segunda-feira, 16 de novembro de 2009


PERDIDOS
DENTRO
DA IGREJA

Lucas 15.25-32



Introdução:

- O texto de Lucas 15.25-32, fala sobre o irmão do filho pródigo.

- Ele aponta o terrível perigo de estar na casa do pai, dentro da igreja, obedecendo leis, cumprindo deveres, sem se enveredar pelos antros do pecado, e ainda assim, estar perdido.

Podemos chegar a essa conclusão pelas seguintes razões:
1. Vive dentro da igreja, mas não é livre

“Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos” (v. 29)

- Ele não vive como filho, mas como escravo. Faz as coisas certas com a motivação errada. Sua obediência não provém do coração, mas da obrigação.

- Ele nunca entendeu o que é ser filho. Nunca conheceu o amor do Pai. Muitos, também, estão na igreja por uma mera obrigação. Obedecem, mas não têm alegria. Estão na casa do Pai, mas vivem como escravos.


2. Vive dentro da igreja, mas está com o coração cheio de amargura

“Mas ele respondeu a seu pai: Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos; vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado” (v. 29,30)

- O filho mais velho irrita-se com a misericórdia do Pai.

- Ele não se alegra com a restauração do seu irmão caído.

- Para ele quem erra não tem chance de restauração nem deve ser objeto de perdão.

- Na religião dele não havia agenda para o amor. Mas a Palavra de Deus diz que quem não ama a seu irmão ainda permanece nas trevas.

- O ódio que ele sentia pelo irmão não era menos grave que o pecado de dissolução que outro cometera fora da igreja.

- O ressentimento que crepitava em seu coração o isolou do Pai e do irmão.

- Ele se recusou a entrar em casa para celebrar a volta do irmão arrependido, antes se encolheu magoado, revoltado, envenenado pela mágoa destruidora.

3. Vive dentro da igreja, na presença do Pai, mas anda como solitário

“Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu” (v. 31)

- Ele anda sem alegria. Está na casa do Pai, mas não tem comunhão com ele.

- Muitos também estão na igreja, mas não têm intimidade com Deus, não desfrutam da alegria da salvação, não experimentam as doces consolações do Espírito, vivem como órfãos, sozinhos, curtindo uma solidão dolorosa.

4. Vive dentro da igreja, mas não se sente dono do que é do Pai

– “Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu” (v. 31)

- Ele era rico, mas estava vivendo na miséria. Tinha toda a riqueza do Pai à sua disposição, mas vivia como escravo.

- Era filho, mas não banqueteava com os seus amigos. Assim, também, muitos vivem na igreja sem experimentar os banquetes do céu, servindo a Deus por obrigação, sem alegria no coração.


Conclusão:

- O mesmo Pai que saiu para abraçar o filho pródigo arrependido sai para conciliar este filho revoltado.

- O arrependido, com o coração quebrantado, festejou a sua restauração; o outro ficou do lado de fora, perdido, com o coração endurecido.






FONTE: Rev. Hernandes Dias Lopes




TOMANDO POSSE
DA PORÇÃO DOBRADA

2 Rs 2.1-14




Introdução:

- Precisamos tomar posse da porção dobrada do Espírito Santo, isto é, a plenitude do Espírito, para vivermos uma vida de conquistas no sobrenatural.

- O Pai quer nos dar muito mais do seu Espírito, para que isto aconteça precisamos de ousadia, disposição e perseverança em buscá-lo.

- Ter o Espírito Santo e ser cheio do Espírito Santo não é a mesma coisa. Você poderá viver uma vida cristã natural ou uma vida cristã sobrenatural, tudo vai depender do seu nível de comunhão e relacionamento com Deus. Contudo, somente com a porção dobrada do Maravilhoso Espírito Santo é que você terá uma vida de conquistas no sobrenatural e milagres.

- Vejamos as situações adversas que Elizeu enfrentou e sua perseverança no seu discipulado com Elias.

