sábado, 31 de outubro de 2009


COMO ATRAIR
NOVAS PESSOAS


* Estamos estudando sobre as características de um crescimento saudável.
Para crescer de maneira saudável a igreja precisa receber novas pessoas de forma contínua. Novas pessoas são como o oxigênio para o corpo. Sem ele as células acabam por morrer.

* Uma igreja que não recebe novas pessoas com o tempo fica doente. A comunhão diminui e começas os conflitos; as pessoas ficam menos criativas e o pensamento engessa; a igreja perde a visão evangelística porque não sente a dor dos que estão fora, etc.

* Novas pessoas significam novas idéias, significa ardor evangelístico renovado, abertura para mudanças. Vida gera vida e novas pessoas são a garantia da sobrevivência da igreja.
* Nossa igreja está descobrindo o valor de receber novas pessoas continuamente. Desejamos que este fluxo continue. Desejamos ver a igreja crescer continuamente e de forma saudável.

* Mas o crescimento não é automático. Ele é fruto do milagre de Deus e de uma consciente ação da liderança da igreja e de cada membro.
Por isso vamos repassar algumas condições para que o crescimento aconteça.
1 – Precisamos decidir crescer
E o Senhor lhes acrescentava diariamente os que iam sendo salvos. (Atos 2.47)
* Acredite ou não, a barreira principal que impede o crescimento da igreja é o desejo.
* Você quer realmente crescer? Se sua resposta é sim, então você deve se comprometer com esse alvo e abrir-se para aceitar as mudanças. Todos na igreja devem estar abertas também a essas mudanças.
* A Bíblia diz - “Digo-lhes verdadeiramente que, se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto”.
* Para que a igreja cresça, algumas coisas precisam morrer. Aqueles que têm intimidade com o pastor precisam aprender a compartilhar de suas ações com as outras pessoas.
* Você deve ter o desejo de abdicar do controle de certas decisões e de certas áreas. Isso exige muito deixar seu jeito egoísta.
* Precisa deixar morrer algumas tradições, alguns sentimentos, alguns relacionamentos de modo a que o Reino de Deus vá em frente. Isso exige muita maturidade.
2 – Precisamos aceitar a mudança no papel dos pastores
* Uma vez que decidimos pelo crescimento, precisamos aceitar que muda a função dos pastores. A função dos pastores vai gradativamente mudando de ministro para líder.
* Se todas as coisas dependem do pastor, se ele vai precisar ministrar para cada pessoa, então a igreja não pode crescer além do nível de suas energias. E isto é uma barreira! O pastor se torna uma espécie de rolha, um obstáculo ao crescimento.
* O pastor de uma igreja pequena conhece todas as pessoas, faz todas as orações, todos os batismos, todo o ensino, conhece todas as famílias, cada criança, todos os cachorros e gatos e ele os pastoreia pessoalmente. Mas há um limite para quantas pessoas o pastor pode pastorear pessoalmente.
Acreditamos que todos precisam de CUIDADO PASTORAL.
Mas esse cuidado não tem que necessariamente ser ministrado pelo pastor ordenado. Por isso estamos implementando os Pequenos Grupos.

* Desejamos que nos PGs cada pessoa na igreja receba cuidado pastoral.
Com o tempo os pastores da igreja ficarão mais e mais liberados para cuidar da essência do ministério, que está registrada em Efésios 4.11-13
E ele designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado, até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo.

3 – Precisamos de Pequenos Grupos
* Todos os dias, continuavam a reunir-se no pátio do templo. Partiam o pão em suas casas, e juntos participavam das refeições, com alegria e sinceridade de coração. (Atos 2.46)
* As pessoas sempre reclamam que não são atendidas em suas necessidades quando na verdade estão perdendo o controle. “Há tanta gente aqui que ninguém tem tempo para cuidar de mim”, é uma reclamação muito comum. Outra é, “O pastor está muito ocupado para cuidar de mim.”
* Cuidar é uma necessidade legítima, mas você pode fazer isso multiplicando os Pequenos Grupos – grupos de 8 a 12 ou 15 pessoas.
* Os pastores continuarão cuidando de pessoas. No entanto, cada vez mais esta tarefa ser´c compartilhada com outros líderes.
* Temos hoje 3 Grupos de Treinamento onde cerca de 45 pessoas estão sendo preparadas para liderar os nossos futuros Pequenos Grupos. E no dia 04 de março (reserve esta data) faremos o lançamento oficial dos nossos futuros grupos de membresia.
4 – Precisamos de novos ministérios
* Cuide em cumprir o ministério que você recebeu no Senhor. (Colossenses 4.17) - Os pastores desejam compartilhar liderança.
* Desejamos ver a igreja mobilizada em vários ministérios e cada um fazendo aquilo para o qual Deu o moldou.
* Desejamos ver surgir ministério que sejam o retrato das necessidades de nossa comunidade e com isso atrair mais e mais pessoa.
* Desejamos ver surgirem cultos variados, onde as pessoas possam adorar a Deus dentro de seu estilo particular. Isto acontece hoje com os nossos adolescentes. Se isto acontecer com outros grupos, atrairemos pessoas novas com mais velocidade.
* Novos ministérios são fundamentais para atender necessidades específicas da igreja e da comunidade. Um dos segredos da multiplicação é atender as necessidades.
5 – Precisamos de novos líderes na Equipe Pastoral
* Então disse aos seus discípulos: "A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Peçam, pois, ao Senhor da colheita que envie trabalhadores para a sua colheita". (Mateus 9.37-38)
* Com o crescimento aumenta muito o trabalho. Somente com novos líderes que possa dedicar maior tempo, recursos e energia, poderemos atender às necessidades da igreja.
* Temos hoje muitas demandas reprimidas. Estamos buscando direção de Deus para trazermos novos líderes (de dentro ou de fora) para fazer parte da Equipe Pastoral.
6 – Precisamos realizar eventos com a comunidade
* Todos os dias continuavam a reunir-se no pátio do templo. (Atos 2.46)
* Eventos chamam a atenção das pessoas.
* Eventos causam impacto.
* Eventos mobilizam a igreja.
* Eventos com a comunidade tornam a nossa igreja mais conhecida.
* Neste ano realizamos vários eventos como a Festa da Família (nossa festa caipira), a Manhã Gospel, a Adoração In Concert, a o lançamento do Celebrando a Recuperação, a Feira de Ministérios e o aniversário da igreja. Vamos continuar realizando outros eventos.
7 – Precisamos de mais espaço
Diz o SENHOR. "Alargue o lugar de sua tenda, estenda bem as cortinas de sua tenda, não o impeça; estique suas cordas, firme suas estacas. Pois você se estenderá para a direita e para a esquerda; (Isaías 54.2-3)
* A igreja de Saddleback, possuia mais de 10.000 membros antes de construir o primeiro prédio. Isso mostra que uma igreja pode crescer sem ter patrimônio.
* Mas se faltar espaço a igreja pára de crescer. Uma pesquisa com milhares de igrejas nos Estados Unidos mostrou que quando o espaço chega a 80% de ocupação as pessoas começas a trabalhar menos para trazer mais pessoas. Isto porque o conforto diminui. Falta estacionamento, tem fila na cantina, os lugares melhores lugares sãos disputados, falta melhor acomodação para as crianças, fica mais quente, etc.
* Acreditamos que este lugar onde estamos já ficou pequeno. Precisamos de novos espaços.
* Precisamos de um espaço apropriado para os cultos, para os ministérios, para os eventos. Precisa ser um lugar bem localizado e que comporte nosso crescimento pelos próximos anos.
* Dificilmente este novo local poderá ser comprado. Precisaremos novamente alugar um espaço. Mas a experiência já mostrou que com isso a igreja crescerá.
* Estamos orando para que Deus confirme um outro lugar em breve. Quem sabe mudaremos ainda no ano que vem?
CONCLUSÃO
Para atrair pessoas novas, precisamos:
1. Decidir crescer
2. Aceitar que o papel do pastor mudará conforme o crescimento
3. Desenvolver um amplo ministério de Pequenos Grupos
4. Criar novos ministérios
5. Convidar mais líderes para a Equipe Pastoral
6. Realizar eventos com a comunidade
7. Ampliar nosso espaço físico




