quinta-feira, 22 de outubro de 2009


A Contribuição que
Glorifica a Deus


* É conhecida a expressão "contribua de acordo com a sua renda para que Deus não torne a sua renda de acordo com a sua contribuição".

* A contribuição com a obra de Deus e a oferta aos pobres e necessitados é uma prática bíblica inquestionável.

* Infelizmente, vivemos hoje dois extremos nesta questão: aqueles que ultrapassam os limites das Escrituras e gananciosa e astuciosamente arrancam o último vintém dos incautos, mercadejando a Palavra de Deus e vendendo no balcão da fé a sua graça e aqueles que amam mais o dinheiro do que a Deus e fecham o coração e o bolso, negligenciando a graça da contribuição, sendo infiéis na mordomia dos bens.

* A devolução dos dízimos é um ensino bíblico insofismável, presente antes da lei, durante e lei e depois da lei.

* A contribuição pessoal, voluntária, generosa, sistemática e alegre está presente tanto no Antigo como no Novo Testamento.

* O rei Davi ofereceu-nos alguns princípios importantes sobre a contribuição que glorifica a Deus, quando se preparava para a construção do templo de Jerusalém.

Vejamos:

1. Devemos contribuir porque a obra de Deus a ser realizada é muito grande - I Cr 29:1

* Davi disse: "... esta obra é grande; porque o palácio não é para homens, mas para o Senhor Deus".

* Davi estava construindo o templo e o palácio. Queria fazer o melhor e dar o melhor para Deus. Tudo o que fazia não era pensando nos homens, mas em Deus.

* Igualmente, a igreja está realizando uma grande obra: não apenas na construção e ampliação de templos, mas na expansão do Reino de Deus.

* Há templos a serem construídos, igrejas a serem plantadas, pessoas necessitadas a serem assistidas, missionários a serem enviados, muito terreno a ser conquistado aqui e além fronteira.

2. Devemos contribuir com liberalidade porque Deus merece o melhor - I Cr 29:2

* Davi, com todas as suas forças preparou para a Casa de Deus, em abundância, aquilo que existia de melhor.

* Deus é dono de tudo.

* Tudo o que temos vem das suas mãos.

* Tudo o que damos, também procede de suas dadivosas mãos.

* Ele é Deus de primícias.

* Ele merece o melhor e não as sobras.

* As coisas de Deus precisam ser feitas com excelência.

* Não podemos ofertar a Deus com usura, pois ele não nos dá suas bênçãos por medida. Ao ofertar ao Senhor, devemos colocar aí o nosso coração e a nossa força.

3. Devemos contribuir motivados por grande amor a Deus e a sua obra - I Cr 29:3

* Davi não apenas recolheu ofertas dos outros, mas ele pessoalmente, deu para a Casa do seu Deus o ouro e a prata particulares que tinha. E fez isso, porque amava a Casa do seu Deus.

* Quem ama dá.

* Quem ama é pródigo em ofertar.

* Nosso amor por Deus não passa de palavrório vazio se não ofertamos ao Senhor com generosidade.

* Nossa contribuição, ainda que sacrificial, não tem valor diante de Deus, se não é motivada pelo nosso amor ao Senhor e a sua obra.

* O apóstolo Paulo diz que ainda que entreguemos todos os nossos bens para os pobres, se não tivermos amor, nada disso aproveitará.

4. Devemos contribuir espontaneamente motivados pela alegria de Deus - I Cr 29:5-9

* A contribuição é uma graça que Deus nos dá.

* É um privilégio ser cooperador com Deus na sua obra.

* O ato de contribuir é uma expressão de culto e adoração. Deus ama a quem dá com alegria.

* A voluntariedade e a alegria são ingredientes indispensáveis no ato de contribuir.

* Davi perguntou ao povo: "Quem está disposto, hoje, a trazer ofertas liberalmente ao Senhor?

... O povo se alegrou com tudo o que se fez voluntariamente; porque de coração íntegro deram eles liberalmente ao Senhor; também o rei Davi se alegrou com grande júbilo" (I Cr 19:5,9).

* Devemos vir ao gazofilácio para ofertar, exultando de alegria e não com tristeza.

5. Devemos contribuir conscientes de que Deus é dono de tudo e que tudo deve ser feito para a sua glória - I Cr 29:10-22

* O resultado da alegre, generosa e abundante oferta do rei e do povo foi a manifestação da glória de Deus.

