quarta-feira, 1 de setembro de 2010


As marcas de
um consolador
Referência: Neemias 1.1-4

INTRODUÇÃO
· O livro de Neemias fala de restauração: na vida, na família, na igreja, na sociedade. Vivemos num mundo fragmentado.

Há vidas quebradas.

Há lares desfeitos.

Há igrejas em crise.

A sociedade está enferma. Precisamos urgentemente da mensagem do livro de Neemias.

· O livro de Neemias é um livro sobre liderança. Nesse livro aprendemos “a planejar o nosso trabalho, organanizar o nosso tempo e recursos, a integrar nossas tarefas com a tarefa de outros, a motivar outros e avaliar os resultados.” Nesse livro aprendemos como lidar com oposição.

· O verdadeiro líder é aquele que abre mão do seu conforto pessoal para lutar pelas causas do seu povo.

· Para compreendermos esse livro, precisamos observar à guisa de introdução três fatos importantes:
1. O contexto histórico do cativeiro babilônico

· O Reino do Norte teve 19 reis, em 8 dinastias. Nenhum rei buscou a Deus. Todos foram rebeldes. Deus enviou-lhes profetas, mas nem os nobres nem o povo arrependeu-se. Então, Deus os entregou nas mãos da Assíria e no 722 a.C., foram levados cativos e nunca foram restaurados.

· O Reino do Sul teve 20 reis, na mesma dinastia davídica. Judá não aprendeu a lição do Reino do Norte e também começou a se desviar de Deus. Os reis taparam os ouvidos à voz profética e prenderam e mataram os profetas. Então, eles foram levados no ano 586 a.C., para a Babilônia e lá permaneceram 70 anos.

2. O retorno do cativeiro babilônico em três levas

· A Babilônia caiu. A política do Reino Medo-Persa era diferente. Então, Ciro determinou a volta dos cativos, quando tomou conhecimento que Jeremias havia profetizado a seu respeito.

· O povo volta em três levas:

1) Sob a liderança de Zorobabel para reconstruir o templo;

2) Sob a liderança de Esdras para ensinar a Lei;

3) Sob a lidserança de Neemias para reconstruir os muros.

· Muitos ficaram na Babilônia e não quiseram voltar. A geração que saíra já estava idosa e a que nascera na Babilônia havia se aculturado.

3. O opróbrio dos que voltaram do cativeiro

· Os que voltaram enfrentaram a proposta sedutora dos samaritanos para se associarem na reconstrução do templo. (Compare Esdras 4:1-3 com 2 Reis 17:24,33,34). A rejeição foi motivada por sentimentos religiosos e não preconceito racial (Ed 6:21).

· A rejeição de oferta, provocou oposição e a construção do templo foi paralizada por ordem do rei Artaxerxes (Ed 4:11-21). O resultado é que a cidade ficou despovoada (Ne 11:1).

· O povo voltou para Jerusalém, mas a restauração ainda não havia acontecido: O templo, a cidade e o povo estavam debaixo de grande miséria e opróbrio.

· Neemias recebe a visita de Hanani no ano 444 a.C., no 20o ano de Artaxerxes I, ou seja, 13 anos depois de Esdras subir a Jerusalém, e 142 anos depois do cativeiro babilônico (Ed 7:7).

I. UM HOMEM QUE ESTÁ A SERVIÇO DE DEUS E DOS HOMENS – V. 11b

1. Seu nome – v. 1

· O nome Neemias significa “confortador dado por Deus ou aquele que consola”. Neemias era um consolador. Um homem de coração aberto e sensível aos problemas dos outros. Neemias é um servo de Deus, servindo ao rei da Pérsia e disposto a servir o seu desprezado povo.

2. Sua ocupação – v. 11

· Neemias deve ter nascido no cativeiro. Ele não conhecia Jerusalém. Ele cresceu num contexto de politeísmo. Mas, por causa de sua integridade, capacidade, lealdade ocupou um cargo de grande confiança no reinado de Artaxerxes, em Susã, principal palácio e residência de inverno do monarca.

· Neemias era um homem de visão e ação. Ele orava e agia. Tinha trânsito com Deus e com os homens.