AUTOR: Pr. Ricardo Aurino








COMO FORMAR A
EQUIPE DOS SONHOS






• Estamos estudando sobre as características de um crescimento saudável.

Deus constrói sua igreja a partir das pessoas.

• Uma igreja saudável precisa de Equipe dos Sonhos. Um grupo de pessoas especial, que seja um poderoso instrumento nas mãos de Deus.

• Como é a sua equipe de trabalho no seu trabalho? É uma equipe dos sonhos? E como é a sua equipe de trabalho no seu ministério? É uma equipe dos sonhos.

• Vamos meditar sobre como formar a equipe dos sonhos.

I - Decida trabalhar em equipe

1. Convide pessoas

2. Divida liderança

3. Mantenha a visão

4. Encoraje e elogie.

II - Peça a Deus que envie os ceifeiros

• Escolhas humanas = escolhas erradas

• Vidraceiros, carpinteiros ou pedreiros não fazem o trabalho direito.

Só ceifeiros sabem ceifar. Pessoas certas nos lugares errados.

III – Trabalhe com os cinco fatores (“Cs”) da liderança

1. CARÁTER

2. COMPETÊNCIA

3. CRESCIMENTO

4. CONTINUIDADE5. COMBINAÇÃO

CONCLUSÃO

Para formar a Equipe dos Sonhos:

1. Decida trabalhar em equipe

2. Ore e dependa de Deus

3. Trabalhe com os cinco fatores (Cs) em mente


AUTOR: Pr. Ricardo Aurino


sexta-feira, 30 de outubro de 2009


LEVANTE-SE
Lc 22.54-62



- Às vezes andamos por terrenos incertos.

- Às vezes nos aventuramos bem perto dos penhascos. Muitas vezes caímos!

- Às vezes olhamos lá do fundo do abismo, meio perdido, envergonhado e sem direção.

- Machucados, sem direção, doídos, sangrando, fracassados, envergonhados e imaginando se existe um jeito de sair do fundo do poço.

- Esquecemos os nossos afazeres, largamos os nossos ministérios, esfriamos na oração, deixamos de ser testemunha, fechamos a cara, deixamos de estar no meio dos Filhos de Deus e diante da presença d’Ele.

- Quando completou a idade de trinta anos de idade Jesus se mudou para Cafarnaum, perto do lago da Galiléia.

- Foi ali que Pedro o conheceu. Teve uma experiência com o seu ensino. Na praia, comendo peixe assado e ouvindo e tendo cada dia uma amizade mais profunda com Jesus.
Pedro viu grandes milagres:

Água sendo transformada em vinho da melhor qualidade.
Viu as duas multiplicações dos pães e peixes.
Viu Lázaro ser ressuscitado.
Viu a filha de Jairo reviver.
Viu a mulher que tinha uma hemorragia ser curada.
Ele viu cegos verem.
Ele viu o mestre sobre as águas e andou nela e recebeu a ajuda de Jesus quando afundava.
Ele viu a face de Jesus brilhar no monte.
Ele disse que nunca iria deixar que os romanos ou judeus prendessem Jesus.
Foi ele que no jardim do Getsêmani puxou uma espada e cortou a orelha do soldado que prendia Jesus.
Presunçosamente ele tenta proteger o Filho de Deus.

SENDO ASSIM, QDO COMEÇOU A QUEDA DE PEDRO? 1. A queda de Pedro começa com a sua segurança em si mesmo - Mt 26:33,35

* Eu creio que Pedro ficou meio sem entender quando Jesus lhe ordenou a guardar a espada.

* Eu creio que ele esperava uma luta. Ele fica chocado quando vê Jesus se entregar, passivamente a morte. Aquilo traz em suas emoções um descontrole, ele não imaginava aquilo acontecer. Por isso viu toda a sua confiança ser derrubada pela expectativa errada.

* Confiar em si mesmo levou Pedro ao despencar do abismo.

QDO COMEÇOU A QUEDA DE PEDRO?
2. A queda de Pedro começa quando ele escolhe o caminho do meio.
Mc 14:54 - Pedro o seguiu de longe até o pátio do sumo sacerdote.

- Sentando-se ali com os guardas, esquentava-se junto ao fogo. Ele não ficou muito perto, nem muito longe.

- Os discípulos escolheram o lado esquerdo do caminho e fugiram. Jesus escolheu o lado direito do caminho e obedeceu cumprindo a sua vinda.

- Pedro escolheu o caminho do meio, ficou sobre o muro – isso foi um grande erro.

- A nossa queda começa quando estamos morno. Não estamos nem lá nem cá. Não tomamos decisão.

- Jesus disse isso para uma igreja em Ap 3:15-16

QDO COMEÇOU A QUEDA DE PEDRO?
3. A queda começa quando nós tomamos o caminho morno da vida espiritual. 56-60

- Nem perto demais, nem longe demais.
“Seria melhor ocultar-se nas sombras com os discípulos. Seria melhor ficar na corte, ao lado do Mestre. Mas em vez disso, Pedro está aquecendo as mãos na lareira do diabo”.

- Ele sente o chão da acusação ceder. E ele cai.

- Cada pergunta é uma apunhalada, e cada resposta é uma pancada na face de Cristo.

Alguns usam algumas fugas:
- Nega que caíram.
- Colocam a culpa no diabo.
- Colocam a culpa na situação.
- Dizem “isso é assim mesmo”.

CONCLUSÃO:

Pedro nos ensina alguns princípios para se levantar da queda:

1º Princípio – Aprenda a lidar com o problema.
62 - Saindo dali, chorou amargamente.
Não podemos manter segredos diante de Deus.
Confessar é simplesmente concordar com Deus. Reconhecendo que nossos atos são errados.

Pedro lembra das palavras de Jesus e chora amargamente.
Cada lágrima, cada soluço, um reconhecimento.
Cada bramido que saia daquela garganta era uma confissão: Eu errei, você estava certo Jesus, eu não sou nada sem ti.