1. Perseverança em caminhar com Elias

a. Elizeu estava sendo tratado no seu caráter, a área da disposição e determinação de fazer a vontade do Senhor: “Disse Elias a Eliseu: Fica-te aqui, porque o Senhor me enviou a Betel. Respondeu Eliseu: Tão certo como vive o Senhor e vive a tua alma, não te deixarei. E, assim, desceram a Betel. Disse Elias a Eliseu: Fica-te aqui, porque o Senhor me enviou a Jericó. Porém ele disse: Tão certo como vive o Senhor e vive a tua alma, não te deixarei. E, assim, foram a Jericó. Disse-lhe, pois, Elias: Fica-te aqui, porque o Senhor me enviou ao Jordão. Mas ele disse: Tão certo como vive o Senhor e vive a tua alma, não te deixarei. E, assim, ambos foram juntos” (Vs.2,4,6).

b. Elizeu estava sendo tratado em seu caráter na área de obediência e fidelidade em seguir ao Senhor.

2. Perseverança em crer diante da incredulidade

- Elizeu se dispôs em crer mesmo diante da incredulidade dos discípulos dos profetas – “Foram cinquenta homens dos discípulos dos profetas e pararam a certa distância deles; eles ambos pararam junto ao Jordão. Então, Elias tomou o seu manto, enrolou-o e feriu as águas, as quais se dividiram para os dois lados; e passaram ambos em seco” (vs.7,8).

a. A incredulidade gera maldição (Nm 14.5-12).

b. A incredulidade nos afasta do Deus vivo (Hb 3.12).

c. A incredulidade traz derrotas e bloqueia o cumprimento das promessas de Deus na nossa vida (Mt 13.58).

3. Elizeu perseverou diante do Jordão

a. Todo servo de Deus enfrentará o Rio Jordão

- “Foram cinqüenta homens dos discípulos dos profetas e pararam a certa distância deles; eles ambos pararam junto ao Jordão. Então, Elias tomou o seu manto, enrolou-o e feriu as águas, as quais se dividiram para os dois lados; e passaram ambos em seco” (vs.7,8).

b. Antes de uma grande benção enfrentaremos o desafio de atravessar o Jordão.

c. exemplos de Jordões que se colocam diante de nós:

- Jordão da enfermidade (Is 53.4,5; Is 38.17).

- Jordão da insegurança ou indecisão (Sl 25.12-14).

- Jordão do medo (Is 41.10; Js 1.9).

- Jordão do desânimo

- Jordão das dificuldades financeiras (Fl 4.19).

- Jordão da desavença familiar (I Jo 3.8).

4. Mudanças e transformações que ocorreram na vida de Elizeu

a. Recebeu porção dobrada do ministério de Elias (vs.9-14).

b. Renunciou completamente ao passado – “tomando as suas vestes, rasgou-as em duas partes” (v.12b).

c. Passou a viver com um nível de autoridade espiritual mais elevada – “Então, levantou o manto que Elias lhe deixara cair e, voltando-se, pôs-se à borda do Jordão. Tomou o manto que Elias lhe deixara cair, feriu as águas e disse: Onde está o Senhor, Deus de Elias? Quando feriu ele as águas, elas se dividiram para um e outro lado, e Eliseu passou” (vs.13,14).

d. O sobrenatural passou a fazer parte do seu cotidiano

“Os homens da cidade disseram a Eliseu: Eis que é bem situada esta cidade, como vê o meu senhor, porém as águas são más, e a terra é estéril. Ele disse: Trazei-me um prato novo e ponde nele sal. E lho trouxeram. Então, saiu ele ao manancial das águas e deitou sal nele; e disse: Assim diz o Senhor: Tornei saudáveis estas águas; já não procederá daí morte nem esterilidade. Ficaram, pois, saudáveis aquelas águas, até ao dia de hoje, segundo a palavra que Eliseu tinha dito” (vs.19-22).

Conclusão:

Não se conforme com a vida espiritual que você tem levado, busque mais de Deus, porque este é o tempo de começarmos a viver num nível espiritual mais elevado, e de experimentarmos o sobrenatural de Deus.




FONTE: Prs. Paulo e Cleir – COMEVI – Itaperuna – RJ