domingo, 5 de abril de 2009


SÍNDROME DE LUCIFER NA IGREJA


Hoje, são comuns algumas pessoas usarem a palavra SÍNDROME. Falam sobre a Síndrome de Down, Síndrome do Pânico, Síndrome do Intestino Irritável, Síndrome de Peter Pan, Síndrome de Estocolmo e muitas outras síndromes.


I. MAS, O QUE SIGNIFICA SÍNDROME?


 Síndrome é definida como um conjunto de reações, ou “reunião de sinais e sintomas provocados por um mesmo mecanismo e dependentes de causas diversas”.


Exemplos:


1) Se uma criança está com infecção na garganta, com hálito forte, com certeza ela terá FEBRE;


2) Quadro de febre, aumento de gânglios, dores musculares e eritema cutâneo generalizado. Febre: temperatura igual ou acima de 38ºC por mais de 30 dias. Fraqueza generalizada de duração superior a um mês.

Diarréia: duas ou mais evacuações por dia, constante ou intermitente, por pelo menos um mês. Perda de peso maior que 10% do peso normal. Tosse persistente ou pneumonia. Manchas violáceas na pele ou mucosas. isso pode caracterizar que ela possa ser portadora do vírus HIV (AIDS).


HJ EXISTEM ALGUMAS SÍNDROMES QUE SERVEM PARA DESCREVER SITUAÇÕES:


“Síndrome de Peter Pan”, refere-se a um conjunto de atitudes desenvolvidas por pessoas que não conseguem sair da “terra do nunca”, se satisfazem nas suas fantasias e se recusam a crescer e a assumir as implicações da maturidade.


• “Síndrome de Estocolmo” um estado psicológico desenvolvido por pessoas que são vítimas de seqüestro, mas que passam a se identificar ou tentam conquistar a simpatia do seqüestrador. Esta síndrome recebeu este nome em referência ao famoso assalto em Norrmalmstorg em Estocolmo que durou de 23 a 28 de agosto de 1973, no qual as vítimas passaram a defender seus seqüestradores nos processos judiciais que se seguiram. Duas das vítimas se casaram com os seqüestradores após o término do processo.


• “Síndrome de Lúcifer”, nos referimos a um conjunto de comportamentos humanos que imitam este ser, para uns mitológico, mas que a Bíblia afirma sua pessoalidade, com desejos, vontade, projetos, estratégias e caprichos. Satanás na Bíblia é um ser real, com personalidade própria, ele é chamado de “inimigo de nossas almas” e “adversário”.


FONTE: Samuel Vieira / Jornal Contexto – Anápolis


* A história do povo de Deus não é apenas uma história de glória, santidade e progresso, mas é também uma feita de relacionamentos quebrados, infidelidade, ambição, orgulho, política de força e atos imorais.


Fonte: http://www.scribd.com/doc/4460728/Caio-Fabio-Sindrome-de-Lucifer#document_metadata

II. VEJAMOS ALGUNS EXEMPLOS BÍBLICOS DE MANIFESTAÇÕES DA SÍNDROME DE LÚCIFER


1º. A REBELIÃO DE CAM (Gn 9.20-27).


Pecado: Cam viu a nudez de seu pai Noé, e foi expor aos seus irmãos. Por essa atitude de desrespeito com a autoridade de seu pai, Cam e toda a sua geração foram amaldiçoadas, ele não teve progresso na sua vida pessoal e tornou-se escravo dos seus irmãos.


O que podemos aprender com esta história:


Aprendemos que um filho não pode jamais falar mal do seu pai (natural ou espiritual) porque está se colocando debaixo de maldição. E por esse motivo não irá progredir na sua vida pessoal. (familiar, profissional, ministerial).


2º. A REBELIÃO DE NADABE E ABIÚ (LV 10:1- 2).


Pecado: Nadabe e Abiu agiram independente da autoridade do Senhor, que era representada por Arão, seu pai. Eles colocaram fogo estranho no incensário, sem a ordem de Arão e foram reprovados por Deus sendo mortos consumidos pelo fogo.


O que podemos aprender com essa história:


Aprendemos que alguém que não age debaixo da autoridade do Senhor e daqueles a quem Ele delegou autoridade, seu ministério será reprovado por Deus e ele morrerá em sua insubordinação.


Levar fogo estranho no altar do Senhor significa servir sem estar em obediência a autoridade delegada. (precisamos nos santificar antes de servir).

3. A REBELIÃO DE ARÃO E MIRIÃ (Nm 12):


Pecado: Arão e Miriã, irmãos de Moisés, reprovaram sua atitude de ter tomado uma mulher estrangeira como sua esposa. Poderiam ter resolvido o assunto no âmbito familiar, mas decidiram por si mesmos reivindicaram a mesma autoridade que Moisés tinha. Quando foram contra Moisés foram contra Deus. Conseqüentemente sofreram seu juízo: Eles ficaram debaixo da ira de Deus - perderam a presença de Deus - Miriã ficou leprosa e foi afastada da comunhão do povo - e a obra parou por sete dias.


O que podemos aprender com essa história:


Quem se levanta contra uma autoridade querendo se colocar em igualdade a ela, sofrerá os mesmos danos que Arão e Miriã sofreram.


4. A REBELIÃO DE CORÉ, DATÃ E ABIRÃO (NM 16):


Pecado: Coré, Datã e Abirão, com mais 250 homens que serviam no tabernáculo, causaram uma divisão no meio do povo de Deus, porque queriam se igualar em autoridade a Moisés. Quando foram contra Moisés e Arão, foram contra o Senhor. Diante disso veio o juízo do Senhor sobre eles e a terra se abriu e tragou-os para seu abismo e morreram.


O que podemos aprender com essa história:


Quem causa divisão no meio da igreja, se torna uma pessoa abominável a Deus e entra em condenação com os rebeldes.


Conclusão:


• Toda autoridade representa a autoridade do próprio Deus.


• Deus coloca confiança e unção nas pessoas que Ele levanta como autoridade.


• Ele delega autoridade mesmo a homens limitados e fracos. Portanto quem teme a Deus também teme a autoridade por ele representada.


• • Precisamos fugir da rebelião assumindo a nossa posição em Cristo - (I Pe 1:14-16)




Nenhum comentário:

Postar um comentário