Gostamos de esconder as coisas de Deus.
Nós sempre evitamos uma palavra que nos traz grande dor no coração – Culpa.
Aquele dia Pedro enfrentou a culpa ele não se escondeu dela.

2º Princípio – Aprenda a levantar e recomeçar.
Sl 37:23-24; 145.14; Pv 24.16; AP 2.5




FONTE:
http://www.quartaigreja.org.br/mensagem%20texto/Levante.doc

quinta-feira, 29 de outubro de 2009


PERDIDO DENTRO
DA IGREJA
Lucas 15.25-32



Introdução:

- O texto de Lucas 15.25-32, fala sobre o irmão do filho pródigo.

- Ele aponta o terrível perigo de estar na casa do pai, dentro da igreja, obedecendo leis, cumprindo deveres, sem se enveredar pelos antros do pecado, e ainda assim, estar perdido.

Podemos chegar a essa conclusão pelas seguintes razões:

1. Vive dentro da igreja, mas não é livre

“Mas ele respondeu a seu pai:

- Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos” (v. 29) - Ele não vive como filho, mas como escravo.

- Faz as coisas certas com a motivação errada. Sua obediência não provém do coração, mas da obrigação.

- Ele nunca entendeu o que é ser filho. Nunca conheceu o amor do Pai. Muitos, também, estão na igreja por uma mera obrigação. Obedecem, mas não têm alegria. Estão na casa do Pai, mas vivem como escravos.

2. Vive dentro da igreja, mas está com o coração cheio de amargura

“Mas ele respondeu a seu pai:

- Há tantos anos que te sirvo sem jamais transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito sequer para alegrar-me com os meus amigos; vindo, porém, esse teu filho, que desperdiçou os teus bens com meretrizes, tu mandaste matar para ele o novilho cevado” (v. 29,30)

- O filho mais velho irrita-se com a misericórdia do Pai. Ele não se alegra com a restauração do seu irmão caído. Para ele quem erra não tem chance de restauração nem deve ser objeto de perdão. Na religião dele não havia agenda para o amor.

- Mas a Palavra de Deus diz que quem não ama a seu irmão ainda permanece nas trevas.

- O ódio que ele sentia pelo irmão não era menos grave que o pecado de dissolução que outro cometera fora da igreja.

- O ressentimento que crepitava em seu coração o isolou do Pai e do irmão.

- Ele se recusou a entrar em casa para celebrar a volta do irmão arrependido, antes se encolheu magoado, revoltado, envenenado pela mágoa destruidora.

3. Vive dentro da igreja, na presença do Pai, mas anda como solitário

“Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu” (v. 31)

- Ele anda sem alegria. Está na casa do Pai, mas não tem comunhão com ele.

- Muitos também estão na igreja, mas não têm intimidade com Deus, não desfrutam da alegria da salvação, não experimentam as doces consolações do Espírito, vivem como órfãos, sozinhos, curtindo uma solidão dolorosa.

4. Vive dentro da igreja, mas não se sente dono do que é do Pai

“Então, lhe respondeu o pai: Meu filho, tu sempre estás comigo; tudo o que é meu é teu” (v. 31)

- Ele era rico, mas estava vivendo na miséria. Tinha toda a riqueza do Pai à sua disposição, mas vivia como escravo.

- Era filho, mas não banqueteava com os seus amigos. Assim, também, muitos vivem na igreja sem experimentar os banquetes do céu, servindo a Deus por obrigação, sem alegria no coração.

Conclusão:

- O mesmo Pai que saiu para abraçar o filho pródigo arrependido sai para conciliar este filho revoltado.

- O arrependido, com o coração quebrantado, festejou a sua restauração; o outro ficou do lado de fora, perdido, com o coração endurecido.



AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes









quarta-feira, 28 de outubro de 2009


O SEGREDO DA FELICIDADE

Recomendamos a leitura da Bíblia em Mateus capítulos 5-7, Lucas capítulo 6, bem como livros que comentem essas passagens.



Jesus estava no início de seu ministério terreno e já atraia multidões. Certo dia, às margens do Mar da Galiléia, ele proferiu o seu sermão mais famoso, denominado Sermão do Monte. Veja a foto do local tradicionalmente identificado como o Monte das Bem-Aventuranças.

As Bem-Aventuranças constituem a introdução do Sermão do Monte e é considerada como a parte geral deste sermão.

- Mt 5. 1-11

1 Vendo as multidões, Jesus subiu ao monte e se assentou. Seus discípulos aproximaram-se dele, 2 e ele começou a ensiná-los, dizendo: 3 Bem-aventurados os pobres em espírito, pois deles é o Reino dos céus. 4 Bem-aventurados os que choram, pois serão consolados. 5 Bem-aventurados os humildes, pois eles receberão a terra por herança. 6 Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, pois serão satisfeitos. 7 Bem-aventurados os misericordiosos, pois obterão misericórdia. 8 Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus. 9 Bem-aventurados os pacificadores, pois serão chamados filhos de Deus. 10 Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o Reino dos céus. 11 Bem-aventurados serão vocês quando, por minha causa, os insultarem, os perseguirem e levantarem todo tipo de calúnia contra vocês.

- Antes de analisarmos as Bem-Aventuranças (texto), devemos meditar no Sermão do Monte (contexto).

- Mateus é considerado o Evangelho do Reino porque apresenta Jesus como o Rei Messias que veio ao mundo cumprir a promessa de implementação do Reino de Deus.

- Dentro desta perspectiva é apresentada uma divisão do Sermão do Monte:Mt 5.1-16 – a proposta de vida no Reino e a revelação do caráter cristão.
Mt 5.17-48 – os preceitos da vida no Reino.
Mt 6.1 a 7.12 – a prática da vida no Reino.
Mt 7.13-29 – a demonstração da vida do Reino.

Segundo vários autores como o pastor Carlos McCord e Martyn Lloyd Jones, o Sermão do Monte não aponta o que devemos fazer, mas sim o que já somos em Jesus.O Sermão do Monte
Revela a natureza de Deus.
Expõe o pecado dos corações.
Revela a diferença entre o Reino de Deus e o Mundo.
Apresenta os fundamentos do Evangelho da Graça.
Revela o modelo de vida desejado por Deus para nós.
O Sermão do Monte apresenta um padrão de vida que conduz à felicidade. Mas diante desse tão elevado padrão de conduta, nossa primeira reação é dizer:

Não posso! É impossível! Ninguém consegue viver assim!
Essa é a reação baseada na carne. Quem anda pelo Espírito vai dizer:
Eu não sou perfeito e, portanto, não posso viver segundo o que preceitua o Sermão do Monte. Mas a Perfeição que habita em mim – Jesus Cristo – é capaz de viver esse padrão.
O maior erro dos cristãos é pensar que o Sermão do Monte é um estilo de vida a ser alcançado por esforço ou méritos.
O Sermão do Monte
apresenta a essência do caráter cristão que o Espírito Santo está formando em nós através da fé em Jesus.A única forma de vivermos segundo o Sermão do Monte é fazermos isso através de Jesus.