* Davi louvou a Deus pela sua glória, poder e riqueza, reconhecendo que as ofertas que deram tinham vindo do próprio Deus.

* O povo adorou a Deus e houve grande regozijo.

* O maior propósito da nossa contribuição deve ser a manifestação da glória de Deus.

* O Senhor é mais glorificado em nós quanto mais nos deleitamos nele.

* Que tudo o que somos e temos esteja a serviço de Deus e seja um tributo de glória a Deus.

* Que os bens que Deus nos deu estejam no altar de Deus a serviço a Deus.


AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes



++++++++++++++


===============





A CONTRIBUIÇÃO
CRISTÃ



I - A contribuição Cristã.

* Embora o assunto seja aparentemente simples, ele esconde, em si, uma enorme complexidade e, em função dessa complexidade, muitos líderes, no desejo de produzir mais receita para suas igrejas, terminam usando o tema de forma equivocada; por que não dizer anti-bíblica?

* E, por isso, causam escândalos, cometem excessos e mudam o caráter e a natureza de contribuição.

* Com a visão de ajustar, para um formato bíblico, as contribuições, bem como, de conscientizar cada membro do ministério que essa doutrina é fundamentalmente bíblica, e traz muitas bênçãos e prosperidades aos fiéis, principalmente na esfera espiritual, é que o tema foi escolhido.

* A contribuição cristã é uma forma de participar ativamente do Reino de Deus.

* Nenhuma igreja poderá subsistir sem a contribuição financeira de seus membros e congregados, pois delas dependem para suas prementes necessidades, tais como: construção de templos, mobilização, manutenção, sustento do ministério, realização da obra missionária etc.

* Por conseguinte ela constitui-se em uma importante doutrina que pode ser contemplada em toda extensão da Bíblia, desde Gn 4.3,4 até Ap. 8.13 em suas diversas variantes, ou seja, holocaustos (Gn 8.20,22.7, Êx 29.42, Lv 1.3,13), dízimos (Lv 27.30-33; Lv 18.24; Nm. 18.26) e ofertas voluntárias e alçadas (Êx 35.29, 36.3; Ed 2.68; Ez 20.40; Ml 3.8)

1 - OS OBJETIVOS DO ESTUDO:

* A temática será desenvolvida objetivando, inicialmente, conscientizar ao crente que contribuição é doutrina bíblica que abrange do Gênesis ao Apocalipse (Gn 4- Ap 8.3); posteriormente, dar ao aluno a compreensão de que a contribuição deve ser espontânea, voluntária, por gratidão e por reconhecimento da soberania de Deus.

2 - A ORIGEM DO DIREITO DE DEUS SOBRE NOSSAS POSSES


* A narrativa bíblica, em Gn 1-2.1-17, conta-nos que o Senhor Deus criou a terra, embelezou-a e tornou-a habitável; portanto, é legítimo dono e possuidor de todo Universo.

* Após a criação de nosso habitat, ele formou o homem em estado de inocência (Gn 1.26-28, 2.25); ele mesmo plantou um jardim (Gn 2.8) e colocou o homem para lavrá-lo e guardá-lo (v. 15) podendo usufruir dos frutos do jardim livremente e sem ônus algum, com exceção da árvore do conhecimento do bem e do mal (v. 17); porém, o homem preferiu desobedecer ao Senhor; por isso, foi expulso do paraíso e obrigado a trabalhar para sobreviver; além disso, perdeu o privilégio de viver as expensas de Deus e o direito à vida; portanto, tornou-se eterno devedor (Cl 2,13-14), ou seja, teria que pagar o preço de sua desobediência, tornando-se um verdadeiro arrendatário da vida.

* Logo se tudo foi formado por Deus, inclusive o homem, ele é Senhor de tudo e de todos (Cl 1.16-18. Is 45.12).

3 - O ATO DE CONTRIBUIR:

* A palavra contribuição, do latim Contribuere, significa concorrer para realização de determinado fim, cooperar, ajudar, ter parte num resultado ou uma despesa comum etc.

* A primeira contribuição narrada na história foi a de Caim (Gn.4.3) e a segunda a de Abel (Gn 4.4).

* É importante ressaltar que a Bíblia mostra que foram ofertas espontâneas e não exigidas por Deus.

