quinta-feira, 3 de dezembro de 2009


Poupados no
Tempo da Adversidade


“Então aqueles que temem ao Senhor falam cada um com o seu companheiro; e o Senhor atenta e ouve; e há um memorial escrito diante dele, para os que temem ao Senhor, e para os que se lembram do seu nome. E eles serão meus, diz o Senhor dos Exércitos, naquele dia que farei serão para mim particular tesouro; poupá-los-ei, como um homem poupa a seu filho, que o serve. Então vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus e o que não serve”. (Ml 3.16-18).



Introdução:


- Estamos perplexos com todos os acontecimentos dos dias atuais. Desde as terríveis calamidades que são desencadeadas pelo desequilíbrio climático as não menos terríveis pandemias que acometem as massas, trazendo mortandade e tumulto entre as autoridades e porque não dizer a todos nós.

- Há uma diferença entre os ignorantes acerca das profecias e aqueles que avisados pela santa escritura e despertados continuamente pelo Espírito Santo, em sua maneira de encarar tais fatos e no tipo de vivência que terão daqui por diante.

- É sobre isso que queremos compartilhar, trazendo a nossa memória a Palavra de Deus e seus princípios que nos guiarão nesses tempos adversos.

1. Falando cada um ao seu companheiro

– A Bíblia nos declara que se nós falarmos uns com os outros em salmos, em hinos, e cânticos espirituais, seremos cheios do Espírito Santo (Ef. 5: 19).

- Então, nesses dias a primeira providência que devemos tomar é estar em nossos lábios a Palavra de Deus, suas promessas, a verdade que está acima de todos os fatos, calamidades e assolações.

- Devemos sim conservar firme nossa mente (Is. 26: 3) tornando-a cativa a verdade, pois Ela sim, nos garantirá equilíbrio, principalmente fé (Rm. 10: 17), e imunidade, pois as promessas de livramento nos últimos tempos estão contidas para o povo separado de Deus.

- Console seus familiares, exorte-os à fé em Jesus, fale ao seu companheiro e crie um ambiente de fé regado por declarações da verdade e o Espírito trará vida a cada uma dessas palavras, pois Ele atenta e ouve.

2. Andar em justiça e em verdade para se inscrever nos registros eternos

– O texto Bíblico declara que há um memorial diante do Senhor, que registra os atos daqueles que temem ao Senhor, e para os que se lembram do seu nome.

- É tempo e sempre foi tempo de se andar na presença do Deus Vivo.

- Nos dias adversos temos que constar nos anais eternos e termos crédito de justiça, fé e amor pelo Senhor.

- Aquele que habita no esconderijo do Senhor, zelando pela sua Palavra para fazê-la cumprir em sua vida, aquele que têm pago o preço de servi-lo com integridade são reconhecidos pelo Pai e os seus nomes estão diante dos seus olhos.

3. Saber de quem somos e viver para quem nos possui (V.17)

- A Bíblia é muito clara, quando Ela nos diz: “E eles serão meus, diz o Senhor dos Exércitos”.

- O grande diferencial nesses dias será quem pertence a quem. Se pertencermos a nós mesmos, ou se nossa vida foi totalmente entregue nas mãos do Senhor e para Ele estamos vivendo.

- Porque para quem vive em Deus Ele diz: “Serão para mim particular tesouro; vou poupá-los como um homem poupa a seu filho, que o serve”.

- Em Cristo estamos libertos dos perigos e calamidades desse tempo.

Que grande promessa!

Que grande livramento!

- Tomemos posse dessa verdade, permitindo que o Senhor domine todas as áreas de nossa vida e a promessa certamente se manifestará trazendo livramento a nós, povo de Deus.

4. Viver de modo diferente para ser tratado de modo diferente (v.18)

- Os dias que se seguirão demonstrarão quem serve a Deus e quem não serve.

- O que viver para Deus subsistirá da vida que Ele doar.

- A benção, os livramentos, a provisão, a estrutura familiar, estabelecerão um contraste em comparação com aqueles que não servem a Deus.

- Não estamos dizendo que os que são religiosos, ou freqüentadores de igrejas estarão incluídos nessa promessa.

- Mas os que fazem a vontade do Senhor, os que ouvem a sua voz, os que amam a sua presença, os que buscam a sua santidade, os que desejam ardentemente viver e andar em justiça, não para se destacar ante aos homens, mas por um desejo real de agradar aquele a quem tanto amam.

- O Salmista nos diz: “Pois que tão encarecidamente me amou, também eu o livrarei; pô-lo-ei num alto retiro, porque conheceu o meu nome. Ele me invocará, e eu lhe responderei; estarei com ele na angústia; livrá-lo-ei e o glorificarei. Dar-lhe-ei abundância de dias, e lhe mostrarei a minha salvação” (Sl 91.14-16).

Conclusão:

- Deus tem livramento para nos dar nestes dias. São dias difíceis, mas também serão dias gloriosos para aqueles que temem o nome do Senhor.

- Tomemos posse dessa Palavra e veremos a diferença entre aqueles que são filhos de Deus e aqueles que não são filhos de Deus.
Glórias ao Senhor



FONTE: Prs. Israel e Ludmila

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.