PARA VIVER A VERDADEIRA FELICIDADE
I – DESCUBRA A VONTADE DE DEUS.
Rm 12.2 - Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.

- Mundo Pós-Moderno – mundo de moral relativizada.

- Existe um padrão moral no Universo.



PARA VIVER A VERDADEIRA FELICIDADE

II – RECONHEÇA SUAS LIMITAÇÕES.
Rm 7.24 - Miserável homem que eu sou! Quem me libertará do corpo sujeito a esta morte?

- O primeiro passo para a felicidade é reconhecer o próprio pecado e fraqueza.

- Devemos lembrar que a nossa natureza carnal é corrompida e inclinada para o mal.
Não podemos por nós mesmos viver o padrão de santidade de Deus.

PARA VIVER A VERDADEIRA FELICIDADE
III – BUSQUE SANTIDADE.
Hb 12.14 -
Esforcem-se para viver em paz com todos e para serem santos; sem santidade ninguém verá o Senhor. Sem santidade...
- Não é o pecado que traz o verdadeiro prazer.
- A verdadeira felicidade somente é possível para quem vive uma vida santa

PARA VIVER A VERDADEIRA FELICIDADE
IV – ASSUMA SUA NOVA IDENTIDADE

2Co 5.17 - Portanto, se alguém está em Cristo, é nova criação. As coisas antigas já passaram; eis que surgiram coisas novas!

- Quando aceitamos Jesus nascemos de novo e passamos a ter uma nova natureza. - Devemos viver de acordo com os padrões dessa nova natureza.

PARA VIVER A VERDADEIRA FELICIDADE
V – VIVA O PERMANECER.
Jo 15.5 - Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma.

Permanecer é:

- Viver um relacionamento sem barreiras com Jesus.

- Viver ligados a Deus 24 horas por dia e 7 dias por semana.

- Viver dependente de Jesus.

- É buscar satisfação em Deus

- É descansar em Jesus

CONCLUSÃO

- Estamos no início de uma jornada. Vamos aprender com as Bem–Aventuranças como vivermos um padrão de vida que nos levará à uma vida de felicidade plena e duradoura.

- Mas para que isso aconteça precisamos antes:Discernir a vontade de Deus.
Reconhecer nossos pecados e limitações.
Valorizar a santidade.
Assumir uma nova identidade
Permanecer em Jesus.

Descubra o segredo da verdadeira felicidade. Descubra como permanecer em Jesus.



AUTOR: Pr. Ricardo Aurino


terça-feira, 27 de outubro de 2009


A reforma não é
uma opção,
mas uma
necessidade






* A Reforma não é uma caiação da velha estrutura religiosa, nem uma pele bronzeada para cobrir o esqueleto doente de uma teologia herege.

* A Reforma não é uma mudança epidérmica motivada apenas pela busca do novo.

* A Reforma é uma volta às Escrituras, um retorno à doutrina dos apóstolos, um compromisso inalienável com a verdade divina.

* Vamos, aqui abordar três áreas na vida da igreja contemporânea que precisam de Reforma profunda, urgente e bíblica:

1. Precisamos de Reforma na Teologia

- A teologia é a base, o alicerce e o fundamento da vida. A ética decorre da teologia e não esta daquela.

- A teologia determina o comportamento; a doutrina rege a vida. Se a teologia estiver errada, a vida não pode estar certa.

- A igreja cristã havia se desviado da doutrina dos apóstolos e acrescentado muitos dogmas estranhos e heréticos ao seu arcabouço doutrinário.

- A Reforma denunciou esses erros, eliminou-os e colocou a igreja de volta nos trilhos da verdade.

- Hoje, precisamos de uma nova Reforma. Há muitos desvios e muitos acréscimos absolutamente estranhos ao ensino bíblico presentes em algumas igrejas chamadas evangélicas.

- O liberalismo com sua falsa sapiência duvida da integridade da Escritura e tira dela as porções que lhe incomodam ou interpreta à revelia as partes que lhe convém. Se o liberalismo tira da Escritura o que nela está, o misticismo acrescenta à ela o que nela não está.

- As igrejas cristãs estão eivadas de práticas que beiram ao paganismo.

Estamos vivendo uma geração que está sacrificando a razão, que está promovendo o antiintelectualismo.

- Precisamos de uma Reforma não só para nos colocar de volta na vereda da verdade, mas também para mostrar-nos que o conhecimento das Escrituras não é contrário à piedade, mas a sua própria base e essência.


2. Precisamos de Reforma na Liturgia

- Se a teologia é a base da vida, a liturgia é a manifestação da teologia. Aquilo que cremos, professamos no culto.

- O culto é a manifestação pública da nossa fé. Uma das razões mais gritantes que evidenciam a necessidade urgente de uma nova Reforma é o esvaziamento da pregação nas igrejas evangélicas.

- Perdemos a centralidade de Cristo no culto e a primazia da pregação das Escrituras. Estamos nos capitulando à proposta do culto show.

- Em muitas igrejas o púlpito foi substituído pelo palco, a Bíblia pelo entretenimento e o choro pelo pecado pela encenação glamourosa.

- As músicas estão se tornando produto de consumo. As letras dessas músicas, com raras exceções, estão cada vez mais vazias de conteúdo bíblico e os cantores gospel cada vez mais populares.

- Precisamos de liturgia pura, de liturgia que coloque Cristo no centro do culto em lugar do homem no centro.

- Precisamos de liturgia onde o púlpito não seja governado pelos bancos. Onde a mensagem não seja mercadejada, onde o evangelho não seja diluído para agradar a preferência dos ímpios.

- Precisamos de uma liturgia que glorifica a Deus, exalte a Cristo, honre ao Espírito Santo, promova o evangelho, edifique os santos e traga quebrantamento aos incoversos.

3. Precisamos de Reforma na Vida

- A ortodoxia é boa. Ela é a melhor.

- A ortodoxia é insubstituível, porém, apenas doutrina certa não é suficiente se nós não a colocamos em prática.

- A ortodoxia morta mata tanto quanto o liberalismo e é tão nociva quanto o misticismo.

- Precisamos nos acautelar para não cairmos no laço de um intelectualismo vazio e de uma ortodoxia morta.

- Precisamos de luz na mente e fogo no coração.

- Precisamos ter cuidado da doutrina e também da vida.

- Precisamos crer na verdade e viver na verdade.

- Precisamos de ortodoxia e de piedade.

- Há muitas igrejas que não pregam heresia, mas também não vivem a verdade que pregam.

- Há crentes secos como um poste e áridos como um deserto.

- Precisamos de uma Reforma que nos ponha de volta no caminho de uma vida cheia do Espírito Santo.

Que Deus nos ajude a buscarmos essa Reforma da teologia, da liturgia e da vida!


AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes



segunda-feira, 26 de outubro de 2009


VOCÊ NÃO
É UM ACIDENTE!



