relação à igreja e suas autoridades.”

a) Em relação ao Pastorter reverência, submissão e não idolatria. Hb. 13:7 e 17 (“Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver. Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.”)

b) Em relação aos obreiros – ter respeito e consideração. ITm. 5:17 (“Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra, principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina;”)

c) Em relação aos líderes de departamento – ter respeito e consideração. ITm. 6:1 (“Todos os servos que estão debaixo do jugo estimem a seus senhores por dignos de toda a honra, para que o nome de Deus e a doutrina não sejam blasfemados.”)

d) Em relação à direção dos cultos e trabalhos – “Ver Deus” Is. 6:1b (“eu vi também ao Senhor assentado sobre um alto e sublime trono; e o seu séquito enchia o templo.”)

e) Em relação aos anciões da igreja. IPe. 5:5 (“Semelhantemente vós jovens, sede sujeitos aos anciãos; e sede todos sujeitos uns aos outros, e revesti-vos de humildade, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.”)

f) Em relação aos oficiais representativos da Igreja – Porteiros, secretários, tesoureiro, etc.

§ Devemos mostrar para com eles respeito e consideração.

g) Em relação aos pastores presidentes, convenção, etc.
§ Devemos respeitar e reverenciar sabendo que foi Deus que constituiu. Ef. 4:10-11 (“Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas. E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,”)

h) Em relação aos irmãos em geral. Fl. 2:3 (“Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.”)

i) Em relação aos profissionais da Igreja.
§ No que tange a obra de Deus devemos orar, amar e principalmente abençoar até mesmo os profissionais que prestam serviços ou servem a igreja. Como advogados, engenheiros, médicos, etc.

Conclusão

Neste sermão aprendemos como proceder no culto divino e na casa de Deus, minha fé e esperança é que todos possam valorizar e praticar este ensino.


Autor: Pr. José Vandelô

Fonte: http://www.aditaberai.com.br/esbocos_vis.php?id=000000000000012&idc=00004




















++++++++++++++





+++++++++++++++++





++++++++++++++++++++

quarta-feira, 22 de junho de 2011



Três Doenças que
Impedem o Crescimento
da Igreja

 






- Estamos trabalhando firme para a estruturação dos departamentos da Igreja. Já conversei com quase todos os líderes de Deptos da IPAG e percebemos que algumas doenças eclesiásticas tem afetado o corpo de nossa Igreja impedindo assim o nosso crescimento.

- Alguns irmãos insistem numa frouxidão com relação aos cultos, as contribuições e principalmente com a responsabilidade da Santa Ceia.

- Queremos neste Trimestre trabalhar estas dificuldades , buscando como  referencial a palavra de Deus.

Observe agora as "Três doenças que impedem o Crescimento da Igreja" : ATOS 2:42-47

I - RETENÇÃO DOS DÍZIMOS E OFERTAS

- Quando não ofertamos deixamos de contribuir para o crescimento do Reino de Deus aqui na terra. É notório que a Igreja na igreja Primitiva , um dos pontos fortes da saúde , era a generosidade, o desprendimento com relação aos dízimos e ofertas.

- "Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum.  Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração". Atos 2:44-46.

- "Da multidão dos que creram era um o coração e a alma. Ninguém considerava exclusivamente sua nem uma das coisas que possuía; tudo, porém, lhes era comum. Com grande poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça. Pois nenhum necessitado havia entre eles, porquanto os que possuíam terras ou casas, vendendo-as, traziam os valores correspondentes e depositavam aos pés dos apóstolos; então, se distribuía a qualquer um à medida que alguém tinha necessidade." Atos 4:32-35

II - FALTA DE COMPROMISSO COM OS CULTOS E ATIVIDADES DA IGREJA

- A alegria de estar na igreja era tanto, que na Igreja Primitiva , todos os dias estavam juntos, a Ceia era a reunião máxima do Cristianismo, pois nela lembravam de tudo o que Jesus havia feito e dito.

"Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração" - Atos 2:46

"E todos os dias, no templo e de casa em casa, não cessavam de ensinar e de pregar Jesus, o Cristo." Atos 5:42

III - FALTA DE COMUNHÃO

- A Koinonia palavra grega para comunhão era tão evidente na Igreja primitiva, que incomodada tanto aos Romanos como aos Judeus. Eles se viam todos dias no Templo e de casa em casa. O princípio bíblico dos relacionamentos saudáveis e comprometidos.

"E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações." Atos 2:42

"Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações e tanto mais quanto vedes que o Dia se aproxima." Hebreus 10:25

- Vamos tomar o remédio certo para o Crescimento, e o remédio é a palavra Deus viva em nossos corações.
"desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação. "
I Ped 2:2.



Dizime e oferte, participe das reuniões regulares da Igreja e procure se relacionar, fazer amizades e estabelecer compromissos com os irmãos na fé. com certeza cresceremos para a Glória de deus.

 

AUTOR: Pr. Eliseu Ribeiro 

FONTE: http://www.ipag.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=101&Itemid=109





$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$