· O rei da Pérsia colocava a vida em suas mãos. Naquele tempo havia muita traição por envenenamento. O copeiro era a pessoa que cuidava da vida do rei, o provador oficial do rei.

· Além de copeiro, ele era uma espécie de primeiro ministro, o braço direito do rei Artaxerxes.

· Neemias cresceu em terra estranha, mas certamente manteve-se atualizado no estudo da Palavra de Deus. Ele conhecia a Deus. E tinha vida intensa de oração.

3. Sua empatia – V. 4

· Seus ouvidos estavam abertos ao clamor do seu irmão e e seu coração profundamente sensível às necessidades do seu povo.

· Neemias vive no luxo, mas também vive em piedade.

· Ele vive com Deus e se importa com aqueles que vivem na miséria. Jerusalém estava a 1.500 Km de Susã. Neemias nunca vira antes a cidade dos seus pais. Mas ele ainda se importa com essa cidade. Os problemas da cidade são os seus problemas. A dor da sua gente é a sua dor. Na sua agenda há espaço para receber aqueles que estão sofrendo. É um homem que tem conhecimento, influência e poder, mas não afasta daqueles que sofrem.

II. UM HOMEM QUE SE IMPORTA COM AS PESSOAS E NÃO APENAS COM O SEU SUCESSO – v. 2-4

1. Neemias é um homem que faz perguntas – v 2

· Fazer perguntas pode mudar sua vida. A vida de Neemias nunca mais foi a mesma depois que fez aquela pergunta.

· Quando você toma conhecimento de um problema, você se torna responsável diante de Deus na solução daquele problema.

· Se você não está interessado em ajudar, não faça perguntas. Perguntar a alguém como vai? Se ter tempo, disposição e esforço para ajudar é uma consumada hipocrisia.

· Quando Neemias soube da necessidade do seu povo sentiu-se chamado para atender aquela necessidade.

· Temos que ter coragem para fazer perguntas acerca dos problemas que afligem nossa vida, família, igreja, cidade e nação.

2. Neemias é um homem que diagnostica os problemas do seu povo – v. 3

· Que tipo de problema estava acontecendo em Jerusalém?
a) Insegurança – “os muros de Jerusalém estão derribados” (v. 3) – A cidade estava desguarnecida. Campeava a violência. Não havia segurança. Os invasores podiam entrar a qualquer hora. Um povo sem segurança sente-se ameaçado. Esse é o maior problemas das grandes cidades hoje. Vivemos sob o espectro do medo. Trancamo-nos dentro de casa e temos medo de sair às ruas. Há violência, arrombamentos, assaltos, sequestros.

b) Injustiça – “e as suas portas, queimadas” (v. 3) – Os juízes que julgavam as causas do povo ficavam junto às portas da cidade. Não havia justiça. O judiciário estava falido. Campeava a corrupção, o desmando. Não havia lei, nem justiça. A sociedade se desespera quando a justiça desaparece ou se corrompe. Vivemos esse drama de um poder judiciário levedado pelo fermento da injustiça.

c) Pobreza – “Os restantes, que não foram levados para o cativeiro e se acham lá na província, estão em grande miséria…” (v. 3) – O povo tinha voltado para Jerusalém. 120 anos havia se passado desde que foram levados para a Babilônia, mas a pobreza ainda assolava o povo. Viviam no meio de escombros. Eles perderam o ânimo para lutar. Viviam oprimidos pelos seus inimigos. Cada um corria atrás da sua própria sobrevivência e perderam a noção de cidadania.

d) Desprezo – “e desprezo” (v. 3) – Além de viverem numa cidade sem segurança e sem justiça. Além de estarem golpeados pela pobreza, eram também ultrajados pelo desprezo. Era um povo esquecido, abandonado à sua sorte. Muitos vivem assim, ainda hoje.

3. Neemias é um homem que se levanta como resposta de Deus aos problemas do povo – v. 4

· Realizar os sonhos de Deus é mais importante do que viver encastelado no nosso próprio conforto. Por isso, Neemias deixou o palácio e foi reconstruir os muros caídos de Jerusalém.