“Pois nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos ou soberanias, poderes ou autoridades; todas as coisas foram criadas por ele e para ele.” (Cl. 1:16)

“A menos que se admita a existência de Deus, a questão que se refere ao propósito da vida não tem sentido.” (Bertrand Russell – Ateu)



INTRODUÇÃO:

“Nele fomos também escolhidos, tendo sido predestinados conforme o plano daquele que faz todas as coisas segundo o propósito da sua vontade” (Ef. 1:11)

Qual é o sentido da vida?

- Existem pessoas que buscam o sentido para sua vida...

Nas religiões,Nos esportes,Na piedade,Nos negócios,Nos prazeres,Nos estudos,E outros até mesmo nos vícios.

- Todavia está provado que nada disto realmente trás sentido para nossa vida.

- Então o que realmente dá sentido para vivermos?

- A questão não é você, e tudo que listei acima se refere a você, seus gostos e preferências, virtudes e defeitos.

O propósito da vida é muito maior que sua própria realização pessoal.

O propósito da sua vida é maior que sua carreira, família, sonhos e ambições.

O propósito de sua vida está em Deus! Por isso você não irá descobrir o propósito da vida olhando para você mesmo, por isso TODOS precisamos nos voltar para Deus, e Jesus Cristo é o único Caminho para Deus.

“Respondeu Jesus: Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim.” (Jo. 14:6)

A grande questão é: Quem nos criou? Foi Deus? Então somente ele, nosso proprietário pode nos mostrar nossa verdadeira utilidade. Isto é para que fomos feitos!

Muitas pessoas estão lendo livros de auto-ajuda, não posso dizer que eles são ruins... Todavia basicamente todos eles seguem uma mesma direção:

1. Dê valor aos seus sonhos,

2. Defina seus valores,

3. Estabeleça metas,

4. Foque no seu ponto forte,

5. Aspire grandes objetivos,

6. Vá a luta, mate um leão por dia!

7. Seja disciplina

8. Acredite em si mesmo,

9. Envolva outras pessoas,

10. Jamais recue diante dos problemas.

- É lógico que estas orientações são muito boas, eu as aplico em minha vida e ministério, observando e praticando podemos ter grandes vitórias. Mas esta não é a grande essência na vida, porque não estou falando de auto-ajuda.

- Estou falando de sacrifício, entrega, devoção, rendição, é a forma de achar nosso verdadeiro EU.

- Veja o ensino de Jesus: “Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a sua vida por minha causa, a encontrará.” (Mt. 16:25)

- Você foi feito por Deus e para Deus, por isso que se você está vivendo longe de Deus, você está vivendo para si ou para os outros e não para Deus, e assim você nunca será plenamente feliz e realizado.

Veja o que diz Paulo: “A mentalidade da carne é morte, mas a mentalidade do Espírito é vida e paz” (Rm. 8:6)

- E note bem, Deus não é apenas o ponte de partida da nossa vida, Ele é a fonte de vida para nossa vida!

- Se você deseja entender o sentido da vida volte-se para Palavra de Deus e não para a sabedoria deste mundo.

- Você não é um acidente! Veja neste verso de (Ef. 1:11) três grandes descobertas a respeito do seu real propósito de vida aqui na terra...

1. VOCÊ DESCOBRE O SEU PROPÓSITO DE VIDA ATRAVÉS DE UM RELACIONAMENTO COM JESUS:

- “Nele fomos também escolhidos,”

- Deus o aguardava aqui na terra! Muito antes de ser concebido por seu pais,m Deus já pensava em você e assim o escolheu.

- “Em sua mão está a vida de cada criatura e o fôlego de toda a humanidade.” (Jó. 12:10)

2. VOCÊ DESCOBRE O SEU PROPÓSITO DE VIDA ATRAVÉS DO AMOR DE DEUS: “Tendo sido predestinados”

- Veja que declaração de Deus maravilhosa para você:

“Assim diz o SENHOR, aquele que o fez, que o formou no ventre, e que o ajudará: Não tenha medo...a quem escolhi.” (Is. 44:2)

- Sua vida não é um acidente! Até porque, como disse Albert Eistein: “Deus não joga dados”

- Deus o planejou com muito cuidado e carinho, pensou em sua raça, cor do cabelo, sua altura (Por vezes o peso é nossa decisão!), Ele decidiu o dia do seu nascimento e já sabe também o dia da sua partida, portanto nada em sua vida é casual.

- Veja que texto lindo: “Meus ossos não estavam escondidos de ti quando em secreto fui formado e entretecido como nas profundezas da terra” (Sl. 139: 15)

- Pode até haver pais ilegítimos, mas não existem crianças ilegítimas, muitos filhos nos dias de hoje não foram planejados por seus pais, mas não são um imprevisto para Deus.

- O propósito de Deus sabia do erro humano e também do pecado no mundo. Deus não comete erros. Isto é boas novas para você!

- A questão é que talvez você tenha feito escolhas erradas, e por isto algumas coisas deram erradas em sua vida. Mas sempre é tempo de REVER e RECONSTRUIR!

- É tempo de se voltar para Deus e seus propósitos.

3. VOCÊ DESCOBRE O SEU PROPÓSITO DE VIDA ATRAVÉS DO PLANO DE DEUS:

“ Conforme o plano daquele que faz todas as coisas segundo o propósito da sua vontade,”

- Ele planejou o melhor, com todo cuidado antes mesmo de você nascer! Aleluia. Você escolheu sua carreira, seus passatempos, seus amigos, mas não pode escolher seu propósito!

- A Bíblia diz que Deus é amor, e não que Deus tem amor!

Como disse anteriormente, a questão é que talvez você tenha feito escolhas erradas, e por isto algumas coisas deram erradas em sua vida. Mas sempre é tempo de rever e reconstruir! É tempo de se voltar para Deus e seus propósitos É tempo de ARREPENDIMENTO.

• CONCLUSÃO:

- Sem Deus em sua vida, sua vida não faz nenhum sentido!

- Quero lhe dar um presente! Receba estas Palavras em seu coração:
Ef. 3: 20 – “Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós.”Is. 46: 3-4 - “Vocês, a quem tenho sustentado desde que foram concebidos, e que tenho carregado desde o seu nascimento. Mesmo na sua velhice, quando tiverem cabelos brancos, sou eu aquele, que os susterá. Eu os fiz e eu os levarei; eu os sustentarei e eu os salvarei.”

- Se Deus não existisse você seria um acidente! Mas isto não é verdade, Deus existe, Ele te criou, ama e cuida de você a cada dia, e por isso Ele deseja que você viva para sempre cumprindo Seus propósitos.