* Caim e Abel ofereceram dádivas a Deus numa atitude de adoração, como forma de culto.

* Vale frisar que a liturgia dos piedosos antediluvianos até aos patriarcas Abraão, Isac e Jacó era bem simples e rudimentar, consistindo, apenas, na edificação de um altar de barro ou de pedras e na imolação de animais bem como na queima de cereais sobre o mesmo, Gn 8.20; 13.18; 26.25; Ex. 20.24; Jz 13.19.

* O ato de contribuir é, portanto, uma das primeiras formas de adoração e, portanto, ato de culto que se perpetuou ao longo dos milênios.

Nasceu do ato voluntário e espontâneo de homens tementes ao Senhor; mais tarde foi incorporado na lei cerimonial dos judeus, bastante usada na época de Cristo, e cultivado pela igreja cristã até os dias atuais.

* Tem, portanto, a aprovação de Cristo e é aceita por Deus como legítimo ato de culto de um verdadeiro adorador.

3.1 - A NATUREZA DA CONTRIBUIÇÃO:

* Como ato de culto, a contribuição é de natureza espiritual, embora sua manifestação seja material.

* É espiritual porque somente o homem espiritual discerne a vontade de Deus I Co 2.14 para contribuir de forma a agradá-lo, com espontaneidade e voluntariedade.

* O texto em epígrafe nos conta das ofertas de Caim e de Abel como atos de culto, de celebração.

* Embora fossem ofertas, uma foi aceita e a outra rejeitada porque uma tinha caráter espiritual (Abel) e a outra carnal (Caim) e isso por causa da qualidade interior dos adoradores.

* O texto sagrado testemunha de ambos, de Abel o texto diz que “pela fé Abel ofereceu a Deus maior sacrifício do que Caim, pelo qual alcançou testemunho de que era justo, dando Deus testemunho dos seus dons...” (Hb 11.4); o que evidencia, portanto, sua espiritualidade.

* Em relação a Caim afirma I Jo 3.12 “não como Caim, que era do maligno, e matou seu irmão. E por que causa o matou?

* Porque suas obras eram más e as de seu irmão justas”, mostra-nos, o texto, sua natureza carnal (Gl 5.17ss).

* De forma cristalina, o texto sagrado nos faz entender que uma oferta só é aceita quando antes dela o ofertante é aceito por Deus.

* Paulo ensina em Romanos 11:16 “E, se as primícias são santas, também a massa o é, se a raiz é santa, também os ramos o são”.

* Entendemos que se não formos santos e espirituais, nossas dádivas também não serão e jamais serão aceitas pelo Senhor.

4 - A OFERTA DE CAIM

* A Bíblia afirma nesse versículo que a oferta de Caim era para o Senhor como resultado do fruto do seu trabalho, pois o mesmo era lavrador da terra (Gn. 4.2).

* Nesse aspecto, a oferta era perfeita, pois obedecia aos requisitos, mais tarde, estabelecidos na lei, ou seja, espontaneidade, voluntariedade e primícias (Êx 22.29;Pv 3.9).

* Existem aqueles que dizem que a oferta de Caim não foi aceita por ser frutos da terra, ora veremos adiante que não é justo julgá-la por esse prisma, pois a oferta, como dissemos, preenchia aos requisitos legais, fora entregue como ato de celebração e para adoração; se a considerarmos imprópria pelo fato de ser fruto da terra, teremos que reprovar todas as ofertas de cereais ofertados ao longo dos milênios pelos camponeses, servos do Senhor, e por todo Israel, pois o seu sistema de culto era formado por oferendas do fruto do campo, das lavouras ( Êx 23.16,19)

4.1- A REJEIÇÃO DA OFERTA

* Faz se necessário que observemos a Palavra para entendermos a razão por que a oferta foi rejeitada.

* O versículo 5 afirma que, antes de o Senhor rejeitar a oferta, Ele rejeitou a Caim; portanto, o problema não estava na oferta, mas no ofertante.

* Muitos são aqueles que acham que Deus está interessado em bens materiais, ou seja, por serem materialistas julgam o Senhor por aquilo que são.

* Esquecem-se que Dele é a plenitude de todas as coisas, o universo e todo o ouro e prata, bem como todas “os tesouros das escuridades e as riquezas encobertas”, Is 45.3; Ag 2.8.

