segunda-feira, 7 de dezembro de 2009


CRIADOS PARA
DAR FRUTOS




Introdução:

- Bem-vindos à segunda mensagem da série “Segredos da Vinha”!

- Desejamos que você cresça e amadureça, produzindo os frutos da maturidade cristã.

- Recordemos o acróstico dos frutos da maturidade:

Fazer (serviço) – cada membro em um ministério.

Repartir (missões) – cada membro ganhando mais um nas celebrações.

Unir (comunhão) – cada membro em um Pequeno Grupo.

Transformar (discipulado) – cada membro fazendo sua devocional diária.

Oferecer (adoração) – cada membro mordomo do seu tempo, oportunidade, talentos e bens.

Saúde – equilíbrio dos cinco frutos e dos cinco propósitos.
O alvo da Equipe PastoralTrabalhar para fomentar, desenvolver e mensurar a maturidade espiritual de cada membro da igreja através da aplicação bíblica de 5 frutos ligados aos cinco propósitos.

CRIADOS PARA DAR FRUTOS

"Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto... Meu Pai é glorificado pelo fato de vocês darem muito fruto; e assim serão meus discípulos”.Jo 15. 5,8

- Jesus tinha prazer em transmitir as verdades mais profundas por meio de exemplos simples da terra.

- Em sua última mensagem, antes de sua morte, ele que você e eu compreendêssemos com todo o nosso ser, que ele nos deixou sobre este planeta por uma razão imperiosa – e isso tinha tudo a ver com frutos.
Jesus é a vinha (o tronco da planta que sai da terra).

- O Pai é o agricultor (aquele que cuida da vinha). Você e eu somos os ramos (na vinha, os ramos são o centro dos esforços do agricultor porque eles produzem os frutos). Todo cristão foi criado para dar frutos, assim como a videira e outras árvores frutíferas.

Paulo disse:“Que aprendam a dedicar-se à prática de boas obras, a fim de que supram as necessidades diárias e não sejam improdutivos”.Tt 3.14

- O fruto representa as boas obras – um pensamento, uma atitude ou ação nossas que Deus valoriza porque glorifica a ele. O fruto de nossa vida é como Deus recebe a honra que lhe é devida na terra.

- O fruto é seu único depósito permanente no céu. É a principal razão para a qual você foi salvo.
“Porque somos criação de Deus realizada em Cristo Jesus para fazermos boas obras, as quais Deus preparou antes para nós as praticarmos”.Ef 2.10

QUATRO CESTAS DE FRUTOS :

CESTA 1 - nenhum fruto dentro. Só alguns galhos.

CESTA 2 - alguns cachos de uva, com alguns galhos.

CESTA 3 - metade da cesta com uvas grandes, entre vários galhos.

CESTA 4 - transbordando de uvas das maiores e desejáveis.

Cada um de nós é um ramo que produz um destes quatro níveis, representados nas cestas:

CESTA 1 - “nenhum fruto” (v.2) “Todo ramo que, estando em mim, não dá fruto, ele corta”

CESTA 2 - “fruto” (v.2) “e todo que dá fruto ele poda”

CESTA 3 - “mais fruto” (v.2) “para que dê mais fruto ainda”

CESTA 4 - “muito fruto”. (v.5) “Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto”.

- Deus quer transformar um galho estéril num galho produtivo, saindo de uma cesta vazia para uma que transborda.

- Fomos criados para produzir frutos, mais frutos...ainda mais frutos! Fomos salvos para frutificar!

QUANTO FRUTO VOCÊ VÊ EM SUA VIDA HOJE?

- Quase metade dos cristãos produz pouco ou nenhum fruto. Cerca de um terço produz algum fruto. Somente cerca de 5% produz muito fruto.

- Onde você se encaixa?

- Produzir fruto não é algo reservado para um tipo de cristão. É o destino de todo verdadeiro cristão.

- Se Jesus nos escolheu para a abundância, como podemos nos sentir realizados com cestas pela metade? Não podemos e não precisamos!

- Escute a música de Chris Duran, que fala sobre isso: FAZ CHOVER (CD Reverência) DUDA E BANDA (música solada, sem multimídia).

- Fomos salvos para frutificar, mas como produzir frutos para Deus?

1. DEIXE DEUS ADMINISTRAR SUA VIDA."Eu sou a videira verdadeira, e meu Pai é o agricultor” (v.1)

- Deus é o dono e cultivador da vinha.

- Ele mantém e protege a vinha.

- Ele plantou a videira, e foi ele quem enviou o seu Filho a este mundo para ser a fonte de vida.

- Ele corta os ramos que não produzem frutos, e ele usa de disciplina para isso.

- A cesta sem nenhum fruto e a disciplina de Deus. Mas ele também vem e poda. A disciplina causa dor, a poda incomoda. Aprenderemos bem a diferença entre uma e outra.

- Como Senhor de sua vida, Jesus quer estar no controle, cuidando, orientando, administrando cada passo do seu viver. Não tente você administrar, porque não dará certo.

- Deus quer produzir frutos na sua vida familiar, no seu trabalho, no seu ministério, na sua igreja, na sua cidade e no seu país.

2. PERMITA QUE DEUS PRODUZA OS FRUTOS QUE PERMANECEM.“Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto” (v.5)

- Que fruto espera-se que o ramo cristão produza?

- Primeiramente, justiça. Esta era a qualidade de uva que o Senhor esperava de sua vinha em Isaías 5 (veja Romanos 6:22; Hebreus 12:11; Filipenses 1:11; Efésios 5:9; e Gálatas 5:22-23).