FONTE: Pr. Luiz Sanches - Pastor Sênior / Baseado no livro do Pr. Rick Warren



domingo, 25 de outubro de 2009


Eu quero perfumar
a minha história
Mateus 26



6 - Estando Jesus em Betânia, na casa de Simão, o leproso,
7 - aproximou-se dele uma mulher com um frasco de alabastro contendo um perfume muito caro. Ela o derramou sobre a cabeça de Jesus, quando ele se encontrava reclinado à mesa.
8 - Os discípulos, ao verem isso, ficaram indignados e perguntaram: “Por que este desperdício?
9 - Este perfume poderia ser vendido por alto preço, e o dinheiro dado aos pobres”.
10 - Percebendo isso, Jesus lhes disse: “Por que vocês estão perturbando essa mulher? Ela praticou uma boa ação para comigo.
11 - Pois os pobres vocês sempre terão consigo, mas a mim vocês nem sempre terão.
12 - Quando derramou este perfume sobre o meu corpo, ela o fez a fim de me preparar para o sepultamento.
13 - Eu lhes asseguro que em qualquer lugar do mundo inteiro onde este evangelho for anunciado, também o que ela fez será contado, em sua memória”.

Introdução:

* Este é para a maioria dos comentaristas bíblicos o mesmo texto relatado em Marcos 14:3, Lucas 7:37 e João 12:5

* Jesus estava comendo na casa de um Fariseu – chamado Simão – esse homem tinha dois grandes problemas: Era fariseu (ultra-religioso) e ainda era leproso.

* Tinha uma doença incurável e sofria com o preconceito e o asco da sociedade que o rodeava.

* Mas mesmo assim Jesus vai a sua casa para comer passar um momento com aquele homem.

* Jesus gostava de fazer essas visitas.

* Marcos fala que ele estava comendo na casa deste homem – Marcos 14:3
“Estando Jesus em Betânia, reclinado à mesa na casa de um homem conhecido como Simão, o leproso”.

* Lucas disse que ele estava Jantando: Lucas 7:36
“Convidado por um dos fariseus para jantar, Jesus foi à casa dele e reclinou-se à mesa”.

* O Jantar naquele tempo começava as 3 horas da tarde e só terminava às madrugadas.

* Não temos informação do horário, mas no meio do jantar alguém invade a casa e surpreende a todos.

* Essa mulher entra num jantar somente de Homens, mulher só poderia ficar na cozinha. Mas aquela mulher, e alguns comentaristas e estudiosos crêem que era Maria (irmã de Lázaro, que era a mesma Maria Madalena).

* Essa mulher entra na casa, invade a sala, quebra um frasco de perfume e derrama todo perfume, um perfume caríssimo sobre Jesus.

* Lucas 7:37 – diz que ele se deita aos pés de Jesus e chora e com suas lágrimas molha os seus pés e enxuga com seus cabelos.

* O Perfume era caro – era um frasco de barro cheio do melhor perfume e mais caro daquela época.

* O Perfume exalou em toda casa. Todo mundo sentiu o bom cheiro desse perfume.
*Aquilo era o que de mais valioso aquela mulher tinha.

* Ela derrama tudo, todo perfume para perfumar a pessoa que ela mais admirava. Alguém que tinha feito grande obra na sua vida.

* Ela quebra todos os tabus – não importa que não posso entrar na casa de um fariseu, não importa que não pode entrar num jantar de homens, não importa em perfumar a vida de Jesus com o que tinha de mais valioso.

Alguns princípios importantes neste texto:

1º Princípio
– Para perfumar a história da minha vida eu tenho que ultrapassar todas as barreiras.

6 - Estando Jesus em Betânia, na casa de Simão, o leproso,
7 - aproximou-se dele uma mulher

* Quais foram às barreiras que ela teve que enfrentar:

- O preconceito – Lucas 7:39 - Ao ver isso, o fariseu que o havia convidado disse a si mesmo: “Se este homem fosse profeta, saberia quem nele está tocando e que tipo de mulher ela é: uma ‘pecadora’ ”.

* Aquela mulher não olhou para sua posição (prostituta), não olhou para quem era, mas olhou para quem Jesus era.

* Nós olhamos demais para quem somos e isso é uma grande barreira na nossa vida, olhe para quem Deus é.

- As pessoas – Havia muitas pessoas ali, além dos discípulos, muitos convidados. Ela não se preocupa com nada disso, invade a casa, não pensa naqueles que iriam impedi-la. Mais vai e sem medo encontra o que quer.

* Muitas vezes pessoas são colocadas, para atrapalhar nossa vida, nossa caminhada, nossa aproximação a Cristo.

* Se você não tomar cuidado essas pessoas são barreiras fortíssimas para te desanimar e fazer você desistir.

* Ele enfrentou, ele não pensou duas vezes e invadiu aquela casa, não ouviu quando disseram: Sai daqui sua vagabunda, sua prostituta, profanadora.

2º Princípio

– Para Perfumar a História da minha vida eu tenho que derramar o melhor de mim para Jesus.
6 - Estando Jesus em Betânia, na casa de Simão, o leproso,
7 - aproximou-se dele uma mulher com um frasco de alabastro contendo um perfume muito caro. Ela o derramou sobre a cabeça de Jesus, quando ele se encontrava reclinado à mesa.

* Aquela mulher tinha um propósito – ela não estava disposta a desistir, enfrentou todas as barreiras, mas além disso, estava disposta a derramar tudo que tinha na presença de Jesus.

* O texto diz que ela quebrou o vaso de alabastro – era um perfume de alto valor – e derramou sobre Jesus.

* Ela enfrenta tudo e todos para dar o melhor que ela tinha pro Senhor.

* A Maior característica da mudança daquela mulher, da transformação: Foi que ela não tinha nada mais valioso que derramar aos pés de Jesus tudo o que possuía.

* O que é mais valioso para você – derramar aos pés de Jesus o que você possui?

* Ou mais valioso para você é o que você possui – essa resposta é dada, não com palavras, mas pela atitude de entregar.

* Algumas lições conclusivas:

1) Aquilo que eu entrego só é valioso quando eu desagrado o egoísmo humano.
8 - Os discípulos, ao verem isso, ficaram indignados e perguntaram: “Por que este desperdício?

2) Aquilo que eu entrego só é valioso quando não acho no direito de administrar o que possuo.
9 - Este perfume poderia ser vendido por alto preço, e o dinheiro dado aos pobres”.

3) Aquilo que eu entrego só é valioso quando eu entendo que estou sepultado com Jesus.
12 - Quando derramou este perfume sobre o meu corpo, ela o fez a fim de me preparar para o sepultamento.
Conclusão:

Quando eu entrego o que é de valor para o Senhor eu perfumo a História das gerações.
13 - Eu lhes asseguro que em qualquer lugar do mundo inteiro onde este evangelho for anunciado, também o que ela fez será contado, em sua memória”.

* O perfume daquela mulher exala até os nossos dias, de gerações em gerações, aquele perfume valioso exala a história de algum que perfumou a história de muitas pessoas.

* Todos naquele dia sentiram o perfume e hoje nós podemos sentir o mesmo perfume: Entregando a Deus, derramando sobre Jesus o perfume que perfumará a história das nossas famílias, da nossa igreja, da nossa cidade e da nossa nação.
2 Coríntios 2:14-15
“Mas graças a Deus, que sempre nos conduz vitoriosamente em Cristo e por nosso intermédio exala em todo lugar a fragrância do seu conhecimento; porque para Deus somos o aroma de Cristo entre os que estão sendo salvos e os que estão perecendo”.





sábado, 24 de outubro de 2009


É possível ser
íntegro vivendo
numa sociedade
corrupta?