4.2- A REJEIÇÃO DE CAIM

* A oferta de Caim foi rejeitada porque ele não era perfeito diante de Deus; portanto, Deus rejeitou primeiro a pessoa de Caim; por um princípio bíblico entendemos que tudo que provém de uma fonte impura é impura também (Tg. 3.11, Mt 5.23-25)

* O testemunho de I Jo 3.12 afirma que Caim era do maligno e suas obras eram más, logo concluímos que antes de Deus se interessar pelas nossas ofertas, Ele se interessa pelo nosso estado espiritual.

* Lembremos de que Deus é dono de tudo (ouro, prata, animais do campo etc.) e não se vende nem se troca por coisas materiais; não há avareza em Deus, quem vende a alma por riqueza é o homem, embora a alma não lhe pertença.

5 - A ACEITAÇÃO DE ABEL

* O homem é aceito diante de Deus não pela abundância do que possui (riqueza) ou pelo que ele oferta, mas por aquilo que ele é, Lc. 12.20, Fp. 4.17-19.

* Quando Simão mágico ofereceu dinheiro para receber os dons do Espírito Santo At 8.19-21, Pedro o repreendeu dizendo que o dinheiro (dádiva, oferta) dele seria para sua própria perdição, porque o coração dele não era reto diante de Deus.

* Ele tinha dinheiro, mas não era convertido, nele não havia o sentimento de reconhecimento da grandeza de Deus; mas pensou que os Dons de Deus poderiam ser adquiridos por pagamento e poderia gerar-lhe mais fama, poder e aumentar suas posses.

* O texto afirma que antes de aceitar a oferta de Abel, Deus atentou para ele; isso significa que Deus o observou atentamente, reparou na atitude dele, e percebeu que a oferta dele era o resultado de um reconhecimento de sua Glória, era oriunda de um coração grato e procedia de um crente justo e cheio de fé, Hb 11.4.

5.1 - O DUPLO SENTIDO DA OFERTA DE ABEL

* Ao contrário da oferta de Caim, que revela a atitude de um crente carnal cujas obras apontam o caráter eminentemente terrenal Cl.3.2, a oferta de Abel precedia de um coração cheio de fé, Hb. 11.6, e temente a Deus Jo 9.31; portanto, revelava o caráter de um crente espiritual.

* O primeiro sentido da oferta de Abel era unicamente o de adorar a Deus, ser grato pela vida, pela salvação, não havia vislumbre de interesses secundários, de recompensa, de barganha etc. era puro reconhecimento, era celebração pura, como no dizer do salmista, Sl 138.1,2; 135.1-5.

* O segundo sentido da oferta era profético, apontava para o verdadeiro cordeiro, Jo 1.29, para o cordeiro da provisão, Gn 22.7,8; 10-14.

* Nosso culto deve ser voltado para a pessoa de Cristo e sua obra vicária, Rm. 12.2-3; tudo que fazemos deve ser para a Glória de Deus e não do homem, I Co 10.31b.

* Lamentavelmente, muitos cultos já não possuem o fito de pura celebração a Deus e não têm Cristo como o centro da adoração, mas são reuniões programadas para espoliar os bens dos crentes; promovem cultos animados com “pregadores” profissionais em arrecadação financeira em conluio com o dirigente e, ao final, repartem a “oferta do Senhor”, numa verdadeira afronta ao sentimento daqueles que ofertaram ardilosamente enganados por homens em quem confiavam.

* O que mais nos entristece é vê-los contar tais façanhas debochando das pobres e inocentes ovelhas que acreditaram que suas ofertas eram destinadas para promover o reino de Deus.

CONCLUSÃO:

* A oferta de um crente para ser aceita diante de Deus deve proceder de um coração consagrado e voluntário, com o objetivo, exclusivo, de louvor/adoração e exaltamento da pessoa de Deus, sem interesse em receber em dobro ou se enriquecer.

* Devemos saber que Deus não vende riqueza, mas abençoa os generosos e fiéis adoradores do seu nome que se preocupam em buscar o Reino de Deus e sua justiça em primeiro lugar, Mt 6.33.

* Devemos ser cuidadosos com nossos corações e suas motivações, principalmente em relação ao sentimento de avareza e egoísmo que está presente em função da herança que recebemos do Éden, nossas motivações devem ser puras e honestas e voltadas para a verdadeira adoração a Deus, Jo 4.24.



AUTOR: Pr. Olivar Basílio




=====================