quarta-feira, 30 de junho de 2010


Uma vida
com propósitos


- Rick Warren disse que se você quer saber por que está aqui neste planeta, você tem que começar com Deus. Você nasceu por seu propósito e para seu propósito.

- João Calvino começa as suas Institutas mostrando que o conhecimento do homem, sua origem e propósito só pode ser compreendido quando começamos com o conhecimento de Deus.

- Você não descobre o significado da vida, como muitos livros de auto-ajuda ensinam, olhando para dentro, mas olhando para o alto.

- O propósito da vida não está na especulação dos milhares de filósofos, mas na revelação divina. Você não é um acidente. Seu nascimento não foi um engano. Seus pais podem não ter planejado você, mas Deus planejou. Deus não ficou surpreso por seu nascimento, antes o esperou. Antes de ser concebido por seus pais, você foi concebido na mente de Deus. Ele planejou cada detalhe do seu corpo (Salmo 139).

- Deus determinou os talentos naturais que você possuiria e também sua personalidade.

- Deus determinou o tempo da sua vida sobre a terra.

- Deus determinou onde você nasceria: sua nacionalidade, filiação, temperamento, cultura. Sua nacionalidade não é arbitrária.

- Deus determinou como você iria nascer. Enquanto há pais ilegítimos, não há filhos ilegítimos.

- Muitos filhos não foram planejados por seus pais, mas foram planejados por Deus.

- Deus pensou em você antes de criar o mundo. Você foi criado para ser um mordomo de Deus.

Somos mordomos de Deus

- O mordomo é uma pessoa incumbida dos bens do seu senhor. Ele não é o dono, mas o dono da casa lhe confia tudo o que tem para ser cuidado e desenvolvido: terras, dinheiro, jóias, filhos, alimentação da família e administração de suas riquezas.

- Quando o mordomo se sente dono dos bens do seu senhor, ele trai o seu senhor.

- Quando o mordomo deixa de cuidar com zelo e fidelidade dos bens do seu senhor, ele torna-se infiel.

- A Bíblia diz que Potifar confiou a José tudo o que tinha (Gn 39:3,6). Somos mordomos de Deus. Devemos cultivar e guardar o que é de Deus (Gn 2:15-17).

- Nosso trabalho é administrar a criação divina (Gn 1:28; Sl 8:3-9). Deus é o dono de tudo e não nos passou escritura do que lhe pertence.

- Abraão disse para o rei de Sodoma que “o Deus altíssimo possui os céus e a terra” (Gn 14:22).

- Moisés disse que “os céus e os céus dos céus são do Senhor, a terra e tudo o que nela há” (Dt 10:14).

- Os animais são de Deus (Sl 50:10-12), a terra é de Deus (Lv 25:23), a prata e o ouro são de Deus (Ag 2:8).

- O que a terra produz é de Deus (Os 2:8). Até os bens que administramos e empregamos na obra de Deus é de Deus (1 Cr 29:13-16).

- Sempre que granjeamos, administramos e gastamos os recursos como se eles fossem nossos, não atentando que pertencem a Deus, tornamo-nos mordomos infiéis.

Somos propriedade exclusiva de Deus

- Nós não nos pertencemos, somos propriedade exclusiva de Deus. E isso, por três razões distintas.

Em primeiro lugar, por direito de criação (Gn 1:27; 2:7; Is 42:5; 43:1-7).

- Você não é produto do acaso nem da evolução. Deus criou você, formou você e o entreteceu de forma assombrosamente maravilhosa.

- Ele conhece cada célula do seu corpo e cada fio de cabelo da sua cabeça. Todos os seus dias estão contados e determinados pelo Senhor.

Em segundo lugar, você é propriedade de Deus por direito de preservação (At 14:15-17; 17:22-28) .

- A doutrina da providência é maravilhosa. Ela alcança ímpios e remidos. Deus dá a chuva e o sol ao ateu e ao crente. Ele dá saúde ao salvo e ao incrédulo.

- As bênçãos da graça comum, ele as distribui a todos. É Deus quem nos dá a vida, a respiração, a saúde, a proteção, o alimento, o paladar, o livramento.

Em terceiro lugar, você é propriedade de Deus por direito de redenção (1 Co 6:19-20; 1 Pe 2:9; Ap 5:9).

- Deus criou você para a sua glória (Is 43:7). O pecado o afastou de Deus (Is 59:2). Então, Deus o comprou pelo preço do sangue do seu Filho (At 20:28; 1 Co 6:20).

- Somos de Deus porque ele nos criou, porque ele nos preserva e porque ele nos remiu.

Somos responsáveis diante de Deus

- A compreensão dessa gloriosa verdade nos leva a ter um profundo senso do sagrado. Tudo para nós torna-se sagrado. Você é um mordomo no comércio e no templo.

- O lar, a escola, o trabalho e a igreja participam da mesma esfera sagrada, isto porque tudo é de Deus e ele se importa com tudo o que é dele.

- A compreensão dessa gloriosa verdade nos leva a ter um profundo senso de responsabilidade.

- Vamos prestar conta da nossa mordomia, de como usamos nossa vida, família, bens, recursos, talentos, oportunidades, tempo, e dinheiro. O que se requer dos mordomos é que eles sejam encontrados fiéis (1 Co 4:1-2).

- Finalmente, a compreensão dessa gloriosa verdade nos leva a ter um profundo senso de dependência. Nenhum mordomo poderá desempenhar o seu sublime papel sem total dependência de Deus, sem o poder do Espírito Santo.


AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes.



:::::::::::::::::::::::::::

:::::::::::::::::::::::::::



Um comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.