- O fruto inclui também boas obras (Colossenses 1:10), partilhar as posses com os irmãos necessitados (Romanos 15:28), louvar a Deus (Hebreus 13:15) e ganhar almas (Provérbios 11:30; João 4:36; Romanos 1:13).

- Qualquer que seja o fruto, ele tem que ser produzido (15:2), em grande quantidade (15:8), e continuamente (15:16).

3. BUSQUE A SEMELHANÇA DO CARÁTER DE CRISTO.
“Vocês também não podem dar fruto, se não permanecerem em mim” (v.4)

- Se você está unido a Jesus, ligado na videira, deve dar fruto conforme a videira. Os que estão nele apresentam as mesmas qualidades existentes nele, pois o fruto é produzido conforme a sua espécie.

- A oliveira produz azeitonas, de onde se extrai o azeite, bem como a videira produz uva necessariamente.

- Jesus já havia dito:“Vocês os reconhecerão por seus frutos. Pode alguém colher uvas de um espinheiro ou figos de ervas daninhas?”.Mt 7.16

- O caráter de Cristo em nós implantado pelo Espírito Santo que em nós habita, nos leva a produzir bons frutos.

- O fruto do Espírito tem se manifestado em nossa vida?
“Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, 23 mansidão e domínio próprio”.Gl 5.22

- Temos vivido o amor de Deus nos nossos relacionamentos?

- O amor que é paciente, bondoso, que não tem inveja, não se vangloria, não se orgulha, não maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda rancor. O amor que não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade.(1 Co 13.4-7).

- Como vai a nossa alegria?

- Vai além das circunstâncias que vivemos ou das dificuldades que passamos? Como andamos com a paz?

- Temos paz com Deus, paz conosco, com o próximo, com os irmãos em Cristo?

- Nossa paciência está em alta, ou nosso pavio está curto?

- Já quase não conseguimos suportar nada de alguém?

- Temos sido tolerantes ou intolerantes? Somos bondosos uns com os outros?

- Exercitamos atos de bondade para com bons e maus?

- Temos buscado viver em fidelidade para com Deus, família, amigos e irmãos?

- E quanto à mansidão?

- Temos aprendido com Jesus, como ele nos ordenou?

- Nosso domínio próprio está em evidência, ou nos perdemos nos excessos, sejam eles em qualquer área de nossa vida?

4. PERMANEÇA NOS ENSINOS DE JESUS“Se vocês permanecerem em mim, e as minhas palavras permanecerem em vocês” (v.7)

- Alguns separam Jesus dos seus ensinos, e procuram uma relação com ele sem prestar cuidadosa atenção às suas palavras. Dependem de sentimentos, emoções e experiências. Mas os sentimentos são instáveis e não garantia de que realmente eu permaneço nele e ele em mim.

Ex: milhares de decididos nas igrejas que são tocados por uma emoção, mas não permitem que a palavra penetre e produza a transformação real e verdadeira.

- Muitos tentam andar sós, sem conhecer Jesus e sua Palavra, e pensam que produzirão algum fruto sem se apoio no Senhor.

- Precisamos lembrar diariamente o que Jesus disse e ensinou, através de uma íntima comunhão com a Bíblia e a oração. É indispensável meditar em tudo o que ele nos deixou, para que ele possa agir poderosamente em nós.

5. OBEDEÇA AOS MANDAMENTOS DO SENHOR“Se vocês obedecerem aos meus mandamentos, permanecerão no meu amor, assim como tenho obedecido aos mandamentos de meu Pai e em seu amor permaneço”. (v.10)

- O padrão que Jesus estabeleceu para nós é sua própria obediência ao Pai.
Ele sempre agradou ao Pai, não a si mesmo (“pois sempre faço o que lhe agrada" Jo 8.29).
Agiu pela iniciativa do Pai, e não pela sua própria (“Eu não vim por mim mesmo, mas ele me enviou” 8.42); disse as palavras do Pai, não as suas próprias(“Falo exatamente o que o Pai me ensinou” 8.28); fez a vontade do Pai, e não a sua própria (“Não procuro agradar a mim mesmo, mas àquele que me enviou” 5.30).

- A obediência traz muitas bênçãos e benefícios. Um deles é a plena alegria prometida pelo Senhor:
“Tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa”. (v.11)

- Jesus conhecia a alegria de agradar a Deus e sabia que nossa alegria dependia de nossa obediência ao Pai.

- Muitos pensam que os mandamentos de Deus são restritivos e que ele que nos privar de todos os prazeres. Isto não é verdade! Ele nos criou e sabe o que é melhor para nós. Nossa obediência a ele prova que somos de fato amigos. Não somos escravos.

“Vocês serão meus amigos, se fizerem o que eu lhes ordeno. Já não os chamo servos, porque o servo não sabe o que o seu senhor faz. Em vez disso, eu os tenho chamado amigos” (v.14-15).

- Um senhor daria somente ordens a seu escravo, mas Jesus, como o Senhor amoroso que é, realmente partilha seu coração com seus amigos, explicando seus planos e propósitos, dando o melhor para os seus seguidores.

Conclusão:

- Não se conforme em estar fora da videira, ou estar nela e não frutificar. E se você está frutificando, agradeça a Deus por este privilégio e por saber que Ele tem cuidado de você, tirando toda impureza que tenta impedir seu ministério de crescer ainda mais.

Para dar mais frutos para Deus:• Deixe Deus administrar sua vida.

• Permita que Deus produza os frutos que permanecem.

• Busque a semelhança do caráter de Cristo.

• Permaneça nos ensinos de Jesus.

• Obedeça aos mandamentos do Senhor.


FONTE: Pr. Luiz SanchesPastor Sênior