· Neemias era copeiro do rei. Mas abriu mão de tudo para cumprir os propósitos de Deus. Charles Studd disse: “Se Jesus Cristo é Deus e morreu por mim, então nenhum sacrifício que eu faça por ele pode ser grande demais”.

· Para que Deus está levantando você? Para que você está se preparando? Para que você ocupa esse cargo onde você está? Veja o que aconteceu com Moisés, Ester, Neemias, Davi, Paulo.

III. UM HOMEM CAPAZ DE SENTIR NA PELE A DOR DO SEU POVO – V. 4

1. Os problemas do seu povo levou-o às lágrimas – v. 4

· Quanto tempo faz que você não chora?

· Os nossos sentimentos estão congelados.

· William Hopkins orava frequentemente: “Senhor, dá-me o dom das lágrimas”. Antes de Deus fazer alguma coisa, ele precisa amolecer o nosso coração”. Só gente quebrantada é usada plenamente por Deus.

· Por que Neemias chorou?

1) Não somente porque a cidade dos seus pais estava em ruínas;

2) Não somente porque lá estava o templo onde Deus era adorado;

3) Mas porque o Deus de seus pais servia de opróbrio perante os inimigos. Eles diziam: “Deus não consegue dar vitória ao povo. Deus é incapaz. Nossos ídolos são mais poderosos do que o Deus de Israel.”

4) A preocupação de Neemias era com a glória de Deus, não apenas com o bem-estar do povo.

· Jesus chorou por nós. Desceu da glória e se identificou conosco.

2. Os problemas do seu povo levou-o a um profundo lamento – v. 4

· Neemias chorou e lamentou por 4 meses (do mês de quisleu 1:1 ao mês de nisã 2:1) o problema do seu povo. Era um lamento profundo. Um lamento que durou quatro meses.

· Neemias vivia no palácio, mas seu coração já estava nas ruínas de Jerusalém.

IV. UM HOMEM QUE BUSCA OS RECURSOS DO CÉU E DA TERRA PARA RESOLVER OS PROBLEMAS DO POVO – V. 4

1. Neemias busca o favor de Deus através da prática do jejum – v. 4

· Ele não só chorou. Ele também jejuou.

· Quanto tempo faz desde que você jejuou realmente?

· Neemias tinha muitos obstáculos pela frente:

1) A permissão do rei;

2) A mobilização do povo;

3) O ataque dos inimigos;

4) A dureza da obra;

5) A pobreza e desânimo do povo. Por isso, ele jejuou.

· Para as causas perdidas, devemos buscar a força de Deus pelo jejum, quebrantando-nos, humilhando-nos na presença de Deus.

· Jejum é fome de Deus, é saudade de Deus, é alimentarmo-nos da essência do Pão do Céu, em vez do símbolo do pão do céu.

2. Neemias derrama a sua alma em fervente oração – v. 4

· Neemias foi um homem de oração. Ele cria no poder da oração. Durante quatro meses, ele orou e Deus moveu o coração do rei. Ele orou e Deus abriu as portas.

· A soberania de Deus encoraja Neemias à oração. Ele esteve orando perante o Deus dos céus.

· Os homens práticos são aqueles que oram e agem.

3. Neemias busca o favor do rei – v. 11, 2:5

· Neemias ora e age. Ele busca a Deus e também toma medidas práticas: fala com o rei, vistoria a obra, incentiva o povo, enfrenta os inimigos, faz nomeações certas.

CONCLUSÃO· Através desse texto, aprendemos algumas lições práticas:

1) Os problemas aparentemente insolúveis têm solução, quando homens comprometidos com Deus se levantam na força de Deus para agir.

2) Os homens mais eficazes na obra de Deus são aqueles que têm coração quebrantado e conhecem a intimidade de Deus pelo jejum e a oração.

3) Deus pode levantar você e usar você poderosamente se você tiver coragem de fazer perguntas e sair da sua zona de conforto.

4) Você tem sido um consolador na sua geração?
AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes.



================

++++++++++++++++



+++++++++++++

=============