sexta-feira, 6 de novembro de 2009


uma igreja
bem sucedida



- Gabriel Andrada é jovem, seminarista, recém casado, e cheio de ideais. Evangélico desde o berço, diz que só se converteu de fato com 17 anos em um acampamento de carnaval. Desde a experiência de conversão, que o levou às lágrimas, participa de eventos evangelísticos de sua igreja. Agora se sente vocacionado para ser pastor. Ávido por ser “usado” por Deus, Gabriel matriculou-se em um pequeno instituto bíblico.
Gabriel me conheceu na internet e escreveu pedindo ajuda. Precisa que eu lhe ensine o “caminho das pedras” para começar uma igreja do zero. Pensei, pensei! Sem conhecê-lo, sem saber exatamente aonde o noviço quer chegar, resolvi correr o risco de responder.

- Disse que para uma igreja ser bem sucedida no Brasil são necessários a combinação de pelo menos dois, de quatro ingredientes.

1) Um pastor carismático.

- Que tenha traquejo para falar em público com desenvoltura.

- Que cante afinado, ou que pelo menos comece os hinos no tom certo.

- Que tenha boa memória para decorar versículos e saiba citá-los sem tomar fôlego.

- Que seja simpático e bem humorado no trato pessoal.

2) Um bom prédio em uma boa localização.

- Que a igreja seja em um lugar de fácil acesso.

- Que tenha bom estacionamento.

- Que seja confortável, preferivelmente com cadeiras acolchoadas, climatizado com ar condicionado.

- Que os banheiros limpos não cheirem a creolina.

3) Acesso à mídia.

- Que a nova igreja tenha programa de rádio ou de televisão. Mas que a programação ressalte as qualidades especiais do líder como o apóstolo escolhido de Deus para os últimos dias.

- Que repita sem parar que a igreja é especial, diferente de todas as outras.

- É bom que o locutor fale em línguas estranhas (glossolalia) e profetize sobre detalhes da vida dos crentes.

- Que crie uma aura de “poder” pentecostal e curiosidade nas pessoas de comparecerem aos cultos.

4) Teologia da Prosperidade.

- Que o pastor não tenha escrúpulo de prometer milagre à granel.

- Que a maior parte do culto seja gasto colhendo testemunhos de gente que enricou com as campanhas dos sete dias, com os jejuns da conquista, com as rosas santas, com os cultos dos Gideões, com as maratonas de oração. Quanto mais relatos, melhor.

- Ressalto.

Gabriel não precisa se valer de todos os pontos para se tornar o novo fenômeno gospel brasileiro. Entretanto, sem o quarto ingrediente, ele não vai a lugar nenhum. Basta que combine qualquer um com o último e seguramente se tornará um forte concorrente nos disputadíssimo mercado gospel.

Entretanto, como vai concorrer com expoentes bem consolidados, terá que trabalhar muito.

- Talvez precise fazer o programa de rádio ou de televisão na madrugada. No começo, para pagar o horário, terá que fazer merchandise de Ginka Biloba.

- Gabriel não deve ter receio de oferecer, por uma pequena oferta, lenço ungido, óleo sagrado ou água do rio Jordão.

- Se necessário, pode até vender cadernos escolares com a capa espiritual; tipo, um rapaz surfando e uma frase ao lado: “Cristo é ‘sur-ficiente’ para mim”.

- Não sei se Gabriel entenderá a minha ironia. Caso leve os meus conselhos a sério, logo teremos uma nova igreja de nome bizarro.

- Contudo, quando estiver nos píncaros da glória, todos saberão que a trajetória de Gabriel Andrada não foi tão espiritual quanto se poderia supor.

“Há algo de podre no reino da Dinamarca” – Shakespeare.



Soli Deo Gloria.
Autor: Ricardo Gondim