* A fidelidade é um apanágio do cristão, uma marca distintiva do crente.
* Num mundo regido pela ética flácida e situacional, somos chamados a viver com integridade inegociável, como luzeiros do mundo, andando de forma justa, sensata e piedosa.
Vamos examinar esse momentoso tema da integridade inegociável à luz da vida do profeta Daniel.
1. Daniel, um homem íntegro a despeito de um passado de dor.
- Muitas pessoas abrem a guarda, deixam brechas no escudo da fé e transigem com os absolutos de Deus quando cruzam os vales sombrios da dor.
* Nem todos permanecem fiéis quando são pressionados, provados e acuados pelas circunstâncias adversas.
* Daniel constitui-se num monumento da graça de Deus a mostrar-nos que é possível manter-se íntegro e fiel a despeito das provas mais amargas, do sofrimento mais atroz.
* Daniel foi arrancado de sua pátria, da sua cidade, da sua família e levado cativo para uma nação estrangeira.
* Ele viu sua cidade ser saqueada e destruída por essa nação amarga e impetuosa.
* Ele perdeu sua liberdade, sua família e seu nome. Os caldeus só não puderam conquistar sua consciência nem assaltar a cidadela da sua alma.
* Ele manteve-se íntegro no cativeiro.
* Ele não se entregou à amargura nem se capitulou à idolatria babilônica. Mesmo sendo um adolescente, conservou uma ética granítica; mesmo submetido a provas extremas, conservou sua integridade inegociável.

2. Daniel, um homem íntegro a despeito de um presente de oportunidades e riscos.
- Nabucodonosor, rei da Babilônia, investiu em Daniel e seus amigos, matriculando-os na maior e mais conceituada Universidade daquele tempo, dando-lhes bolsa integral, comida de graça da mesa real e ainda garantia de emprego no primeiro escalão do governo mais poderoso do mundo.
* Aos olhos desatentos seria essa uma oportunidade de ouro, uma bênção singular. Mas, Daniel percebeu que para alcançar tão generosos favores precisaria negociar a verdade, transigir com sua consciência e negar o seu Deus.
* Esse era um preço alto demais e Daniel, com sabedoria, humildade e determinação recusou-se a contaminar-se com as finas iguarias da mesa real.
* Ele percorreu com desenvoltura os corredores da Universidade Babilônica, sem vender sua alma ao diabo.
* Trocaram seu nome, mas não o seu coração.
* Daniel permaneceu íntegro a despeito do meio corrupto.
* Não é o ambiente que faz o homem, mas este aquele.
* O homem não é um produto do meio. Aqueles que são transformados por Deus e vivem para a glória de Deus podem brilhar na escuridão e manterem-se íntegros no meio da corrupção.
3. Daniel, um homem íntegro a despeito de um futuro de glória.
- Depois de três anos intensivos, na Universidade da Babilônia, Daniel foi submetido a exames meticulosos pelo próprio rei.
* Ele foi encontrado dez vezes mais sábio do que seus pares. Imediatamente foi guindado à uma posição de honra no reinado de Nabucodonosor.
* Agora, novos perigos estavam diante dele: não mais a pobreza e a escravidão, mas a riqueza, o poder e a influência.
* Vivendo como uma ilha de integridade e cercado por um mar revolto de corrupção Daniel não abriu mão dos princípios de Deus que haviam regido a sua vida desde a infância.
* Há muitos que pensam que o poder corrompe, mas o poder apenas revela os corrompidos. A corrupção não está no poder, mas no coração corrupto.
* É possível ser íntegro, mesmo cruzando os corredores do poder, mesmo galgando as posições mais elevadas no campo religioso, político e econômico.
* Daniel foi um homem fiel a Deus na escravidão e na liberdade.
* Ele foi fiel a Deus na pobreza e na riqueza. Foi fiel a Deus na juventude e na velhice. A Babilônia caiu e um novo reino se levantou; o reino Medo-persa. Mas,
* Daniel continuou incorruptível e impoluto no meio de uma geração degenerada.
* A vida e o exemplo desse profeta, intercessor, político e estadista nos prova que é possível ser um crente íntegro no meio de uma geração corrompida e má.

Que Deus nos ajude a viver à altura desse insigne exemplo.


AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes

sexta-feira, 23 de outubro de 2009


O QUE LEVA
O CRISTÃO
AO FRACASSO




INTRODUÇÃO

* Nos dias atuais se fala muito em vitória, aliás, todos nós se pudéssemos excluímos a palavra derrota de nossas vidas. Todavia, não sendo possível essa façanha, podemos, pelo menos, nos prevenir contra a derrota ou fracasso.

* Porque será que existem muitos crentes derrotados?

* Sem poder espiritual, caídos, abatidos, etc.

* O Apóstolo Paulo, fala em Rm 8.38 que "Em Cristo nós somos mais do que vencedores".

* Ele diz também em 2 Co 10.4-5, que "As armas de nossa luta não são carnais, mas são poderosas em Deus para destruição das fortalezas".

* Não há razão para nós fazermos parte do grupo dos derrotados. Contudo se não levarmos a sério nossa vida cristã, podemos amargar sérias derrotas.

"VEJAMOS, POIS, AS CAUSAS DA DERROTA DE UM CRISTÃO":

I. A FALTA DE CONTROLE SOBRE NOSSOS IMPULSOS CARNAIS - Gn 25. 29-32

1. Esse foi o primeiro passo para a derrota de Esaú Gn 25.29-32

a) Ao voltar do campo deixou ser dominado pelos impulsos carnais

- Esaú voltou do campo esmorecido Vs. 29. Esta expressão indica que ele estava muito cansado, esgotado, exausto. Satanás usa estes momentos de fraqueza para nos tentar e nos arrastar ao pecado.

b) Torna-se difícil o controle dos impulsos carnais quando estamos relativamente fracos.

Foi desta forma que ele tentou seduzir Jesus, Mt 4.1-4.

Porém em Rm 8.3, Paulo nos informa que Cristo "venceu o pecado na carne".

2. Aqueles que obedecem a sua natureza terrena, mundana, desagradam ao Senhor.

a) Os que estão na carne, não podem agradar a Deus. Rm 8.8.

Em razão de sua inclinação carnal, Esaú foi chamado de fornicário e profano.

Hb 12.16,

* Não permitamos que nossa vida seja governada por impulsos carnais, pois tal comportamento nos levará a derrotas espirituais.

II – NÃO VALORIZARMOS A GRAÇA DE DEUS Gn 25. 32-34

1. Ao vender o direito de primogenitura, Esaú não valorizou a graça de Deus V. 32.

a) O Direito de primogenitura, consistia basicamente de três coisas:

- Chefia da família na falta do pai.

- Recebimento de quinhão dobrado da herança, Dt 21.17.

- Entrada para a linhagem do Messias.

b) Quantos crentes, em razão de seus momentos de fraqueza, ou de prazer, têm também desprezado a graça de Deus?

- Muitas vezes, um prato de comida, um baile de carnaval, um cigarro, etc., tem levado você para longe das promessas de Deus.

- A Palavra de Deus nos exorta a não amar o mundo, uma vez que tudo no mundo é passageiro, 1 Jo 2.15-17.

- Podemos ver este comportamento no exemplo do filho pródigo, que preferiu trocar a casa de seu pai, onde havia fartura e abundância pela fome, desgraça e miséria do mundo, Lc 15.11-16.

2. Alguns servos de Deus do passado fizeram escolhas mais vantajosas:a) Moisés - "Trocou os prazeres transitórios do Egito para viver junto ao seu povo", Hb 11.24-26.

b) Daniel - não aceitou contaminar-se com as comidas servidas na mesa do rei da Babilônia, Dn 1.8.

III - BUSCARMOS O ARREPENDIMENTO TARDIAMENTE Hb 12.16-17

- Aquele que tenta servir a Deus, mas continua envolvido com o pecado, chegará a um ponto em que perderá a sensibilidade do pecado e não conseguirá arrepender-se:

a) Tal foi o seu sofrimento com o pecado, que Esaú, não conseguiu arrepender-se literalmente, embora, tenha buscado o arrependimento com choro. V. 17

b) Uma pessoa que conhece a graça de Deus, e a dispensa, pelo gozo do pecado, se envolvendo seriamente com mundo, chegará a um ponto de apostasia total que tornará difícil, até mesmo impossível um retorno para Deus, Hb 6.4-6.

c) Exemplo de arrependimento tardio - 1 Sm 15.24-28.

CONCLUSÃO

- Como tem sido a sua vida cristã? Uma sucessão de derrotas, ou uma sucessão de vitórias?

- Se você não controla seus impulsos carnais, despreza a graça de Deus, e busca o arrependimento tardiamente, você é um cristão derrotado, que nem pode ser chamado de um cristão.

- Clame diariamente pela graça de Deus.


AUTOR: Pr. Genismar Marques de Souza




quinta-feira, 22 de outubro de 2009


A Contribuição que
Glorifica a Deus


* É conhecida a expressão "contribua de acordo com a sua renda para que Deus não torne a sua renda de acordo com a sua contribuição".

* A contribuição com a obra de Deus e a oferta aos pobres e necessitados é uma prática bíblica inquestionável.

* Infelizmente, vivemos hoje dois extremos nesta questão: aqueles que ultrapassam os limites das Escrituras e gananciosa e astuciosamente arrancam o último vintém dos incautos, mercadejando a Palavra de Deus e vendendo no balcão da fé a sua graça e aqueles que amam mais o dinheiro do que a Deus e fecham o coração e o bolso, negligenciando a graça da contribuição, sendo infiéis na mordomia dos bens.

* A devolução dos dízimos é um ensino bíblico insofismável, presente antes da lei, durante e lei e depois da lei.

* A contribuição pessoal, voluntária, generosa, sistemática e alegre está presente tanto no Antigo como no Novo Testamento.

* O rei Davi ofereceu-nos alguns princípios importantes sobre a contribuição que glorifica a Deus, quando se preparava para a construção do templo de Jerusalém.

Vejamos:

1. Devemos contribuir porque a obra de Deus a ser realizada é muito grande - I Cr 29:1

* Davi disse: "... esta obra é grande; porque o palácio não é para homens, mas para o Senhor Deus".

* Davi estava construindo o templo e o palácio. Queria fazer o melhor e dar o melhor para Deus. Tudo o que fazia não era pensando nos homens, mas em Deus.

* Igualmente, a igreja está realizando uma grande obra: não apenas na construção e ampliação de templos, mas na expansão do Reino de Deus.

* Há templos a serem construídos, igrejas a serem plantadas, pessoas necessitadas a serem assistidas, missionários a serem enviados, muito terreno a ser conquistado aqui e além fronteira.

2. Devemos contribuir com liberalidade porque Deus merece o melhor - I Cr 29:2

* Davi, com todas as suas forças preparou para a Casa de Deus, em abundância, aquilo que existia de melhor.

* Deus é dono de tudo.

* Tudo o que temos vem das suas mãos.

* Tudo o que damos, também procede de suas dadivosas mãos.

* Ele é Deus de primícias.

* Ele merece o melhor e não as sobras.

* As coisas de Deus precisam ser feitas com excelência.

* Não podemos ofertar a Deus com usura, pois ele não nos dá suas bênçãos por medida. Ao ofertar ao Senhor, devemos colocar aí o nosso coração e a nossa força.

3. Devemos contribuir motivados por grande amor a Deus e a sua obra - I Cr 29:3

* Davi não apenas recolheu ofertas dos outros, mas ele pessoalmente, deu para a Casa do seu Deus o ouro e a prata particulares que tinha. E fez isso, porque amava a Casa do seu Deus.

* Quem ama dá.

* Quem ama é pródigo em ofertar.

* Nosso amor por Deus não passa de palavrório vazio se não ofertamos ao Senhor com generosidade.

* Nossa contribuição, ainda que sacrificial, não tem valor diante de Deus, se não é motivada pelo nosso amor ao Senhor e a sua obra.

* O apóstolo Paulo diz que ainda que entreguemos todos os nossos bens para os pobres, se não tivermos amor, nada disso aproveitará.

4. Devemos contribuir espontaneamente motivados pela alegria de Deus - I Cr 29:5-9

* A contribuição é uma graça que Deus nos dá.

* É um privilégio ser cooperador com Deus na sua obra.

* O ato de contribuir é uma expressão de culto e adoração. Deus ama a quem dá com alegria.

* A voluntariedade e a alegria são ingredientes indispensáveis no ato de contribuir.

* Davi perguntou ao povo: "Quem está disposto, hoje, a trazer ofertas liberalmente ao Senhor?

... O povo se alegrou com tudo o que se fez voluntariamente; porque de coração íntegro deram eles liberalmente ao Senhor; também o rei Davi se alegrou com grande júbilo" (I Cr 19:5,9).

* Devemos vir ao gazofilácio para ofertar, exultando de alegria e não com tristeza.

5. Devemos contribuir conscientes de que Deus é dono de tudo e que tudo deve ser feito para a sua glória - I Cr 29:10-22

* O resultado da alegre, generosa e abundante oferta do rei e do povo foi a manifestação da glória de Deus.

* Davi louvou a Deus pela sua glória, poder e riqueza, reconhecendo que as ofertas que deram tinham vindo do próprio Deus.

* O povo adorou a Deus e houve grande regozijo.

* O maior propósito da nossa contribuição deve ser a manifestação da glória de Deus.

* O Senhor é mais glorificado em nós quanto mais nos deleitamos nele.

* Que tudo o que somos e temos esteja a serviço de Deus e seja um tributo de glória a Deus.

* Que os bens que Deus nos deu estejam no altar de Deus a serviço a Deus.


AUTOR: Rev. Hernandes Dias Lopes



++++++++++++++


===============